Qual é a ligação entre Osteoporose e Esclerose Múltipla?

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A Osteoporose é uma condição que enfraquece os ossos do corpo, levando a um risco aumentado de fraturas ósseas. Por várias razões, a Osteoporose é comum em pessoas com Esclerose Múltipla (EM).

A parte complicada da Osteoporose é que é uma condição silenciosa, o que significa que uma pessoa não apresenta sintomas de enfraquecimento ósseo. Por exemplo, não há dores ou dores ósseas, que são vistas em outras doenças articulares e ósseas, como a Osteoartrite. Na verdade, o diagnóstico de Osteoporose geralmente só é feito depois que uma pessoa passa por um teste de densitometria óssea ou depois de sofrer uma fratura.

Pessoas com Osteoporose são especialmente vulneráveis ​​a fraturas de quadril ou punho, que geralmente ocorrem após uma queda – uma consequência comum do declínio da mobilidade em pessoas com EM.

Além disso, como os ossos fraturam, eles têm o potencial de cicatrizar mal, especialmente se a pessoa receber um diagnóstico tardio. Isso é mais comum para fraturas da coluna vertebral, pois nem sempre são dolorosas. E essas fraturas mal curadas podem contribuir ainda mais para problemas relacionados à Esclerose Múltipla, criando um ciclo totalmente implacável.

 

Por que sou suscetível à osteoporose se tenho EM?

Acredita-se que a própria Esclerose Múltipla desempenhe um papel no aumento do risco de desenvolver Osteoporose. Surpreendentemente, mesmo os jovens nos estágios iniciais da EM – que possuem menos sintomas – apresentam perda óssea. Os cientistas não sabem ao certo por que esse é o caso, mas provavelmente há várias razões em jogo.

Outro fator de risco potencial é ter um baixo nível de vitamina D, que os especialistas sabem que aumenta o risco de uma pessoa desenvolver EM. Da mesma forma, sabemos que a vitamina D é essencial para manter a resistência óssea, e ter pouca absorção da Vitamina D no corpo pode causar Osteoporose.

 

Por qual motivo uma pessoa pode ser deficiente em Vitamina D?

Por diversos motivos. Pode ser o resultado de não receber luz solar suficiente (a pele produz vitamina D quando exposta aos raios UV do sol). Ou pode ser devido a uma condição de saúde, como a doença celíaca, onde vitaminas como a vitamina D não são bem absorvidas pelo corpo.

A boa notícia é que, se o seu médico descobrir que você tem baixos níveis de vitamina D, tomar um suplemento pode impedir que você tenha Osteoporose ou melhorar a força e a saúde de seus ossos se você já tiver sido diagnosticado.

 

Os medicamentos podem causar Osteoporose?

Medicamentos usados para tratar recaídas e sintomas de Esclerose Múltipla também podem contribuir para o enfraquecimento ósseo; um grande culpado é o uso de esteróides. Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRSs) – medicamentos usados para tratar a depressão na EM – também podem causar enfraquecimento ósseo e Osteoporose.

 

Existem fatores não relacionados à EM que aumentam o risco de osteoporose?

Existem vários fatores não relacionados à EM que aumentam sua chance de contrair osteoporose, incluindo: 

  • Aumento da idade
  • Menopausa
  • Tabagismo
  • Estar abaixo do peso
  • Abuso de álcool
  • Estilo de vida sedentário
  • História familiar de Osteoporose

 

O que posso fazer para prevenir a Osteoporose?

A Osteoporose é evitável. Se você já foi diagnosticada, não desanime. Você ainda pode melhorar a força de seus ossos e prevenir futuras fraturas. Uma maneira é através do exercício. A realização de 30 minutos de exercícios diários de sustentação de peso não apenas previne a perda óssea, mas também ajuda a prevenir quedas.

Exercícios mais rigorosos, como subir escadas, podem não ser adequados para pessoas com EM, mas excelentes exercícios de sustentação de peso incluem:

  • Caminhada
  • Danças
  • Musculação
  • Faixas de resistência na sua cadeira de rodas

Se você estiver muito limitado em sua mobilidade, tente estas técnicas de fortalecimento ósseo:

  • Fique de pé o máximo possível ao longo do dia; use um estabilizador vertical (standing frame) se você não pode ficar sozinho em pé.
  • Tai chi.
  • Yoga em cadeira de rodas.

Se você está considerando um programa de exercícios, é melhor pedir ao seu médico uma indicação de fisioterapia. Um fisioterapeuta pode ajudá-la a elaborar um programa de exercícios que funcione para suas limitações pessoais. Mais importante, com seu terapeuta, crie um programa que você goste – você pode se surpreender com o quão revigorado você se sente após um treino.

 

Além de se exercitar, pode ser útil repensar sua dieta. Algumas opções a considerar são:

  • Adicionar alimentos que fortalecem os ossos, como frutas, legumes, proteínas magras, cálcio e gorduras insaturadas à sua dieta
  • Ir a uma nutricionista
  • Experimentar receitas ricas em cálcio (divertir-se na cozinha também pode ser uma boa distração para os sintomas da EM) 

⇒ Aproveite e faça o download gratuito do ebook sobre Alimentação e Prevenção da Osteoporose da CDD – Crônicos do Dia a Dia.

Checar como está a sua vitamina D também é uma boa ideia. Se o seu nível for baixo, seu médico provavelmente recomendará suplementos de vitamina D. Obter vitamina D adequada de sua dieta pode ser difícil, mas lembre-se de não tomar nenhum suplemento nutricional sem antes ter a aprovação do seu médico, pois ele pode interagir com seus outros medicamentos ou não ser adequado para você com base em seu histórico de saúde.

Alguns profissionais de saúde recomendam o exame de densitometria óssea logo após o diagnóstico de Esclerose Múltipla, independentemente da idade. Converse com seu médico para ver se isso é apropriado para você.

 

Uma palavra sincera

Ter um osso quebrado – especialmente aquele que limita sua independência e mobilidade – além do convívio com a EM é tudo menos o ideal. Então, assim como você assumiu um papel ativo em aprender sobre sua Esclerose Múltipla e controlar os aspectos possíveis, mantenha seus ossos saudáveis ​​por meio de atividades regulares e uma dieta nutritiva para minimizar o risco de Osteoporose.

 

Referências

  1. Dobson R, Ramagopalan S, Giovannoni G. Bone health and multiple sclerosis. Mult Scler. 2012 Nov;18(11):1522-8. doi:10.1177/1352458512453362
  2. National Institutes of Health. Osteoporosis and Related Bone Diseases Resource Center. Osteoporosis overview.
  3. Dionyssiotis Y. Bone loss and fractures in multiple sclerosis: focus on epidemiologic and physiopathological features. Int J Gen Med. 2011;4:505-509. doi:10.2147/IJGM.S22255
  4. Kampman MT, Eriksen EF, Holmøy T. Multiple sclerosis, a cause of secondary osteoporosis? What is the evidence and what are the clinical implications? Acta Neurol Scand Suppl. 2011;(191):44-9. doi: 10.1111/j.1600-0404.2011.01543.x
  5. U.S. National Library of Medicine. Vitamin D Deficiency. Medline Plus.
  6. National Osteoporosis Foundation. Calcium and vitamin D.
  7. National Institutes of Health. Osteoporosis and Related Bone Diseases Resource Center. Exercise for your bone health.
  8. National Osteoporosis Foundation. Exercise/Safe Movement.
  9. National Osteoporosis Foundation. Nutrients.

 

Leia mais:

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Very Well Health

Escrito pelo médico Colleen Doherty e revisado clinicamente pela médica Claudia Chaves. Atualizado em 11 de maio de 2021.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre