Opções de contraceptivos para pessoas com Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Para muitas mulheres com Esclerose Múltipla (EM), engravidar pode não estar nos planos de vida do momento. Aliado a isso, as opções de contraceptivos são inúmeras. Conheça alternativas de métodos anticoncepcionais disponíveis no mercado.

Os sintomas da doença começam durante a idade fértil, mas, felizmente, ter EM não afeta sua capacidade de engravidar ou ter um parto bem-sucedido e descomplicado. Claro, nem toda mulher está interessada em ter – ou está pronta para ter – um bebê. Como resultado, encontrar o anticoncepcional certo é importante. Se você tem Esclerose Múltipla, aqui está o que você precisa saber sobre como tomar decisões de controle de natalidade.

 

Considere o uso de contraceptivos orais na Esclerose Múltipla

Os contraceptivos orais, também conhecidos como pílulas anticoncepcionais, são uma das opções de controle de natalidade mais seguras e eficazes disponíveis. Além disso, alguns especialistas acreditam que o uso de contraceptivos orais pode ter um efeito positivo na EM, potencialmente retardando os sintomas a curto prazo.

No entanto, as pílulas anticoncepcionais podem não ser a escolha certa para você, porque podem interagir com outros medicamentos. Por exemplo, as pílulas podem diminuir a eficácia de medicamentos comumente prescritos para esclerose múltipla, como benzodiazepínicos, incluindo lorazepam, oxazepam e temazepam. Por outro lado, alguns medicamentos, como antibióticos e certos medicamentos anticonvulsivos, incluindo carbamazepina e fenitoína, podem diminuir a eficácia das pílulas anticoncepcionais.

 

Procure outras opções de contraceptivos na Esclerose Múltipla

Suas escolhas não terminam com a contracepção oral. Em geral, você tem as mesmas opções de controle de natalidade que as mulheres sem EM.

  • Dispositivos intrauterinos (DIUs), pequenos dispositivos que seu médico implanta em seu útero, geralmente são seguros e eficazes. Alguns DIUs liberam hormônios, enquanto outros liberam uma pequena quantidade de cobre, o que impede que o esperma fertilize o óvulo. Existem algumas evidências de que drogas imunossupressoras podem reduzir a eficácia do DIU.
  • Outra opção é o implante de progesterona, que também não requer manutenção e é eficaz por até cinco anos. A progesterona também pode ser injetada. É importante saber que este método tem sido associado a um maior risco de osteoporose. Se você tem Esclerose Múltipla, pode estar em maior risco para esta condição óssea devido à sua mobilidade limitada ou ao uso de esteróides.
  • Outras opções incluem o adesivo de pele, geralmente usado na parte inferior do abdômen ou nas nádegas, libera hormônios na corrente sanguínea para impedir que os ovários liberem óvulos. 
  • Você também pode considerar um anel vaginal fino e flexível. Ele libera os hormônios progestina e estrogênio, mas pode exigir uma boa destreza manual para inserir corretamente.

 

O que saber sobre hormônios

As opções hormonais de controle de natalidade não são adequadas para todos. Se você fuma e tem mais de 35 anos, converse com seu médico antes de tomar anticoncepcionais hormonais. Pode aumentar o risco de coágulos sanguíneos. 

Se você tem Esclerose Múltipla e problemas de mobilidade, também pode ser mais suscetível a coágulos sanguíneos nas pernas e deve ser monitorado de perto pelo seu médico se usar essas opções.

Se o controle de natalidade hormonal é uma preocupação, contraceptivos de barreira, como diafragmas, preservativos ou espermicidas, podem ser boas escolhas na Esclerose Múltipla. Lembre-se de que tremores nas mãos ou fraqueza podem causar problemas ao usar dispositivos de barreira. Seu médico pode ajudá-lo a verificar as suas opções.

 

Planejamento para a gravidez na Esclerose Múltipla

Se você está pensando em tentar ter filhos, converse com seu médico primeiro. Alguns medicamentos para a Esclerose Múltipla não foram minuciosamente estudados durante a gravidez e podem não ser seguros. 

Prevenir a gravidez é especialmente importante ao tomar medicamentos como acetato de glatirâmer, betainterferona-1a recombinante e betainterferona-1a. Pergunte ao seu médico sobre outras opções de medicamentos e por quanto tempo você deve ficar sem alguns deles antes de engravidar.

 

Escrito por Gina Garippo

Revisor Médico: William C. Lloyd III, MD, FACS

Data da última revisão: 8 de julho de 2021

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Healthgrades

 

Leia mais:

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre