Como o calor afeta os sintomas da Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Mesmo um ligeiro aumento na temperatura pode ser um gatilho para que os sintomas da Esclerose Múltipla apareçam, principalmente quando está muito calor.

As pessoas com Esclerose Múltipla (EM) frequentemente experimentam um agravamento temporário de seus sintomas em tempo quente ou quando estão com febre. Estas mudanças temporárias podem resultar de uma elevação de apenas um quarto na temperatura corporal central, pois uma temperatura elevada prejudica ainda mais a capacidade dos nervos desmielinizados de conduzir impulsos elétricos.

Sintomas da Esclerose Múltipla que podem ter o calor como gatilho

Qualquer sintoma de Esclerose Múltipla pode ser muito pior no calor; às vezes, sintomas novos e desconhecidos podem aparecer. Sintomas comuns desencadeados pelo calor incluem:

  • Entorpecimento nas extremidades
  • Fadiga
  • Visão embaçada
  • Tremor
  • Fraqueza
  • Problemas cognitivos

A intolerância ao calor também pode diferir em termos de:

Limiar: Algumas pessoas podem ficar bem dando uma caminhada rápida em um clima de mais de 30ºC, desde que evitem o sol e consumam bebidas frias. Outras começam a sentir sintomas a temperaturas muito mais baixas e com muito menos atividade.

Severidade e tipo de sintomas: Novamente, dependendo da pessoa, os sintomas podem variar desde irritantes, como formigamento nos pés, até debilitantes, como fadiga esmagadora ou fraqueza severa.

Tempo para resolver os sintomas: Embora todos os sintomas resultantes da intolerância ao calor devam se resolver uma vez que a temperatura corporal volte ao normal, isto leva mais tempo para algumas pessoas.

Por que o calor afeta o corpo de quem tem Esclerose Múltipla?

A Esclerose Múltipla pode resultar em lesões no cérebro, nervos ópticos e medula. Isto retarda a capacidade de funcionamento das áreas afetadas, e o calor atrasa ainda mais a transmissão do impulso nervoso nestas regiões.

Normalmente, o calor piora os sintomas que a pessoa já teve anteriormente. Assim, se a pessoa teve uma erupção cutânea em que ficou entorpecida, que mais tarde melhorou, o calor pode trazer à tona esses sintomas novamente, já que a mielina não está totalmente reparada e o calor é um fator de estresse.

O agravamento dos sintomas como resultado do superaquecimento (sendo o mais comum a visão embaçada) é um fenômeno conhecido como Fenômeno de Uhthoff.

O aumento da atividade, o tempo quente, banhos e chuveiros quentes, saunas e banheiras quentes são todas fontes de calor que podem causar problemas para alguém que vive com EM. Estas fontes podem desencadear um fenômeno conhecido como pseudo exacerbação da Esclerose Múltipla, que é a experiência de ter sintomas que aparecem ou pioram devido à exposição ao calor.

É importante entender que isto é diferente de uma verdadeira recaída. No caso de uma pseudo exacerbação, quando a temperatura do corpo volta ao normal, os sintomas da EM desaparecem. Felizmente, nenhum dano – como inflamação, perda de mielina, ou novas lesões – ocorre durante tal episódio.

Algumas pessoas são mais sensíveis ao frio do que ao calor, e seus sintomas, especialmente a espasticidade, pioram nas temperaturas frias. Outras pessoas com Esclerose Múltipla são sensíveis tanto ao frio quanto ao calor, geralmente com sintomas diferentes causados por diferentes extremos de temperatura.

Você sabia?

Antes que houvesse testes de triagem mais sofisticados para a EM, o “teste do banho quente” era usado para diagnosticar a EM. Uma pessoa suspeita de ter Esclerose Múltipla era imersa em uma banheira de água quente e observava-se se os sintomas neurológicos apareciam ou pioravam.

Tratamento para diminuir a temperatura corporal

O agravamento dos sintomas no calor é temporário e eles se resolvem quando o corpo esfria. Técnicas simples de resfriamento geralmente podem ajudar, aqui estão algumas dicas:

  • Fique em um ambiente com ar-condicionado durante períodos de calor e umidade extremos;
  • Use produtos de resfriamento como coletes, envoltórios de pescoço de resfriamento ou uma bandana molhada durante exercícios ou atividades ao ar livre;
  • Use roupas leves, soltas e respiráveis;
  • Beba bebidas frias ou coma picolés;
  • Mantenha-se hidratado com bebidas esportivas contendo eletrólitos;
  • Se você se exercita ao ar livre, escolha horários mais frios do dia para fazê-lo (geralmente é melhor de manhã cedo ou à noite);
  • Use um ventilador oscilante ou ar-condicionado durante o exercício em ambientes fechados;
  • Tome um banho frio para ajudar a reduzir a temperatura corporal após a atividade ou exposição a um ambiente quente.

Embora a intolerância ao calor possa ser extremamente debilitante, a boa notícia é que existem maneiras simples de administrá-la. Aqueles que não conseguem funcionar bem mesmo a temperaturas ligeiramente elevadas podem desejar considerar uma mudança para uma localização geográfica mais fria. Para a maioria, porém, estratégias simples são suficientes para aliviar os sintomas relacionados ao calor.

Perguntas freqüentes sobre o calor e a Esclerose Múltipla

  • É comum que as pessoas com Esclerose Múltipla sintam intolerância ao calor?

Sim. Muitas pessoas com Esclerose Múltipla têm uma intolerância ao calor que faz com que seus sintomas se agravem temporariamente. Estes sintomas frequentemente aparecem na forma de fadiga, tremores ou fraqueza, mas uma intolerância ao calor pode causar qualquer sintoma antigo ou novo de esclerose múltipla. Temperaturas frias também podem ser um problema para algumas pessoas com EM.

  • Como posso evitar um surto de Esclerose Múltipla?

Usar as terapias modificadoras de doenças (DMTs) juntamente com um estilo de vida saudável são consideradas as formas mais eficazes de prevenir uma exacerbação dos sintomas da Esclerose Múltipla. As DMTs são medicamentos que podem ser tomados oralmente, com injeção, ou por infusão intravenosa. Não há maneira de prevenir totalmente a exacerbação da EM, mas fazer exercícios regulares, seguir uma dieta saudável e não fumar pode ajudar a reduzir as chances.

Referências:

  1. Flensner G, Ek AC, Söderhamn O, Landtblom AM. Sensitivity to heat in MS patients: a factor strongly influencing symptomology–an explorative survey. BMC Neurol. 2011;11:27. doi:10.1186/1471-2377-11-27
  2. Davis SL, Wilson TE, White AT, Frohman EM. Thermoregulation in multiple sclerosis. Journal of Applied Physiology. 2010;109(5):1531-1537. doi:10.1152/japplphysiol.00460.2010
  3. Ontaneda D, Rae-Grant AD. Management of acute exacerbations in multiple sclerosis. Ann Indian Acad Neurol. 2009;12(4):264–272. doi:10.4103/0972-2327.58283
  4. National Multiple Sclerosis Society. Heat & temperature sensitivity.
  5. Cleveland Clinic. Multiple sclerosis (MS).

Leia mais no site da AME:

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: VeryWellHealth

Escrito por Julie Stachowiak, em 28 de dezembro de 2021, revisado por Huma Sheikh.

Explore mais

Clube AME

Desestressando o estresse

Como Identificar e Gerenciar a Tensão que a Esclerose Múltipla Pode Causar