Esclerose Múltipla e o conceito de neuroplasticidade

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

O conceito de neuroplasticidade é a capacidade do cérebro de se regenerar e na Esclerose Múltipla (EM) isso pode significar que uma recuperação é possível.

Se você vive com Esclerose Múltipla, provavelmente aprendeu, ou pelo menos ouviu, mais sobre o cérebro e o sistema nervoso do que jamais imaginou. Se você ainda não o fez, é possível que ainda o faça. Existem alguns termos e conceitos que são realmente interessantes e essenciais para viver sua melhor vida com EM. Um deles é o conceito de neuroplasticidade. Então, leia mais abaixo sobre o que é neuroplasticidade e porque é tão importante para as pessoas com Esclerose Múltipla.

 

O que é neuroplasticidade?

A neuroplasticidade é a capacidade do cérebro de continuar crescendo e evoluindo através das experiências da vida. No passado, os cientistas pensavam que isso ocorria apenas durante a infância; no entanto, eles agora percebem que o cérebro tem a capacidade de continuar esse processo ao longo de sua vida. 

A parte “evolutiva” dessa definição é realmente importante para aqueles com EM. Basicamente, isso significa que o cérebro tem a capacidade de se reorganizar para ajudar a compensar lesões e doenças. Isso significa que, com alguma ajuda, o cérebro pode realmente se reconectar na tentativa de continuar funcionando como desejado.

Ao falar sobre neuroplasticidade, você pode ouvir a referência a dois tipos diferentes, “estrutural” e “funcional”:

  • A neuroplasticidade estrutural é a capacidade do cérebro de mudar sua estrutura física à medida que aprende coisas novas. Isso significa que as pessoas podem realmente melhorar a “fiação” do cérebro exercitando-o.
  • A neuroplasticidade funcional é a capacidade do cérebro de mover a função de uma área danificada para uma área não danificada. Este é o cérebro cuidando de si mesmo, controlando os danos e reconectando as áreas que precisam dele para manter a função.

 

O que significa neuroplasticidade para quem tem Esclerose Múltipla?

A neuroplasticidade do cérebro é extremamente importante para as pessoas que têm Esclerose Múltipla. A doença está comprometendo a bainha de mielina que reveste os neurônios das substâncias branca e cinzenta do sistema nervoso central, mas a neuroplasticidade permite compensar esse dano. 

Isto é algo fundamental para voltar de uma recaída, pois o cérebro aprende a contornar as áreas prejudicadas. A neuroplasticidade também é muito importante porque mostra que é possível reabilitar algumas perdas que ocorreram ao longo dos surtos da EM. Estudos mostraram que as pessoas melhoram e até recuperam algumas das funções motoras que perdem devido à EM por meio da reabilitação, tudo por causa da neuroplasticidade do cérebro.

 

Exemplos de neuroplasticidade

Há muito tempo defende-se uma abordagem de equipe completa para combater a Esclerose Múltipla. Com isso, as pessoas podem viver melhor suas vidas com a EM, mais do que apenas com um tratamento básico.

Tratamentos que incluem atividade física, reabilitação ocupacional, da fala, e de saúde mental podem ajudar as pessoas com EM a adaptarem-se aos danos que a condição causa. Todas essas disciplinas provaram ser excepcionalmente úteis para ajudar aqueles com Esclerose Múltipla a melhorar seus problemas físicos e cognitivos.

A neuroplasticidade é motivo de esperança. É por isso que, ao sofrer enormes danos na mielina que envolve os nervos, ainda assim é possível adaptar e recuperar a função. Isso significa que o corpo é capaz de reabilitar e melhorar o que a EM afetou. Poderá nunca ser exatamente como as pessoas gostariam, mas a ciência da neuroplasticidade mostrou um caminho, em que é possível uma recuperação.

 

Referências:

Neuroplasticity and functional recovery in multiple sclerosis. Nat Rev Neurol 8, 635–646 (2012).

Neuroplasticity and motor rehabilitation in multiple sclerosis. Front Neurol

 

Leia mais no site da AME:

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Multiple Sclerosis Net

Escrito por Devin Garlit, em 21 de abril de 2022.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre