Esclerose Lateral Amiotrófica e Esclerose Múltipla: são doenças parecidas?

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

O Dia Internacional da Esclerose Lateral Amiotrófica acontece em 21 de junho. Você sabe quais são as diferenças entre ELA e EM?

Não é incomum, quando a pessoa ouve que tem o diagnóstico de Esclerose Múltipla, perguntar se é a mesma doença do balde de gelo ou daquele físico, o Stephen Hawking

Mas são duas doenças diferentes!

Coincidentemente, ambas foram descritas pelo mesmo neurologista francês, o Charcot, mas desde então já se reconhecia grandes diferenças entre as doenças. 

A confusão se dá pelo nome. De origem grega, a palavra esclerose significa apenas cicatriz, um endurecimento de tecidos do corpo. 

No século XIX, era usual fazer autópsias clínicas, ou seja, abrir os tecidos do corpo de uma pessoa após a morte, depois de acompanhá-las com suas doenças durante a vida. Tanto na Esclerose Múltipla, quanto na Esclerose Lateral Amiotrófica, era possível ver cicatrizes em determinadas localizações do sistema nervoso central. Na primeira, as cicatrizes eram múltiplas, por isso, o nome Esclerose Múltipla. Já a Esclerose Lateral Amiotrófica foi descrita com este nome um tempo depois, em 1933, doença que por vezes também é chamada de Doença do neurônio motor, afinal, as escleroses (cicatrizes) vistas nestes pacientes eram exclusivas dos neurônios responsáveis pela função da movimentação, os neurônios. 

 

Então, vamos às diferenças, na prática, das duas doenças: 

Esclerose Múltipla

Esclerose Lateral Amiotrófica

85% dos casos ocorrem em surtos neurológicos (pioras e melhoras) 

10-15% podem ter curso progressivo 

Todos os casos ocorrem com perda de força progressiva, vagarosa 
Sintomas de alteração de sensibilidade são muito comuns: formigamentos, agulhadas na pele, dores neuropáticas… A sensibilidade não é acometida, os pacientes não apresentam formigamentos. 
Possui diversos tratamentos capazes de modificar o curso da doença  Possui poucas opções de tratamento, que pouco mudam a piora progressiva da doença
A expectativa de vida é praticamente igual à da população geral. Expectativa de vida, após o diagnóstico, em geral, é de 5 anos.
Raramente leva à necessidade de respirar por aparelhos Comumente leva à dificuldades respiratórias importantes e com necessidade de respirar por aparelhos.

 

Como é possível perceber, na parte clínica, são doenças muito diferentes. Também são diferentes na maneira com que o organismo se relaciona com as doenças. Na esclerose Múltipla, o que predomina é a autoimunidade, isto é, o exército do sistema imune identifica partes do neurônio, como a mielina, que funcionam como capinha protetora para transmitir impulsos nervosos, como um alvo inimigo e os ataca, levando a um caráter inflamatório importante, mas exclusivo do sistema nervoso central (cérebro, medula espinhal). Na Esclerose Lateral Amiotrófica, os neurônios responsáveis pela movimentação do corpo, tanto do sistema nervoso central quanto do periférico são acometidos, mas apenas aqueles responsáveis pela movimentação, e eles morrem mais precocemente, levando até a uma inflamação local, mas disparada pela morte acelerada desses neurônios. 

Para finalizar, são doenças distintas, com apenas uma semelhança em seus nomes, que neurologistas são capacitados a diferenciar de maneira bem clara!

 

Dra. Raquel Vassão
Neurologista – Conselho Científico AME

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre