Regeneração cerebral prejudicada na EM progressiva, não é afetada por drogas modificadoras da doença, diz estudo

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A regeneração cerebral é reduzida em pessoas com esclerose múltipla primária progressiva (EMPP), mas aprimorada durante a atividade da doença na forma remitente recorrente (EMRR), relata estudo.

Os resultados também mostram que a regeneração não é afetada pelo tratamento com terapias modificadoras de doenças (DMTs), como mostram os níveis de um marcador de regeneração no cérebro chamado proteína associada ao crescimento 43.

O estudo, ” Proteína 43 associada ao crescimento de líquido cefalorraquidiano na esclerose múltipla “, foi publicado na revista Nature Scientific Reports .

Na EM, as células imunes atacam a bainha de mielina que protege os nervos, levando à neurodegeneração. Nos estágios iniciais da doença, mecanismos regenerativos são ativados para ajudar a reparar tecidos danificados e promover a substituição da mielina perdida – um processo chamado remielinização .

A proteína 43 associada ao crescimento (GAP-43), também chamada B-50 ou neuromodulina, é uma proteína de superfície encontrada nos terminais sinápticos imaturos – as junções entre duas células nervosas que lhes permitem se comunicar – e nos axônios em crescimento, que são os projeções longas de uma célula nervosa que conduzem impulsos elétricos para fora do corpo celular para outras células nervosas, músculos e glândulas.

Por esse motivo, “o GAP-43 é amplamente usado como marcador de crescimento e regeneração neuronal”, disseram os pesquisadores.

Pesquisas anteriores relataram que os níveis de GAP-43 se correlacionam negativamente com a escala expandida de status de incapacidade (EDSS), um método de quantificação de incapacidade em pacientes com EM. Pontuações mais altas no EDSS indicam mais incapacidade. Isso significa que níveis mais baixos de GAP-43 se correlacionaram com maior incapacidade. De fato, foram encontrados níveis mais baixos de GAP-43 na EM progressiva secundária (EMSP) em comparação com os estágios iniciais da EM.

Agora, pesquisadores da Universidade de Gotemburgo , na Suécia, e seus colegas mediram os níveis de GAP-43 em pessoas com esclerose múltipla e avaliaram o impacto de terapias modificadoras de doenças .

No total, a equipe quantificou os níveis de GAP-43 em 105 pacientes com EM – 73 com EMRR, 12 com EMPP e 20 com EMSP – e comparou com os níveis de 23 pessoas saudáveis ​​(controles).

Pacientes com EM progressiva apresentaram níveis significativamente mais baixos de GAP-43 – uma média de 1.640 picogramas por mililitro, pg / mL – em comparação com controles saudáveis, que tinham uma média de 2.340 pg / mL. Isso sugere “perda ou redução do potencial regenerativo da EM”, disseram os pesquisadores.

A concentração de GAP-43 no líquido cefalorraquidiano (LCR) – o líquido que envolve o cérebro e a medula espinhal, geralmente coletados por punção lombar – mostrou correlação negativa com idade, duração da doença e EDSS (nível de incapacidade) em pacientes com EM.

Os níveis de GAP-43 no LCR foram mais altos nos pacientes com EMRR que tiveram recaída, o que significa que tinham doença inflamatória ativa nos 3 meses anteriores à coleta do LCR (média de 2.560 pg / mL) em comparação com os níveis de LCR durante a remissão (média de 1.900 pg / mL) .

Em relação ao uso de drogas modificadoras da doença (DMTs), os resultados mostraram que os níveis de GAP-43 não apresentaram diferença significativa entre 44 pacientes em uso de DMTs em comparação com 61 indivíduos sem tratamento.Também não houve diferença significativa entre aqueles que receberam terapia de primeira versus segunda linha.

Os níveis de GAP-43 no LCR também não mostraram diferença quando os pacientes mudaram de nenhum tratamento, tratamento de primeira ou segunda linha para Gilenya ou Lemtrada. Com os dois DMTs, os níveis de GAP-43 permaneceram semelhantes ao valor inicial (basal), de 1.960 pg / mL a 1.940 pg / mL para Gilenya e de 1.930 pg / mL a 1.850 pg / mL para Lemtrada .

Os pacientes com EMRR que não obtiveram evidência de status de atividade da doença (NEDA-3) – significando sem recaídas, sem novas lesões de ressonância magnética e sem progressão confirmada da incapacidade – após a mudança para Gilenya ou Lemtrada, não mostraram diferenças significativas nos níveis de GAP-43, no início do estudo ou no acompanhamento em comparação com pacientes com EMRR com doença ativa.

Com base nesses resultados, a equipe afirmou: “Em conclusão, os estudos do GAP-43 na EM mostram concordantemente que essa proteína está diminuída no LCR na EM progressiva, e encontramos uma associação com a incapacidade e também com a atividade da doença. No entanto, DMTs efetivos não tiveram efeito sobre a concentração de CSF GAP-43. ”

Como os tratamentos com esclerose múltipla “reduzem principalmente a inflamação do SNC (sistema nervoso central) na esclerose múltipla, e não a capacidade regenerativa … a falta de alteração no LCR GAP-43 em diferentes terapias sugere que a inflamação reduzida não influencia a regeneração envolvendo o GAP-43”, os pesquisadores adicionaram.

“Embora o potencial clínico do GAP-43 como biomarcador na EM pareça limitado nesse estágio, ele contribui para entender melhor a patogênese por trás da progressão e a degeneração e regeneração na EM”, concluíram.

 

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

https://multiplesclerosisnewstoday.com/news-posts/2019/11/28/cerebrospinal-fluid-growth-associated-protein-43-in-multiple-sclerosis/

 

Traduzido e adaptado – Redação AME.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre