Problemas sexuais que afetam homens com Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A Esclerose Múltipla pode afetar os homens também na vida sexual. Isso porque podem ocorrer danos nos nervos em estruturas do cérebro e da medula espinhal envolvidas no processo de excitação sexual. 

Na excitação sexual, a resposta e o orgasmo dependem de mensagens enviadas entre o cérebro e os órgãos sexuais, através da medula espinhal. Se você tiver danos nos nervos relacionados à Esclerose Múltipla nas estruturas do cérebro e da medula espinhal envolvidas, poderá ter problemas com ereção e ejaculação.

Também pode haver outras causas de disfunção erétil, como os efeitos colaterais da medicação, fatores psicológicos ou uma condição de saúde não relacionada. Ao conversar com o médico sobre isso, você pode descobrir o que está causando e tratar também essas outras causas.

Problemas de ereção

Cerca de 70% dos homens com EM apresentam problemas de ereção. Eles geralmente começam alguns anos após o aparecimento dos primeiros sintomas da EM. Às vezes, a EM não é diretamente culpada, pode ser efeitos colaterais da medicação ou uma condição de saúde não relacionada.

Dependendo de onde está o dano do nervo, você pode descobrir que pode obter uma ereção em resposta à estimulação genital, mas não em resposta a qualquer outra coisa. Às vezes é o contrário.

Tratamentos medicamentosos

Existem tratamentos medicamentosos que podem funcionar para alguns homens. Todos os medicamentos funcionam de maneira semelhante, mas variam na rapidez com que fazem efeito e por quanto tempo permanecem ativos. Devem ser usados sob a supervisão do seu médico.

As drogas funcionam levando o fluxo sanguíneo para o pênis e aumentando qualquer resposta erétil que ocorra – seja por meio de estimulação genital ou pensamentos e situações eróticas. Podem levar entre 30 minutos e duas horas para fazer efeito e dura até quatro horas.

Nem todos os homens acham as pílulas eficazes no tratamento da disfunção erétil.

Alguns desses medicamentos estão à venda na internet. Mas eles podem não ser adequados para todos, por isso é importante que sejam prescritos pelo seu médico, que conhece seu histórico e outros medicamentos que você toma (e quaisquer possíveis interações). Eles podem discutir quaisquer efeitos colaterais potenciais com você.

Existem outros tratamentos disponíveis:

As prostaglandinas são uma substância semelhante a um hormônio produzida naturalmente no corpo. Converse com seu médico para verificar a possibilidade de você tentar versões sintéticas de prostaglandinas para tratar a disfunção erétil. A substância aumenta o fluxo sanguíneo para o pênis, para ajudá-lo a ficar rígido e ereto.

Os dispositivos de ereção à vácuo funcionam encaixando um tubo de plástico sobre o pênis e usam uma bomba manual para criar pressão de vácuo que resulta no fluxo sanguíneo para o pênis. Um anel é então colocado ao redor da base para manter a ereção.

Ejaculação e orgasmo

Embora os tratamentos descritos acima possam ajudar na disfunção erétil, ainda não existem tratamentos que realmente ajudem na ejaculação. A ejaculação e o orgasmo são processos muito mais complicados do que a excitação genital e são muito difíceis de alcançar sem conexões intactas entre a medula espinhal e o cérebro.

Entre 35% e 50% dos homens com EM apresentam problemas de ejaculação. Os problemas podem incluir ejaculação retardada ou não conseguir ejacular. Ser capaz de manter uma ereção por mais tempo pode ajudar, mas a ejaculação pode continuar sendo um problema.

Embora a Esclerose Múltipla não afete a fertilidade em si, sem surpresa, se você não consegue ejacular, pode ter problemas ao tentar gerar um filho. Se este for o caso, uma clínica poderá ajudar, busque apoio com seu médico.


Leia mais no site da AME:

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: MS Society UK

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre