Maneiras de tornar o sexo mais agradável convivendo com dor crônica

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

O sexo deve ser uma experiência agradável – mas se você luta com dispareunia (relação sexual dolorosa) ou tem uma condição de dor crônica que é agravada durante a atividade sexual, isso às vezes pode estragar as coisas dentro do seu quarto.

Se a dor tem atrapalhado a sua vida sexual, saiba que você não está sozinhx. ”É uma epidemia silenciosa“, Clifford Gevirtz, MD, diretor médico do Somnia Pain Management em New Rochelle, Nova Iorque disse Saúde . “As pessoas têm vergonha de falar sobre isso, mas estão sofrendo.” Alguns podem sentir dor pélvica devido a problemas como endometriose, cistos ovarianos ou síndrome do intestino irritável. Outros podem lutar com dores musculares ou articulares em geral, tornando certas posições e movimentos difíceis. Talvez você tenha uma doença que torne sua pele sensível ao toque, ou tome uma medicação que diminua sua capacidade de ficar excitadx.

Embora o médico possa fornecer recomendações com base em sua situação e necessidades específicas, às vezes também pode ser útil ouvir as pessoas que estão passando por uma situação semelhante. É por isso que nos voltamos para nossa comunidade e pedimos a eles que compartilhem suas dicas para tornar o sexo mais agradável com a dor crônica.

Claro, se você não tem certeza do motivo de sentir dor com sexo, sempre consulte seu médico primeiro. Mas se você está procurando alguns truques novos para trazer para o quarto, talvez alguns dos seguintes possam valer a pena tentar.

1. Encontre um parceiro (a) compreensivo.

Embora pareça bastante óbvio, ter um parceiro que compreenda e respeite suas necessidades pode fazer toda a diferença. Você merece alguém que vai parar o sexo se ele se torna doloroso e está dispostx a experimentar algumas modificações que ajudem o sexo a ser mais agradável para vocês dois.

2. Use travesseiros confortáveis ​​e de apoio.

Travesseiros podem oferecer amortecimento e suporte em áreas dolorosas e até mesmo ajudar os parceiros a encontrar ângulos mais agradáveis. Dr. Hilda Hutcherson, MD, Professor de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade de Columbia, disse ao Practical Pain Management , “Um dos benefícios de usar travesseiros para apoio é que às vezes um paciente descobre novas áreas do corpo que são estimuladas, porque as pessoas tendem ter sexo da mesma maneira toda a sua vida.

3. Encontre maneiras não-penetrativas de manter a intimidade e trazer prazer.

Talvez o ato de penetração possa doer por uma razão ou outra. Isso não significa que você precisa evitar o sexo completamente! Há muitas outras maneiras de ser fisicamente íntimo com seu parceiro (a), como massagem ou sexo oral .

4. Considere usar lubrificantes.

Certos medicamentos e condições de saúde podem causar ressecamento vaginal, resultando em atrito doloroso. Investir em alguma lubrificação pode ajudar a tornar o sexo mais confortável.

5. Procure manter o senso de humor.

Nos filmes, os casais sempre são retratados como perfeitos e românticos. Na realidade … as pessoas podem ter câimbras…podem bater a cabeça…seus estômagos fazem barulhos estranhos… contraem os músculo… e quando você vive com dor crônica, as coisas, podem ser mais propensas a dar errado. Não tenha medo de rir com o seu parceiro (a) – pode até ajudar a aproximar, ainda mais, vocês!

6. Mantenha-se focado e relaxado.

Duas chaves para um ótimo sexo são aliviar o estresse e deixar isso acontecer, escreveu a terapeuta Arlene Goldman em um blog da Psychology Today . “Você tem que descomprimir antes de se sentir excitado”, diz ela. Relaxar pode ser mais fácil de dizer do que fazer, mas é importante, pois o estresse pode inibir a excitação – uma causa comum de dor durante o sexo.

7. Masturbe-se.

Talvez você não tenha um parceiro, mas ainda queira colher os benefícios do prazer sexual ou talvez você tenha um parceiro, mas ache o intercurso doloroso demais. De qualquer maneira, a masturbação pode ser uma opção útil para pessoas que convivem com dores crônicas, pois algumas pessoas acham que as sensações de um orgasmo temporariamente “anulam” as sensações de sua dor.

8. Tente posições diferentes.

Pode ser intuitivo, mas se suas posições habituais tendem a causar dor, por que não experimentar algumas novas?

9. Considere experimentar brinquedos sexuais.

Se a relação é dolorosa, os brinquedos sexuais podem ser uma alternativa divertida. Há algo para todos, e brinquedos sexuais são uma ótima maneira de explorar seu corpo e suas necessidades. “Os brinquedos sexuais nos ajudam a navegar em nossos pontos quentes sexuais com mais facilidade”, disse a doutora Sherry Ross, especialista em saúde feminina e obstetrícia, à Healthline .

10. Tente fisioterapia pélvica.

Se você ou seu parceiro tiverem dor pélvica e / ou intercurso sexual doloroso, converse com seu médico sobre fisioterapia pélvica . Este tipo de terapia é projetado para tratar condições ou sintomas que envolvem o assoalho pélvico, o que inclui músculos, ligamentos, nervos e tecido conjuntivo.

11. Mantenha uma comunicação aberta.

É essencial ser aberto e honesto com o seu parceiro (a). Deixe-o/a saber como você está se sentindo, o que você quer, o que você precisa, etc. Se você está com dor, diga a ele (a). Mais do que provável, ele (a) gostaria de saber se você está com dor para que ambos possam parar ou fazer algumas modificações.

12. Use suas estratégias favoritas de enfrentamento da ansiedade antes do sexo.

Se você sabe que o sexo tem o potencial de causar dor, é compreensível que você se sinta estressado ou ansioso com isso. Isso, por sua vez, pode causar ainda mais dor durante o sexo. Tente empregar alguns de seus métodos favoritos para lidar com a ansiedade antes do sexo, seja meditando, dando uma caminhada, colorindo ou conversando com um amigx.

 

Fonte: https://themighty.com/2019/01/ways-to-make-sex-more-enjoyable-with-chronic-pain/

Tradução e adaptação: Redação AME

Explore mais

Sintomas

Fadiga: 9 dicas para você se sentir melhor

De acordo com a National Multiple Sclerosis Society (NMSS), cerca de 80 por cento das pessoas diagnosticadas com Esclerose Múltipla sentirão fadiga em algum momento