Estudo associa obesidade à degeneração do nervo óptico na EM

AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

ENTRE EM CONTATO [email protected]
LIGUE (11) 3181-8266

Obesidade ligada à atrofia mais rápida do nervo óptico em pacientes com esclerose múltipla

Obesidade ligada à atrofia mais rápida do nervo óptico em pacientes com esclerose múltipla

Pessoas que convivem com esclerose múltipla (EM) que apresentam obesidade experimentam uma degeneração mais rápida no tecido do nervo óptico do que aqueles com peso normal, segundo estudo.

 Como a neuropatia óptica se correlaciona com uma maior perda de células nervosas no cérebro, rastrear alterações na retina pode ser uma maneira viável de determinar se escolhas de estilo de vida mais saudáveis​​podem melhorar os resultados na EM.

O estudo, ” Associação do índice de massa corporal com taxas longitudinais de atrofia retiniana na esclerose múltipla “, foi publicado no Multiple Sclerosis Journal e financiado em parte pela National MS Society .

A EM é uma doença neurodegenerativa crônica causada por uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Estudos sugeriram que a obesidade é associada com uma maior deficiência na EM e na progressão da doença, bem como défices cognitivos.

O tecido nervoso óptico demonstrou refletir mudanças na saúde geral do cérebro em pessoas com esclerose múltipla, afirma a sociedade em um comunicado. A degeneração em uma camada específica na parte de trás do olho, chamada célula ganglionar e camada plexiforme interna (GCIPL), parece correlacionar-se com pior incapacidade, aumento da atividade da doença e maior atrofia cerebral na EM.

 Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins se propuseram a investigar se a obesidade na EM também aumentava o dano e a perda de neurônios nessa região do olho. Isso apoiaria um vínculo entre obesidade e piores resultados de pessoas com EM.

 O estudo incluiu 513 participantes do Johns Hopkins MS Center que foram classificados como tendo peso normal (214 pacientes), excesso de peso (153) ou obesidade (146), dependendo do índice de massa corporal (IMC).

 Os danos ao nervo óptico foram avaliados usando um método rápido, não invasivo e de alta resolução, chamado tomografia de coerência óptica (OCT), que utiliza ondas de luz para obter imagens transversais da retina. Isso permite que os oftalmologistas mapeiem e messam a espessura das camadas no olho.

 Os pacientes, agrupados por medidas distintas de gordura corporal, eram bastante semelhantes em relação à idade, subtipo da doença e duração da doença. Mas as mulheres eram mais propensas a pertencer ao grupo de peso normal e os afro americanos eram mais propensos a serem obesos.

 Na primeira avaliação da OCT, aqueles com peso normal apresentaram espessura GCIPL menor do que os outros dois grupos, principalmente porque esses pacientes sofreram eventos mais graves de neurite óptica – inflamação e perda de mielina (revestimento protetor ao redor das fibras nervosas) no nervo óptico.

 Após um acompanhamento médio de 4,4 anos, no entanto, os pacientes obesos exibiram uma atrofia mais rápida na camada GCIPL do que aqueles com peso normal. De fato, esses pacientes apresentaram uma redução de 0,57% na espessura do GCIPL a cada ano, em comparação com 0,42% para pacientes com peso normal.

 As taxas de atrofia em pacientes com excesso de peso, no entanto, não foram significativamente diferentes daquelas com peso normal (redução de 0,47% ao ano contra 0,42% no grupo de peso normal).

 Além do peso corporal, fatores como ser afro americano, masculino e ter EM progressiva também foram associados de forma independente a uma degeneração mais rápida do GCIPL.

 Quando o IMC foi examinado como uma variável contínua, os dados mostraram que, para cada aumento de uma unidade nos escores do IMC, a atrofia GCIPL se acelerava em 0,011% a cada ano. Mas quando os afro americanos foram removidos da análise – devido à sua maior representação no grupo de obesos – essa associação não era mais significativa.

 No geral, o estudo mostrou que “o IMC basal está independentemente associado a uma taxa acelerada de atrofia GCIPL na EM”, escreveram os pesquisadores.

 “Os resultados de nosso estudo estão de acordo com trabalhos anteriores, demonstrando que pacientes com EM com IMC elevado exibem progressão mais rápida da doença, incluindo atrofia cerebral acelerada e piores resultados em deambulação e incapacidade global”, concluiu a equipe.

 Esses achados também sugerem que as mudanças no estilo de vida destinadas a reduzir a gordura corporal podem melhorar os resultados dos pacientes com esclerose múltipla e que medir a atrofia do GCIPL pode ser uma maneira viável de monitorar a eficácia.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Traduzido e adaptado – Redação AME: https://multiplesclerosisnewstoday.com/news-posts/2020/04/29/obesity-in-ms-patients-predicts-faster-nerve-degeneration-in-the-eye-study-finds/

 

Acreditamos que a #InformaçãoÉOMelhorRemédio e, para que  possamos manter (e melhorar) a qualidade do trabalho falando sobre saúde, precisamos também da sua ajuda. Quanto custa ajudar a melhorar o mundo de quem tem uma condição crônica de doença?!

CONTRIBUA CLICANDO AQUI! <3

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS