Gorduras, genes e progressão da EM

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

As alterações genéticas relacionadas à gordura estão ligadas à progressão da incapacidade na Esclerose Múltipla?

Houveram vários fatores ambientais identificados como contribuintes para a progressão da EM – incluindo o nível de gorduras no sangue, mas houve menos sucesso na identificação do papel dos genes nessas relações.

Os pesquisadores analisaram a coorte longitudinal do estudo Ausimmune / AusLong e identificaram cinco alterações genéticas relacionadas aos níveis de gordura no sangue que podem contribuir para a progressão da incapacidade.

As pessoas que tiveram uma combinação mais alta dessas alterações genéticas, além de níveis anormais de gordura no sangue, sofreram uma progressão da incapacidade mais rapidamente.

A EM é uma doença crônica causada por um conjunto complexo de interações entre os genes e o meio ambiente. Essas interações desencadeiam o sistema imunológico, causando a degradação da mielina, o revestimento protetor ao redor das fibras nervosas. Embora tenha havido um forte foco nos fatores genéticos e ambientais que resultam em uma pessoa com EM, em primeiro lugar, houve muito menos pesquisas sobre o que impulsiona a progressão da EM – o acúmulo de incapacidade durante a vida de uma pessoa.

Uma das razões para isso é que a maioria dos estudos genéticos tende a se concentrar em um único momento e não pode fazer comparações ao longo da vida de uma pessoa, à medida que a doença muda. Os estudos longitudinais superam esse problema observando os mesmos fatores por um longo período de tempo.

Alguns estudos analisaram fatores ambientais que contribuem para a progressão da EM. Um desses fatores ambientais analisados são os níveis de gorduras no sangue. As gorduras no sangue incluem triglicerídeos, colesterol total (CT), lipoproteína de baixa densidade (LDL) e lipoproteína de alta densidade (HDL).

Pesquisas anteriores  mostraram que altos níveis de triglicerídeos, CT, LDL e / ou baixos níveis de HDL estão associados ao aumento da progressão da incapacidade. No entanto, pouco se sabe sobre como essas alterações nas gorduras podem levar à progressão da incapacidade. Para ajudar com isso, um grupo de pesquisadores australianos investigou se as alterações genéticas relacionadas às gorduras estão associadas à progressão da incapacidade em pessoas com EM ao longo do tempo.

Publicado no Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychology , os pesquisadores usaram um subconjunto do estudo longitudinal Ausimmune / AusLong, apoiado pela MS Research Australia , e acompanharam 184 pessoas com um ataque suspeito de EM durante cinco anos.

Eles descobriram cinco alterações genéticas relacionadas às gorduras no sangue associadas à progressão da incapacidade, medida pela mudança na escala expandida do status da incapacidade *. Os pesquisadores geraram um ‘escore de risco’ para progressão da incapacidade com base na combinação dessas alterações genéticas que uma pessoa pode ter. Eles descobriram que aqueles com menor pontuação de risco apresentaram menores taxas de progressão da incapacidade em comparação com aqueles que apresentavam maior pontuação de risco. Os pesquisadores também previram que os participantes com escores de risco mais altos em combinação com um nível mais baixo de HDL ou uma relação TC: HDL mais alta experimentaram uma taxa ainda maior de progressão da incapacidade.

Os resultados sugerem que é uma combinação de alterações genéticas e o nível de gorduras no sangue que impulsionam alguma progressão da incapacidade.

Essa descoberta interessante significa que potencialmente pode haver uma maneira de modificar a progressão da incapacidade da EM através do tratamento de níveis anormais de gordura no sangue – especialmente naqueles que apresentam risco aumentado devido a seus genes.

É importante determinar os fatores biológicos que sustentam a progressão da incapacidade na EM, pois identificará novas maneiras de combater e, esperançosamente, interromper o acúmulo de incapacidade em pessoas com EM.

 

* Escala de status de incapacidade expandida

O EDSS é um sistema de pontuação para quantificar o comprometimento causado pela EM. Inclui medidas que avaliam fraqueza dos membros, tremor, dificuldades de fala e deglutição, dormência, função intestinal e da bexiga e função visual, entre outros. É uma escala de 0 a 10, onde 0 = sem comprometimento, 10 = a maior gravidade.

 

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation: https://www.msif.org/news/2019/10/07/fats-genes-and-ms-progression/

Explore mais