AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

O caminho sinuoso da progressão da EM

O caminho sinuoso da progressão da EM

A progressão da EM refere-se ao desenvolvimento da doença após o início (quando os sintomas aparecem pela primeira vez). Embora os nomes sejam semelhantes, a progressão da EM não se limita às formas progressivas da EM (ou seja, EM progressiva primária ou secundária). Todas as formas de progresso da EM, ou mudanças, ao longo do tempo.

Quando alguém com esclerose múltipla tem uma recaída, isso às vezes é chamado de progresso ou “evolução”, que descreve a frequência e a gravidade das recaídas. No entanto, a verdadeira progressão da doença da EM é o acúmulo gradual de incapacidades entre, ou na ausência de recaídas.

A progressão é o resultado de três processos biológicos inter-relacionados.

Neurodegeneração, onde os neurônios, as células do cérebro que enviam, recebem e processam informações, perdem a estrutura e a função e acabam morrendo.

Inflamação, onde o sistema imunológico erroneamente registra algo no corpo – geralmente inofensivo – como estranho, e desencadeia infiltração de células inflamatórias direcionadas à área e inchaço. Essa resposta é o que classifica a EM como uma doença auto-imune, em que o sistema imunológico falha em atacar e ataca o tecido saudável.

À medida que a esclerose múltipla progride, a capacidade do sistema nervoso central (SNC – cérebro e medula espinhal) de reparar os danos causados ​​pela neurodegeneração e inflamação, ou de continuar a funcionar normalmente apesar desse dano, fica sobrecarregada.

A ordem em que esses processos acontecem permanece incerta e eles podem ser diferentes para pessoas diferentes. Agindo em conjunto, esses três processos levam ao aumento da incapacidade que caracteriza a progressão da doença na EM.

Medindo a progressão da doença

Atualmente, quando medimos a progressão da doença, usamos medidas de apoio conhecidas como substitutos. Essencialmente, estas são medidas de resultados de saúde – os resultados da progressão da doença – em vez de medidas do processo biológico subjacente de progressão da doença em si. Essas medidas substitutas incluem nível de incapacidade ou taxa de recaída.
Uma limitação do uso de medidas substitutas é que elas são subjetivas e, portanto, introduzem incerteza. Em contraste, uma medida direta da progressão da doença seria uma medida biológica única e objetiva (um biomarcador) que reflete diretamente o processo de progressão.

Estudos em busca de melhores biomarcadores, incluindo medidas de ressonância magnética e alguns exames de sangue, estão em andamento e este é um dos principais focos do trabalho da International Progressive MS Alliance . No entanto, ainda não descobrimos uma medida direta eficaz da progressão da doença. Essa lacuna na nossa compreensão é um obstáculo para a pesquisa.

Fatores de risco para progressão da doença

Fatores de risco são genes, comportamentos ou fatores ambientais que podem influenciar a progressão da doença. Os fatores de risco geralmente têm um efeito prejudicial, o que significa que aumentam a chance de maiores níveis de incapacidade. No entanto, alguns podem ter um efeito protetor, o que significa que eles diminuem as chances de maiores níveis de incapacidade. Embora muito se saiba sobre os fatores de risco que influenciam o início da doença, muito menos é entendido sobre os fatores de risco que influenciam a progressão da doença. No entanto, estamos lentamente começando a construir uma imagem mais clara das razões pelas quais a doença pode progredir mais rapidamente em algumas pessoas do que em outras.

Fumar

Fumar provoca inflamação no corpo e pode alterar a função das células imunes. Há boas evidências para sugerir que o tabagismo influencia a progressão da doença, aumentando o risco de maior incapacidade. Estudos indicaram que os fumantes têm 1,5 vezes o risco de progressão da doença (ou seja, maior incapacidade) em comparação com os não-fumantes.

Vitamina D

A vitamina D pode vir da sua dieta ou da exposição da pele à luz solar. Níveis mais baixos de vitamina D no sangue aumentam o risco de maior incapacidade, sugerindo que a vitamina D pode ser protetora contra a progressão da doença. Ainda não está claro exatamente como a vitamina D causa essa resposta no corpo e precisamos de pesquisas futuras para confirmar que o aumento dos níveis de vitamina D através da exposição ao sol, dieta ou suplementos pode atrasar a progressão.

Outros fatores de risco

Nenhum outro fator de risco foi mostrado conclusivamente para influenciar a progressão da doença. Embora a dieta, por exemplo, seja de grande interesse para a comunidade de EM, ainda há poucas evidências de seu efeito sobre a progressão da doença e os cientistas simplesmente não sabem qual é o papel da dieta e de outros fatores de risco na EM. Felizmente, há muitos projetos de pesquisa em andamento trabalhando nessas questões.

Tratamentos para progressão da EM

Os tratamentos para a progressão da doença visam retardar a taxa de progressão da incapacidade (a velocidade que o nível de incapacidade aumenta). Existem dois tipos principais de tratamentos: terapias modificadoras da doença e intervenções modificáveis ​​dos fatores de risco.

Terapias modificadoras da doença (TMDs)

Há boas evidências para sugerir que as terapias modificadoras da doença (TMDs) para a EM remitente recorrente, que são tratamentos que modificam o sistema imunológico, retardam a progressão da doença. Eles podem resultar em menor incapacidade acumulada e redução do risco de recaída no curto prazo (5 anos ou menos). Em alguns casos, as TMDs mostraram reduzir a progressão da incapacidade em mais de 40%. Os cientistas estão atualmente trabalhando para desvendar os efeitos a longo prazo (maiores que 10 anos) desses tratamentos e para determinar quais TMDs são mais eficazes.

Embora esses resultados sejam empolgantes, é importante notar que a maioria dos TMDs só foi demonstrada como um tratamento eficaz para a EM remitente recorrente. No entanto, mais recentemente, as formas progressivas de esclerose múltipla demonstraram ser responsivas, até certo ponto, a algumas TMDs – principalmente Ocrevus (ocrelizumabe) para esclerose múltipla primária progressiva e alta dose de biotina para esclerose múltipla secundária progressiva (embora esse achado ainda precise a ser confirmado). No entanto, estabelecer que podemos alterar a taxa de acumulação de incapacidade em formas progressivas de EM é de grande interesse e pode melhorar significativamente nossa capacidade de lidar com a EM progressiva.

Intervenções modificáveis ​​de fatores de risco

Embora não possamos mudar nossos genes, alguns fatores de risco para a progressão da doença são modificáveis. Fatores de risco modificáveis ​​são comportamentos que podem ser alterados ou fatores ambientais que podem ser evitados. Estes incluem fumar, exercício e dieta. Intervenções modificáveis ​​de fatores de risco são tratamentos que alteram o fator de risco modificável para melhorar os resultados de saúde, como parar de fumar ou tomar suplementos de vitamina D.

Embora dois fatores de risco modificáveis ​​- tabagismo e níveis de vitamina D – tenham demonstrado influenciar a progressão da doença, ainda há poucas evidências de que as intervenções relacionadas de parar de fumar e aumentar a ingestão de vitamina D retardem a progressão da doença. Essa aparente contradição é provavelmente devida à pequena quantidade de evidências científicas atualmente disponíveis. Mais estudos com um número maior de pessoas precisam ser conduzidos nesta área antes que possamos realmente entender os efeitos potenciais de intervenções de fatores de risco modificáveis ​​na progressão da doença EM.

Em suma

Muito ainda é desconhecido sobre a progressão da EM. Por enquanto, viver o mais saudável possível é a melhor abordagem geral para as pessoas que vivem com esclerose múltipla, juntamente com medicamentos de prescrição apropriados, como as TMDs. Um estilo de vida saudável inclui atividade física e exercício, mantendo um nível de peso e colesterol saudável, sem fumar, exposição solar adequada e níveis de vitamina D e uma dieta bem balanceada.
Os cientistas continuam a abordar essas questões em seu trabalho, e futuros projetos de pesquisa aprofundarão nossa compreensão das causas e consequências da progressão da doença na EM.

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation, traduzido livremente – Redação AME: https://bit.ly/2tQ0RZT

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS