Estilo de vida saudável, mente saudável

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Um grande estudo australiano fornece mais evidências de que depressão e ansiedade podem ser comuns em pessoas com EM.

O estudo sugere que, como a população em geral, a maioria das pessoas com esclerose múltipla não atende às recomendações sobre comportamentos no estilo de vida relacionados ao fumo, consumo de álcool, dieta e atividade física.

A pesquisa mostra ligações entre fatores do estilo de vida e resultados de depressão e ansiedade.

Uma dieta saudável mostrou estar ligada a níveis mais baixos de depressão em pessoas com EM.

Esses achados indicam que são necessárias mais pesquisas para investigar se a modificação dos fatores do estilo de vida pode fornecer uma abordagem útil de tratamento e gerenciamento para pessoas com EM que sofrem de depressão e ansiedade.

 

Qual é a ligação entre EM, depressão e ansiedade?

Depressão e ansiedade podem ser sintomas da EM, pois ambas podem resultar de inflamação no cérebro e na medula espinhal. No entanto, o impacto psicológico de um diagnóstico de EM também pode contribuir para essas condições.

Depressão e ansiedade também foram associadas ao aumento da inflamação, fadiga e incapacidade e contribuem significativamente para a redução da qualidade de vida em pessoas com EM. Embora intervenções como medicamentos e apoio psicológico possam ser eficazes, muitas pessoas que vivem com EM não procuram ajuda médica para esses problemas.

 

Quais são os fatores modificáveis do estilo de vida?

Fatores de estilo de vida modificáveis são partes do estilo de vida de uma pessoa que ela pode mudar ou influenciar, como: tabagismo, nutrição, consumo de álcool e atividade física. Pessoas com esclerose múltipla costumam se interessar em como podem mudar seu estilo de vida para ajudar a gerenciar sua condição, e pesquisas nessa área estão em andamento.

 

Pesquisa sobre depressão, ansiedade e fatores de estilo de vida modificáveis

Para explorar se os fatores modificáveis do estilo de vida contribuem para alguns dos sintomas da esclerose múltipla, a Dra. Claudia Marck, da Universidade de Melbourne, colaborou com a Dra. Ingrid van der Mei, do Instituto Menzies de Pesquisa Médica, que administra o Estudo Longitudinal MS da Austrália.

Mais de 1.500 pessoas com EM completaram uma pesquisa sobre vários comportamentos no estilo de vida, como tabagismo, nutrição, consumo de álcool e níveis de atividade física. Os participantes também responderam a uma pesquisa sobre ansiedade e depressão. Os dados foram cuidadosamente analisados quanto à relação entre comportamentos no estilo de vida e a ocorrência e gravidade dos sintomas de ansiedade e depressão.

 

O que esse último estudo descobriu?

Os resultados mostraram que fumar (definido como mais de um cigarro, charuto ou cachimbo por dia) e consumir mais de duas bebidas alcoólicas padrão por dia estão relacionados ao aumento da ocorrência de depressão neste estudo. A gravidade da depressão também aumentou com níveis mais altos de tabagismo.

Aqueles que seguiram uma dieta saudável, ingeriram cinco ou mais porções de vegetais por dia ou duas ou mais porções de frutas pelo menos seis dias por semana, apresentaram, em geral, uma menor gravidade da depressão.

Este estudo também mostrou que a cada comportamento saudável adicional, a ocorrência e a gravidade da depressão diminuíram proporcionalmente.

 

O que essas descobertas significam?

A pesquisa fornece mais evidências de que depressão e ansiedade podem ser comuns em pessoas com EM.

O estudo descobriu que os fatores do estilo de vida estão associados a uma menor frequência e gravidade da depressão, mas não à ansiedade, em pessoas com EM.

Mais pesquisas são necessárias para entender completamente se a modificação dos fatores do estilo de vida pode se tornar uma opção de tratamento para pessoas com EM que apresentam esses sintomas.

Este estudo é um trampolim para o desenvolvimento de uma abordagem holística, forte e baseada em evidências para gerenciar a EM e seus sintomas, que inclui fatores que as pessoas com EM podem controlar a si mesmas para reduzir o impacto da EM em suas vidas.

Os resultados completos deste estudo foram publicados recentemente na revista Acta Neurologica Scandinavia .

 

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation: https://www.msif.org/news/2019/10/07/healthy-lifestyle-healthy-mind/

Explore mais