Estudo sobre medicamentos e fadiga na EM

Mulher loira, com os cabelos presos em um rabo de cavalo, encontra-se sentada em uma cama de lençois cinzas. Ela veste uma camisa de mangas curtas da cor salmão e tem as duas mãos escondendo o rosto. O texto centralizado na imagem lê, em letras laranjas e fundo branco, "Medicamentos podem diminuir a fadiga na EM? Leia a matéria completa e entenda!"

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

O estudo em resumo

A fadiga é um dos sintomas mais comuns da EM e pode ter um grande impacto na vida das pessoas. Os ensaios clínicos de medicamentos para a fadiga deram resultados mistos. O objetivo deste estudo foi comparar a eficácia, segurança e aceitabilidade da amantadina, modafinil e metilfenidato com placebo em pessoas com fadiga relacionada à esclerose múltipla.

Duas clínicas de esclerose múltipla nos Estados Unidos recrutaram 141 participantes com esclerose múltipla afetados por fadiga e com deficiência de baixa a moderada.

As pessoas participantes foram designadas para tomar os medicamentos (amantadina, modafinil, metilfenidato e placebo) em uma das quatro sequências. Elas começaram a usar o medicamento e tomaram por seis semanas, seguido por um período de eliminação de duas semanas e repetiram esse processo para todos os três medicamentos e o placebo. Nem os participantes nem os pesquisadores sabiam qual medicamento estavam tomando no momento. A fadiga foi medida no início do estudo e novamente durante a semana 5 de cada período de tratamento.

Os níveis de fadiga melhoraram com todos os tratamentos, incluindo o placebo. Não houve diferença significativa entre os tratamentos. No entanto, houve alguma indicação de que o modafinil e o metilfenidato podem ser benéficos quando a sonolência diurna contribui significativamente para os níveis de fadiga. Os efeitos colaterais foram mais comuns com os três medicamentos do que com o placebo.

Os pesquisadores concluíram que a falta de efeito nos níveis de fadiga em comparação com o placebo e o risco aumentado de efeitos colaterais não apóiam o uso rotineiro de amantadina, modafinil ou metilfenidato para o tratamento da fadiga na EM.

 

O estudo em mais detalhes

Contexto

A fadiga é um dos sintomas mais comuns da EM e pode ter um grande impacto na vida das pessoas. Os ensaios clínicos de medicamentos para a fadiga deram resultados mistos. O objetivo deste estudo foi comparar a eficácia, segurança e aceitabilidade da amantadina , modafinil e metilfenidato com placebo em pessoas com fadiga relacionada à esclerose múltipla.

Como este estudo foi realizado

Duas clínicas de esclerose múltipla nos Estados Unidos recrutaram 141 participantes com esclerose múltipla afetados por fadiga e com deficiência de baixa a moderada.

Os participantes foram designados para tomar os medicamentos (amantadina, modafinil, metilfenidato e placebo) em uma das quatro sequências. Eles começaram o uso de um medicamento e tomaram por seis semanas, seguido por um período de eliminação de duas semanas e repetiram esse processo para todos os três medicamentos e o placebo. Nem os participantes nem os pesquisadores sabiam qual medicamento estavam tomando no momento.

O metilfenidato, também conhecido como Ritalina, é um estimulante do sistema nervoso central usado para tratar narcolepsia e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Nos Estados Unidos, às vezes é usado para tratar a fadiga da EM, mas raramente é usado para esse fim no Reino Unido.

A fadiga foi medida no início do estudo usando a Escala de Impacto da Fadiga Modificada (MFIS) e novamente durante a semana 5 de cada período de tratamento. O MFIS é um questionário que você mesmo preenche. Avalia o impacto da fadiga em diferentes aspectos da vida diária: atividade física, processos de pensamento e participação em atividades sociais. As pessoas foram incluídas no estudo se seu MFIS fosse 33 ou maior.

Os participantes também preencheram a Escala de Sonolência de Epworth (ESS), que mede a sonolência diurna, e um questionário que avaliou o impacto da fadiga na qualidade de vida.

O que foi encontrado?

No início do estudo, a pontuação MFIS era 51,3 de uma pontuação máxima possível de 84 para a pior fadiga. As pontuações MFIS melhoraram com todos os tratamentos, incluindo placebo:

  • 51,3 na linha de base
  • 40,6 com placebo
  • 41,3 com amantadina
  • 39,0 com modafinil
  • 38,6 com metilfenidato

Não houve diferença significativa entre nenhum dos tratamentos.

Quando os dados foram analisados ​​mais de perto, as pessoas que tinham sonolência diurna excessiva no início do estudo (ESS maior que 10) melhoraram os níveis de fadiga enquanto tomavam modafinil e metilfenidato, em comparação com o placebo. Em pessoas sem sonolência diurna excessiva, não houve diferença significativa nos níveis de fadiga entre nenhum dos tratamentos e o placebo.

Os efeitos colaterais foram mais comuns com os três medicamentos do que com o placebo, afetando 39% dos participantes com amantadina e 40% com modafinil e metilfenidato, em comparação com 31% com placebo.

O que isto significa?

O desenho do estudo reduziu a probabilidade de que os participantes pudessem adivinhar qual droga eles estavam tomando no momento; em estudos que comparam um único medicamento para a fadiga com placebo, os efeitos colaterais podem permitir que os participantes reconheçam quando estão fazendo o tratamento ativo, e isso pode influenciar os resultados. O estudo foi realizado em dois centros de estudo, com um grupo relativamente pequeno de pessoas, e os participantes tomaram cada tratamento por seis semanas. Os resultados podem diferir em outros lugares, com o uso de medicamentos a longo prazo ou um estudo maior.

No geral, os resultados deste estudo sugerem que nenhum dos medicamentos é mais eficaz do que o placebo na redução dos níveis de fadiga. No entanto, houve alguma indicação de que o modafinil e o metilfenidato podem ser benéficos se a sonolência diurna contribuir significativamente para os níveis de fadiga.

Os pesquisadores concluíram que a falta de efeito nos níveis de fadiga em comparação com o placebo e o risco aumentado de efeitos colaterais não apóiam o uso rotineiro de amantadina, modafinil ou metilfenidato para o tratamento da fadiga na EM.

 

Nourbakhsh B., Revirajan N., Morris B., et al.
Segurança e eficácia da amantadina, modafinil e metilfenidato para fadiga na esclerose múltipla: um estudo randomizado, controlado por placebo, cruzado e duplo-cego.
Lancet Neurol. Janeiro de 2021; 20 (1): 38-48.
Artigo completo

 

Saiba mais sobre como controlar a fadiga

Acredita-se que a fadiga seja o sintoma mais comum da EM e muitas vezes pode ter um grande impacto na vida das pessoas. As causas da fadiga na EM não são bem compreendidas e acredita-se que seja uma combinação de fatores. Pode ser causada pela própria EM, através de um ‘curto-circuito’ dos nervos e pode ser causada em parte por outros fatores, incluindo calor, dieta inadequada, condicionamento físico deficiente e estresse. Como existem várias causas para a fadiga, também existem várias maneiras de gerenciá-la e de reduzir seu impacto. A maioria das técnicas de gerenciamento gira em torno de garantir que os melhores níveis de energia estejam disponíveis e, em seguida, usar a energia da maneira mais eficiente.

Como maximizar energia
  • Durma . A falta de sono pode piorar a fadiga. Estabelecer uma rotina para a hora de dormir, evitar a cafeína e relaxar antes de dormir pode melhorar a qualidade do sono.
  • Calor . Muitas pessoas acham que o calor piora a EM e pode fazer com que se sintam mais cansadas, especialmente durante os meses de verão. Existem várias dicas para manter a calma em nosso site, incluindo bebidas geladas regulares e banhos mornos.
  • Nutrição . Uma dieta e nutrição inadequadas podem piorar a fadiga. Lanches açucarados podem dar um impulso inicial, os níveis de açúcar no sangue caem rapidamente de novo, deixando os níveis de energia baixos. Uma dieta balanceada pode ajudar a reduzir a fadiga e melhorar os níveis de energia.
  • Técnicas de relaxamento . O relaxamento pode ajudar com a fadiga, pois promove bons padrões de sono, aumenta o benefício dos períodos de descanso durante o dia e pode ser usado para controlar situações estressantes.
  • Exercício . No passado, as pessoas com esclerose múltipla eram aconselhadas a evitar esforços, mas agora se sabe que os músculos que não são usados ​​regularmente enfraquecem e requerem mais energia para realizar as tarefas, agravando a fadiga. O exercício pode ser algo enérgico ou algo mais tranquilo.
Como usar a energia de forma eficiente
  • Planejando . Isso envolve parar e pensar sobre o que precisa ser feito e o que pode ser alcançado. Evite fazer muitas atividades que exijam energia em um curto período de tempo.
  • Priorizando e delegando . Se a energia é limitada, isso envolve definir quais são as tarefas mais importantes que precisam ser feitas e o que pode esperar por outro dia, quando os níveis de energia podem ser mais elevados. Como alternativa, a tarefa pode ser compartilhada ou outra pessoa pode ser solicitada a ajudar.
  • Organização . É útil ter tudo à mão ao fazer uma tarefa, isso evita pressa desnecessária em reunir itens.
  • Ritmo . Isso envolve fazer pausas ou descansos planejados dentro ou entre as atividades, fazer as coisas mais lentamente quando os níveis de energia estão mais baixos ou dividir as tarefas em atividades menores.

 

Fonte: MS Trust

Tradução e adaptação: Redação AME

Explore mais

Imagem com fundo cinza, à esquerda, o mapa do brasil pontilhado em tons amarelos e azuis. No canto inferior, à esquerda, em letras azuis "Por dentro do CNS", uma faixa amarela larga por trás das siglas "CNS" se prolonga até o canto inferior direito, onde tem escrito, de azul "ABR."
Conselho Nacional de Saúde

Por dentro do CNS: Abril

Em abril tivemos diferentes atividades dentro do CNS – Conselho Nacional de Saúde, entre elas, representamos o conselho na Audiência Pública sobre VACINAÇÃO CONTRA COVID-19