AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Suplemento OTC pode reduzir a atrofia cerebral na EMSP

Suplemento OTC pode reduzir a atrofia cerebral na EMSP

O ácido lipoico antioxidante oral pode diminuir a atrofia cerebral em pacientes com esclerose múltipla secundária progressiva  (EMSP), mantendo segurança e tolerabilidade, sugere uma nova pesquisa de imagem, apresentada no último ECTRIMS.

O pequeno estudo piloto de 51 pacientes mostrou que aqueles randomicamente atribuídos a 1200 mg de ácido lipoico por dia apresentaram uma taxa anual significativamente menor de atrofia cerebral, medida por exame de Ressonância Magnética, do que os participantes que foram designados para o placebo correspondente.

De fato, a taxa de redução de atrofia foi de 66% no grupo de tratamento ativo – e eles tiveram uma tendência para uma melhora na velocidade de marcha.

Além disso, os relatos de eventos adversos foram em grande parte semelhantes entre os dois grupos de tratamento. Embora aqueles que receberam ácido lipoico apresentaram mais casos de perturbações gastrointestinais do que aqueles que receberam placebo (17% vs 3%, respectivamente).

Rebecca Espanha, médica e pesquisadora, do VA Portland Health Care System e do Departamento de Neurologia da Oregon Health and Science University, disse que "ainda é cedo para afirmar", mas as conclusões são emocionantes. " Para meus pacientes com esclerose múltipla progressiva que estão motivados a tomar um suplemento de balcão, agora estou fornecendo-lhes esses dados. Claro que eu também estou deixando claro que ainda não sabemos se vai mudar o curso da EM ", acrescentou.

Dra. Espanha apresentou os resultados no Congresso do Comitê Europeu para o Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (ECTRIMS) 2016. Na ocasião, o Dr. Michael Hutchinson, do Vincent's University Hospital, em Dublin, na Irlanda, marcou esse estudo como um destaque clínico: "Este foi um estudo tão interessante", disse o Dr. Hutchinson, que não estava envolvido com a pesquisa. "O ácido lipóico parece uma molécula em potencial que poderíamos estar usando mais de".

Barato e prontamente disponível

O agente "é um antioxidante barato com múltiplas funções biológicas", explicou a Dra. Espanha durante a sua apresentação. "O enantiómero r é produzido endogenamente nas mitocôndrias, onde desempenha um papel fundamental na respiração oxidativa".

Modelos animais mostraram que o antioxidante pode reduzir a inflamação, bem como atrofia macular e medular.

"Há uma grande necessidade não satisfeita de encontrar uma terapia modificadora da doença para a EM Progressiva.Nós queríamos olhar para o ácido lipóico como possivelmente preenchendo esse papel, uma vez que é um agente de pequenas moléculas que, por seu baixo custo, poderia estar prontamente disponível para qualquer um que precisasse disso ", disse Dra. Espanha.

O presente estudo incluiu 51 pacientes com EMSP (61% mulheres, 96% brancos, média de idade, 58,5 anos). Destes, 27 receberam ácido lipóico e 24 receberam placebo. A duração média da doença para todo o grupo de base foi de 29,6 anos e a Escala Expandida de Incapacidade (EDSS) foi de 5,5. Todos os participantes foram submetidos a ressonância magnética anualmente.

A medida de desfecho primário foi a variação percentual anualizada do volume cerebral, com avaliação da imagem estrutural utilizando normalização da atrofia (SIENA). Às 96 semanas, o grupo que recebeu placebo tinha uma taxa de atrofia cerebral total de 0,65% ao ano, "o que é comparável com as taxas de outras cortes de história natural progressiva da EM", disse a Dra. Espanha.

Por outro lado, o uso de ácido lipóico resultou em uma taxa de atrofia anualizada significativamente menor, de 0,22%, o que representou uma redução de 66% em relação ao placebo (P = 0,004).

Benefícios clínicos precisam ser esclarecidos

Aqueles que tomaram o ácido lipoico também tiveram melhoria na velocidade da marcha.

Não houve diferenças entre os grupos nos outros resultados secundários, incluindo o volume total de substância cinzenta profunda, a alteração da espessura cortical ou melhora na taxa de EDSS.

Com base na contagem de pílulas, a adesão ao tratamento foi superior a 80%. E houve cinco abandonos no estudo, todos no grupo do ácido lipóico. Dois notáveis ​​Efeitos colaterais no grupo que tomou o ácido foram importantes: um caso de proteinúria que começou após o início do uso do suplemento e um de agravamento da função renal. "Mas um nefrologista consultor não associou qualquer um desses eventos estavam relacionados com o ácido lipóico", disse a Dra. Espanha. "E os eventos renais não foram observados em outros ensaios deste agente para outras condições".

Ela acrescentou que os achados primários positivos agora precisam de "exploração adicional com uma população maior para esclarecer o tamanho do efeito, para determinar os benefícios clínicos associados com reduções na atrofia cerebral e para explorar os mecanismos de ação subjacentes do ácido lipóico na MS progressiva".

A Dra. Espanha observou que "SIENA não é uma medida perfeita" e que o volume do cérebro pode ser influenciado por coisas como o estado de desidratação de um paciente, que não é controlado. "A única maneira de controlar para todas estas variáveis ​​é ter um grande estudo, que vai romper o efeito das variações individuais."

Ela relatou que tal julgamento está agora nos estágios de planejamento, com uma população de pacientes estimada de cerca de 115.

"Resultados Encorajadores"

"Este foi um pequeno estudo, mas teve um resultado muito marcante", disse o Dr. Hutchinson Medscape Medical News. "Basicamente, o ácido lipóico reduziu significativamente a taxa de atrofia", disse ele, observando que os cérebros saudáveis ​​atrofiam a uma taxa de cerca de 0,2%.

Para as pessoas com EM, particularmente EMSP, "normalmente é duas a três vezes mais, mas neste caso, as pessoas que estavam com ácido lipóico tiveram uma taxa de perda de 0,22%, enquanto que para aqueles que tomaram placebo foi 0,66%. Uma diferença de três vezes . Parece muito encorajador", reiterou o Dr. Hutchinson. "E é adorável ver todos esses estudos chegando para tratar o que era até agora um problema relativamente intratável : a EMSP".

O estudo foi apoiado pelo Departamento de Assuntos de Veteranos e os Institutos Nacionais de Saúde que está localizado em Sudbury, Massachusetts, que forneceu o ácido lipóico e o placebo. A Dr. Espanha e o Dr. Hutchinson não revelaram relações financeiras relevantes.

Congresso do Comitê Europeu de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (ECTRIMS) 2016. Sessão Paralela 12, apresentação oral 222. Apresentado em 16 de setembro de 2016. Sessão Plenária 2, apresentação oral 258. Apresentado em 17 de setembro de 2016.

 

Texto originalmente publicado por MedScape

Traduzido por Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

MedScape

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *