AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Sinais de nervo vago podem funcionar como “sistema de alerta precoce” para a inflamação em EM e outras doenças, diz estudo

Sinais de nervo vago podem funcionar como “sistema de alerta precoce” para a inflamação em EM e outras doenças, diz estudo

Uma nova maneira de interpretar sinais inflamatórios usando o nervo vago – que transporta esses sinais de todo o corpo para o cérebro – foi encontrada, relata um estudo.

Esse achado levanta a possibilidade de se ter um tipo de “sistema de alerta precoce” para inflamação, um processo prejudicial em doenças crônicas como esclerose múltipla (EM), lúpus, artrite reumatóide, psoríase, síndrome do intestino irritável e doença celíaca.

A pesquisa, ” Identificação de sinais neurais sensoriais específicos de citocinas pela decodificação da atividade do nervo vago murino “, foi publicada na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América .

O nervo vago, o mais longo do sistema nervoso autônomo  – que controla órgãos e glândulas internas – se estende da cabeça ao abdômen e tem funções sensoriais e motoras. As fibras nervosas trazem informações sobre o funcionamento e a saúde de órgãos como o coração, o esôfago, o estômago, a faringe, a laringe e os intestinos.

Pesquisadores, com especialidades em processamento de sinais e aprendizado de máquina, usaram o método para entender melhor as respostas inflamatórias específicas associadas a diferentes doenças.

Trabalhando com ratos, eles descobriram que a exposição ao TNF e IL-1 beta, duas moléculas inflamatórias, levou a diferentes impulsos nervosos sendo registrados a partir do nervo vago.

“Aqui nós desenvolvemos métodos para isolar e decodificar sinais neurais específicos para discriminar entre duas citocinas diferentes”, relata o estudo. “Impulsos nervosos registrados do nervo vago de camundongos expostos à IL-1β e TNF foram classificados em grupos com base em sua forma e amplitude, e suas respectivas taxas de disparo foram calculadas.”

Isso permitiu que a equipe detectasse “sinalização de que o sistema nervoso usa para comunicar o estado imunológico e a inflamação ao cérebro”, disse Theodoros Zanos, PhD, principal autor do estudo e professor do Instituto Feinstein, em um comunicado à imprensa .

Ele também descobriu que “grupos neurais sensoriais [responderam] especificamente ao TNF e à IL-1β de maneira dose-dependente”, de acordo com o estudo.

Zanos disse que a equipe tentará agora identificar a sinalização neural para diversas condições médicas. “Esta pesquisa é um passo fundamental para a engenharia de ponta de diagnóstico e terapêutica”, disse ele.

“O objetivo é conseguir usar esses sinais nervosos para inferir o que está acontecendo no corpo e como o cérebro está tentando regular sistemas críticos”, acrescentou Peter Lorraine, pesquisador da GE Global Research.

Se for bem-sucedida, essa abordagem pode permitir que os cientistas “monitorem as terapias diretamente observando como elas impactam os sinais de órgãos específicos e como o cérebro está tentando responder a esses sinais”, disse Lorraine. De acordo com o que é encontrado, eles podem “potencialmente resolver problemas com os próprios sinais devido a doenças”.

“Estamos apenas começando a entender essa nova linguagem sendo comunicada dentro do corpo. Mas à medida que nos tornamos mais fluentes, temos a oportunidade de ver e entender as causas e os primeiros estágios da inflamação que podem nos permitir parar antes de levar a algo mais sério ”, concluiu.

Fonte: Multiple Sclerosis News Today, traduzido livremente  –  Redação AME: https://bit.ly/2LJvQ0g

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS