AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Pessoas com esclerose múltipla progressiva podem ter dificuldades em perceber os pensamentos e as intenções dos outros, revela estudo

Pessoas com esclerose múltipla progressiva podem ter dificuldades em perceber os pensamentos e as intenções dos outros, revela estudo

Esses achados foram relatados em um estudo intitulado “Teoria Cognitiva, mas Não Afetiva dos Déficits Mentais na EM Progressiva ”, publicado no Journal of International Neuropsychological Society .

A EM é uma doença neurodegenerativa e autoimune que comumente se manifesta durante a idade adulta com uma ampla gama de sintomas, que podem incluir dificuldades com o movimento (comprometimento motor) e alterações cognitivas e emocionais.

“Enquanto deficiências cognitivas são um componente comumente examinado de deficiência em EM, há recentemente um interesse científico elevado em examinar deficiências cognitivas sociais, tais como percepção emocional e teoria da mente”, escreveram os pesquisadores.

A teoria da mente (ToM) é a capacidade do indivíduo de atribuir estados mentais – tais como crenças, emoções, desejos – a si mesmo e aos outros, e entender que os outros podem ter perspectivas diferentes das suas. É extremamente importante para as interações sociais diárias, porque é usado inconscientemente por todos os indivíduos para julgar e compreender as ações e comportamentos de seus pares.

Embora os déficits cognitivos sociais possam ser encontrados em todos os subtipos de doença, podendo ser evidentes mesmo nos estágios iniciais da EM, esses déficits parecem ser mais pronunciados naqueles com EM progressiva. “Infelizmente, até o momento, a maioria das pesquisas sobre cognição social na EM se concentrou na EM remitente recorrente, limitando assim nossa capacidade de entender esses déficits em subtipos mais progressivos”, afirmaram os pesquisadores.

Para preencher essa lacuna de conhecimento, os pesquisadores da Kessler avaliaram o impacto da EM progressiva na capacidade dos pacientes de inferir os pensamentos e intenções (ToC cognitivo), bem como as emoções (ToM afetivo) dos outros.

O estudo envolveu 15 pacientes com esclerose múltipla progressiva e 15 voluntários saudáveis. Todos completaram a Avaliação Virtual da Capacidade de Mentalização (VAMA), um teste composto de uma série de clipes de vídeo descrevendo situações sociais nas quais os indivíduos são solicitados a descrever o que os atores estão pensando e sentindo em intervalos específicos.

Os resultados mostraram que os pacientes com EM progressiva tiveram dificuldade em inferir os pensamentos e intenções dos indivíduos que atuam nos videoclipes, quando comparados aos participantes saudáveis ​​utilizados como controles no estudo. No entanto, a capacidade de perceber as emoções dos atores nas cenas foi semelhante nos dois grupos.

Além disso, os pesquisadores descobriram que a incapacidade dos pacientes de perceber os pensamentos e as intenções dos outros foi devido a deficiências gerais em suas habilidades cognitivas causadas pela EM. Isto foi confirmado pelo seu fraco desempenho em testes de memória e velocidade de processamento .

“Este estudo é um primeiro passo importante para uma melhor compreensão da disfunção cognitiva em indivíduos com esclerose múltipla progressiva”, Helen Genova, PhD, disse em um comunicado de imprensa . Genova é o diretor assistente da Fundação Kessler do Centro de Neuropsicologia e Pesquisa em Neurociência , e um dos autores do estudo.

“Examinando os componentes cognitivos e afetivos da Teoria da Mente, encontramos evidências de efeitos diferenciais da EM progressiva, semelhantes aos efeitos relatados para EM remitente recorrente, incluindo a aparente preservação da capacidade afetiva. Nossas descobertas indicam que o VAMA será uma ferramenta importante para o desenvolvimento de intervenções que ajudem as pessoas a manter as habilidades necessárias para o dia-a-dia ”, disse ela.

“[Este estudo deve ser interpretado com cautela, tendo em vista o pequeno tamanho da amostra e a população heterogênea de EM progressiva (incluindo todos os subtipos progressivos e diferentes no status de medicação)”, observaram os pesquisadores. “Nossa falha em detectar deficiências na ToM afetiva pode ser resultado de baixa potência e não da ausência de comprometimento”.

Apesar das limitações do estudo, essas descobertas “representam um primeiro passo importante para entender os déficits de MdM na EM”, disseram eles. O estudo mostrou que os diferentes componentes da ToM “são diferencialmente afetados pela EM”, o que significa que eles podem representar “uma medida ecologicamente válida” para avaliar os déficits cognitivos nessa população, acrescentaram.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today – http://bit.ly/2FHDgk0 – Traduzido e Adaptado Redação AME.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS