Pesquisadores descobrem como o principal fator de risco genético para a EM funciona

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Os cientistas descobriram o mecanismo molecular pelo qual a variante genética HLA-DRB1 * 15: 01 é o fator de risco mais forte para a esclerose múltipla, mostrou uma nova pesquisa.

Analisando vários estudos, os pesquisadores descobriram que o risco associado às variantes do HLA-DRB1 é devido a uma modificação específica do DNA chamada metilação. A metilação é um processo pelo qual os grupos metil são adicionados à molécula de DNA; pode mudar a atividade do DNA, mas não sua sequência.

A metilação do DNA em algumas variantes do HLA-DRB1 pode predispor ou proteger contra a doença.

Os resultados foram publicados no estudo “Metilação do DNA como mediador do HLA-DRB1 * 15: 01 e uma variante protetora da esclerose múltipla” na revista Nature Communications .

Variações nos genes pertencentes ao complexo antígeno leucocitário humano (HLA) são conhecidas há mais de 40 anos para influenciar a suscetibilidade das pessoas à esclerose múltipla. Uma variação em um desses genes –   HLA-DRB1 * 15: 01  – é o fator de risco genético mais conhecido para a doença.

Juntamente com outros genes HLA, o HLA-DRB1 codifica informações essenciais para que o sistema imunológico seja capaz de distinguir as próprias moléculas do corpo de moléculas estranhas produzidas, por exemplo, por vírus e bactérias.

Embora a função do HLA-DRB1 seja conhecida, os pesquisadores não entenderam até agora por que as variações genéticas do gene aumentariam as chances de uma pessoa desenvolver esclerose múltipla.

Compilando dados de vários estudos que examinaram glóbulos brancos de mais de 14.000 pacientes com esclerose múltipla e mais de 170.000 indivíduos saudáveis, pesquisadores observaram que pessoas com a variante HLA-DRB1 * 15: 01 expressaram o gene HLA-DRB1 mais fortemente.

Eles descobriram que o efeito é mediado por um mecanismo conhecido como “regulação epigenética”, significando que não é acionado diretamente pela sequência do DNA, mas sim por fatores ou grupos químicos que modificam a expressão do DNA e que são hereditários. A metilação do DNA é um tipo de regulação epigenética.

“Mostramos pela primeira vez que os mecanismos epigenéticos podem causar a doença. Além disso, podemos conectar esse mecanismo à variante genética com o maior risco de desenvolver EM ”, disse Maja Jagodic , pesquisadora do Departamento de Neurociência Clínica do Karolinska Institutet , na Suécia, e principal autora do estudo, em um comunicado de imprensa .

Em pessoas com a variante HLA-DRB1 * 15: 01 , o   gene HLA-DRB1 tende a obter menos metilação, uma modificação química do DNA. Como conseqüência, o gene é mais ativo e expresso pelas células do sistema imunológico.

Curiosamente, o estudo também revelou pela primeira vez a existência de uma variante protetora HLA-DRB1 (chamada rs9267649) que funciona através de um mecanismo reverso. Aumenta a metilação do DNA levando à redução da expressão do gene, o que parece reduzir o risco de desenvolver esclerose múltipla.

“Essas descobertas fornecem novos insights sobre os mecanismos moleculares da suscetibilidade à EM e sugerem estratégias terapêuticas alternativas baseadas na modulação dos níveis de HLA-DRB1”, escreveram os pesquisadores.

Os resultados também podem abrir novos caminhos para alternativas terapêuticas para outras doenças autoimunes, uma vez que “quase todas as doenças autoimunes estão associadas ao HLA”, disse Lara Kular , pesquisadora e primeira autora do estudo.

Fonte: Multiple Sclerosis News Today – Traduzido livremente – Redação AME: http://bit.ly/2v1cGwV

Explore mais

Mulher de cabeça baixa olhando para o celular. Texto à esquerda "Será que é EM?"
Diagnóstico

Será que é EM?

Está em dúvida se os sintomas que está sentido possam ser Esclerose Múltipla (EM)? Você pode ter pesquisado sobre a EM na internet e lido

Imagem com fundo cinza, à esquerda, o mapa do brasil pontilhado em tons amarelos e azuis. No canto inferior, à esquerda, em letras azuis "Por dentro do CNS", uma faixa amarela larga por trás das siglas "CNS" se prolonga até o canto inferior direito, onde tem escrito, de azul "ABR."
Conselho Nacional de Saúde

Por dentro do CNS: Abril

Em abril tivemos diferentes atividades dentro do CNS – Conselho Nacional de Saúde, entre elas, representamos o conselho na Audiência Pública sobre VACINAÇÃO CONTRA COVID-19