AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Pesquisadores apresentam pesquisa do genoma suíno que pode ajudar a tratar a EM

Pesquisadores apresentam pesquisa do genoma suíno que pode ajudar a tratar a EM

A sequência completa do genoma de Trichuris suis, um verme parasita encontrado em suínos tem sido analisado por uma equipe de 11 organizações de seis países da equipe internacional. A compreensão dos mecanismos genéticos subjacentes do parasita pode ajudar a modificar a resposta imune humana, o que poderia levar a melhores tratamentos para doenças autoimunes, como a doença inflamatória intestinal e a esclerose múltipla. Uma equipe internacional composta por 11 instituições seis países, entre eles o BGI, apresentou toda a sequência do genoma do Trichuris suis. A última pesquisa foi publicada online na revista Nature Genetics.

O parasita (Trichuris) infecta cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo e causa a doença (tricuríase). Em contraste, os suínos com Trichuris causam a doença no gado bovino, mas não causam doença em seres humanos. Relatou-se que a infecção por Trichuris suíno, pode ainda evitar a doença inflamatória nos seres humanos, fato este que tem sido utilizado para tratar a doença inflamatória do intestino, assim como a esclerose múltipla. Neste estudo, os investigadores dos genomas sequenciados de uma única fêmea adulta do verme que infecta um porco macho realiza uma cobertura de aproximadamente 140 vezes, produzindo projetos de montagens de 76 Mb e 81 Mb, respectivamente. Anteriormente estudou-se o cariótipo XX e XY para o sexo feminino e masculino, respectivamente, mas neste estudo os pesquisadores encontraram evidências de um cromossomo Y presente nos homens, sugerindo que os cromossomos sexuais eram o menor par de cromossomos e que eram morfologicamente muito semelhante em ambos sexos. Curiosamente, encontrou-se microRNA’s (miRNA’s), que parecem ter um papel importante na regulação do desenvolvimento sexual da espécie. Entre eles, o tsu-miR-228 em vermes fêmeas masculinos e tsu-miR-236 e miR-252-tsu, estavam encarregados de regular e/ou remover a feminilização e masculinização de genes de desenvolvimento, respectivamente. De acordo com os autores, esta é a primeira vez que estes resultados foram observados em um ser do reino metazoo. Ao investigar como o porco Trichuris regula a resposta imune do hospedeiro, os investigadores exploraram a fase de transcrição por sexo e ARNm específico do tecido e pequenos não codificantes RNA’s. Proteínas secretoras mostraram uma alta representação no transcriptoma do verme. Peptidases segregadas especialmente durante o desenvolvimento das larvas, pareceram ter um papel central em distúrbios auto-imunes humanas, principalmente através da inibição da inflamação. Os pesquisadores também. Na tentativa de construir relações da doença inflamatória intestinal e outras doenças auto imunes, e tentando encontrar um caminho para terapias com parasitas Li Hu, diretor de projeto do BGI, disse: “A sequência do genoma do porco fornece um recurso genético para a investigação profunda dos mecanismos subjacentes para as doenças autoimunes humanas. Enquanto isso, o estudo das interações do parasita suíno lançam uma nova luz sobre o controle de helmintos e outras doenças imunopatológicas humanas”.

 

BlogSclerosisMultiple (http://bit.ly/VsBrhq). Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta