AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Perda de memória na EM

Perda de memória na EM

Em pacientes de EM a perda de memória pode sim ser interrompida. Estar mentalmente ativo mantém a ‘reserva cognitiva’ nestes pacientes.

Ninguém questiona que seguir um estilo de vida mentalmente ativo protege contra a perda de memória e declínio cognitivo em pessoas saudáveis ​​e doentes. No entanto, para aqueles afetados pela esclerose múltipla (EM), exercitar e continuar mantendo pode ser decisivo quando se trata de retardar a perda de memórias. Um estudo confirma que pacientes que ‘exercitam’ sua mente estão protegidos contra perda de memória e dificuldades de aprendizagem que são frequentemente associados com a doença.

Como recorda Charo Blasco, neurologista da Universidade Hospital Puerta de Hierro Majadahonda, “comprometimento cognitivo em pacientes com EM é um fato conhecido, mas nem sempre bem quantificado. Estudos falam sobre a prevalência desta deficiência será de 45% 70%. Esta nova pesquisa é não mais do que uma prova por um pequeno ensaio clínico de uma realidade conhecida e mostrada em outras formas de demência, como a doença de Alzheimer”.

O conhecimento deste fato já levou associações espanholas a oferecer workshops para ‘preservar’ memória. Este é o caso da Associação balear de Esclerose Múltipla (ABDEM). Enric Brunet, membro da mesma, ELMUNDO.es esclarece “que desde o início da criação da associação tem um programa de reabilitação neurológica do que é bom ser feito em grupos ou individualmente, se o paciente é afetado severamente. O objetivo é ajudar a manter a capacidade mental para alcançar a funcionalidade na vida cotidiana.”

O teste

A nova pesquisa, publicada na última edição da ‘Neurology’, foi conduzido por James Sumowski, do Centro de Investigación de la Fundación Kessler, em Nova Jersey (EUA), e sua equipe. Cientistas contaram com a participação de 44 pacientes com esclerose múltipla, com idade média de 45 anos, que conviviam com a doença desde os 11. Assim, e em todos eles, procurou-se medir o ‘enriquecimento’ verbal, obtido através de atividades que envolvem a leitura e a educação. Além disso, em todos, a atrofia cerebral foi medida por meio de imagens com ressonância magnética (MRI).

O estudo descobriu que aqueles com um estilo de vida mentalmente ativo obtiveram uma boa pontuação nos testes de aprendizagem e memória, mesmo tendo mais dano cerebral associado à doença. O teste foi dar a todos os participantes até 15 tentativas de aprender uma lista de 10 palavras e pediu para lembrarem em 30 minutos. Entre as pessoas com estilos de vida mentalmente ativos, tanto aprender o mesmo que os outros quanto sua memória foi semelhante naqueles com maior quantidade de dano cerebral (visto na MRI) e aqueles que tinham menos área do cérebro ’ danificado’. De fato, o declínio da memória ou a lembrança das palavras caiu apenas 1%. Por outro lado, e em relação a eles, aqueles que não exercem sua mente, tiveram uma aprendizagem mais lenta e contagem de palavras foi reduzido em 16%.

"Muitas pessoas com EM lutam com os problemas de aprendizagem e memória. Este estudo mostra que um estilo de vida mentalmente ativo pode reduzir os efeitos nocivos dos danos cerebrais em ambas as capacidades. A aprendizagem e a capacidade de memória continuam sendo muito positivas em pessoas com estilos de vida enriquecedor, ainda o dano cerebral tenha ocorrido. Por outro lado, “as pessoas com estilos de vida cognitivamente passivo eram mais propensas a problemas com a aprendizagem e a memória", diz o principal autor do pesquisa.

Ao longo da vida

Para Blasco, “é um fato conhecido há muito tempo e não só nestes pacientes, mas em todos. O mecanismo cognitivo chamado reserva cognitiva nada mais é que as pessoas com um nível educacional mais elevado, um nível intelectual mais alto ou um maior exercício do mesmo toleram melhor (principalmente em estágios iniciais) o comprometimento cognitivo. Quanto melhor o cérebro foi treinado, maior o número de conexões neurais e habilidades intelectuais desenvolvidas ao longo de sua vida, no momento em que aparecer um déficit pode responder melhor ou durante mais tempo em relação ao que não tem feito nada disso.”

 Purificación de Castro, neurologista da Clínica Universitária de Navarra compartilha da mesma opinião: “A hipótese sustentada no trabalho de Sumowski é válida e muito interessante. Tem sido aplicada principalmente em pacientes com Alzheimer e é um dos objetivos da centros, certificar-se de que os pacientes estão devidamente estimulados. O campo da esclerose múltipla não tem sido tão trabalhado, mas por analogia, começamos a implementar, e em algumas das unidades de EM há programas de estimulação cognitiva para os pacientes afetados intelectualmente.”

 E aconselha: “Obviamente, nem todas as pessoas com esclerose múltipla terão problemas cognitivos, mas é muito apropriado observar no primeiro ano de diagnóstico, as pessoas muito jovens e sem problemas cognitivos, a conveniência de desenvolver um estilo de vida em que hábitos como leitura, resolução de problemas, atividades sociais criativas tenham um papel predominante, com uma atitude positiva e esperançosa de espírito, sabendo que eles podem fazer algo para “defender” um dos riscos da doença.

AVEMPO. Traduzido livremente.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta