AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

A origem da esclerose múltipla pode estar nos alimentos?

A origem da esclerose múltipla pode estar nos alimentos?

A esclerose múltipla pode ser causada por uma toxina produzida por uma bactéria encontrada nos alimentos, de acordo com um estudo realizado por Jennifer Linden microbiologista da Weill Cornell Medical College, em Nova York. 

Até agora, pensava-se que a doença do sistema nervoso central era causada pela combinação de um ou mais fatores ambientais, mas ainda é desconhecido o que atua como gatilho. A teoria defendida pela equipe de pesquisadores liderada por Linden é baseada em estudos que sugerem que a toxina epsilon, produzido por bactérias comuns, o que poderia ser acionado o processo, relataram ao “DailyMail”.

Linden explicou que “encontramos provas de que a teoria de que a toxina epsilon provoca permeabilidade da mielina e mata as células do cérebro responsáveis ​​pela produção da mesma, e que são destruídas pela doença. A toxina epsilon produzida por certas cepas de Clostridium perfringens uma bactéria em forma de esporos, que é uma das causas mais comuns de doenças transmitidas através dos alimentos. 

O estudo foi apresentado na Assembléia Biodefense e Doenças Emergentes em os EUA. Estudos anteriores já apontavam para a possibilidade de que a doença foi responsável por essa toxina.
No ano passado, a equipe descobriu que Linden, a cepa de uma estirpe da bactéria não se sabe se ele pode infectar os seres humanos, mas produz a toxina épsilon. Para testar a hipótese, Linden estudado o comportamento da toxina em ratinhos para ver quais as células afetadas. Assim, ele descobriu que a toxina ataca as células do cérebro associadas à esclerose.
"No começo, nós só achamos que o ataque da toxina era às células do endotélio cerebral e oligodendrócitos, responsáveis ​​pela produção de mielina no sistema nervoso central. Mas descobrimos que isso também afetou as células das meninges", disse o pesquisador . 

"Esta descoberta é muito interessante, pois oferece uma possível explicação para a inflamação das meninges e lesões corticais, observadas apenas em pacientes com esclerose múltipla, mas não significa que não existam outras causas.
Para obter informações mais certeiras, testaram amostras de alimentos em busca da bactéria que produz a toxina. Das 37 amostras analisadas, 13,5 por cento continham as bactérias e quase três por cento tinham o gene para toxina epsilon.
Para Linden, o desafio é o desenvolvimento de um anticorpo ou de uma vacina de toxina epsilon parar a progressão da doença ou evitar o seu desenvolvimento.

 

 

http://www.larazon.es. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *