Estímulo mental de tarefas motoras pode causar fadiga cognitiva na EM, segundo estudo

Mulher sentada, com as pernas cruzadas em cadeira de madeira. Ela veste blusa branca, saia jeans, relógio branco no braço esquerdo e cabelos longos e castanhos. Apoia os dois cotovelos no joelho e esconde o rosto nos braços, segurando uma agenda de couro. À esquerda, a frase "Estímulo mental de tarefas motoras pode causar fadiga cognitiva na EM, segundo estudo".

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Pessoas com Esclerose Múltipla (EM) tendem a superestimar mentalmente o tempo necessário para completar uma curta atividade de caminhada, causando fadiga cognitiva que pode afetar sua qualidade de vida, relata um estudo.

A conexão entre fadiga cognitiva e exercícios motores imaginários pode oferecer uma abordagem terapêutica potencial para melhorar a função motora e a qualidade de vida em pacientes com esclerose múltipla, disseram os pesquisadores. 

O estudo, “Restrições espaciais e fadiga cognitiva afetam as imagens motoras de andar em pessoas com esclerose múltipla”, foi publicado na revista Nature Scientific Reports .

A imaginação motora (IM) é o processo de simular mentalmente ou imaginar uma atividade motora, como caminhar, sem fazer fisicamente a atividade. Pesquisas anteriores sugerem que as funções cerebrais necessárias para imaginar a realização de uma atividade motora são semelhantes a realmente fazê-la. Em pessoas adultas saudáveis, acredita-se que essas atividades reais e imaginárias tenham um acoplamento temporal – ou seja, uma duração semelhante entre os movimentos reais e mentais.

Em pacientes com esclerose múltipla, no entanto, um grau de incongruência é observado entre as tarefas motoras imaginadas e reais, resultante da atividade cerebral anormal que pode indicar esforço mental extra para realizar tarefas físicas.

Foi demonstrado que a terapia IM melhora a marcha e reduz a fadiga em pessoas com EM. No entanto, em que grau os pacientes apresentam discrepâncias entre as tarefas imaginadas e físicas, e se essas discrepâncias afetam a fadiga cognitiva ou a qualidade de vida ainda não foi determinado.

“Investigar a relação entre fadiga e desempenho de IM em [pacientes com] EM pode ser a chave para lançar uma nova luz sobre a representação motora de [pacientes com EM] e fornecer insights sobre novos tratamentos de reabilitação”, escreveram os pesquisadores.

“Assim, para esclarecer esse aspecto, pedimos [que pacientes com EM] percorressem real e mentalmente três caminhos com larguras diferentes e comparamos seus desempenhos aos de indivíduos saudáveis”, escreveu a equipe.

No total, 15 pacientes com EM foram recrutados de um centro de reabilitação ambulatorial em Gênova, Itália, juntamente com 15 pessoas sem a condição ​​da mesma idade. Os pacientes com EM tinham idade média de 42,67 anos, sem recidivas nos últimos três meses e com capacidade de deambulação com, no máximo, um auxílio; as pessoas que não conviviam com EM ​​tinham idade média de 41,60 anos.

Todas as pessoas participantes foram convidadas a primeiro imaginar caminhando, então realmente caminhar – ou vice-versa – por três caminhos de 5 metros (16,4 pés). Os caminhos tinham larguras de 20 cm (7,9 polegadas), 35 cm (13,8 polegadas) ou 50 cm (19,7 polegadas).

Os participantes realizaram 12 movimentos de caminhada para cada largura de caminho em cada condição experimental (real e mental) para um total de 72 movimentos distribuídos em duas sessões diferentes separadas por um intervalo de tempo de dois dias. Os experimentos foram realizados com intervalo de cinco minutos entre as tarefas físicas e mentais. As tarefas foram cronometradas a partir do sinal “Vá” até o participante cruzar fisicamente a linha de chegada ou cruzar mentalmente a linha de chegada e dizer “Pare”.

Um bom desempenho de IM indica a capacidade dos participantes de estimar com precisão a duração da atividade imaginada em comparação com a duração real da atividade física. Os resultados mostraram que tanto a conclusão da tarefa real quanto a mental foram mais lentas em pacientes com EM do que nas pessoas sem a condição.

 

Enquanto os controles mostraram bom desempenho de IM, os pacientes com EM superestimaram mentalmente a duração da tarefa, o que significa que eles completaram a tarefa imaginada significativamente mais lenta do que a tarefa física em todas as larguras de caminho testadas. Curiosamente, a conclusão da tarefa real foi significativamente mais lenta em pacientes com esclerose múltipla no caminho mais estreito (20 cm), sugerindo que a restrição espacial afetou sua capacidade de percorrer o caminho.

Em pacientes com esclerose múltipla, pior desempenho de IM correlacionou-se significativamente com maior fadiga cognitiva relatada em todas as larguras de caminho, indicando que a fadiga cognitiva pode afetar o desempenho de IM. Não foram observadas correlações semelhantes entre fadiga física ou psicossocial e desempenho.

“Embora os resultados atuais não tenham implicações terapêuticas diretas, eles fornecem algumas dicas críticas para o uso de IM no contexto clínico e de reabilitação”, escreveram os pesquisadores, acrescentando que, especificamente para pacientes com esclerose múltipla, “ parece que as restrições espaciais e a fadiga cognitiva precisam ser corretamente ponderado de acordo com a intervenção de reabilitação individual. ”

A equipe sugeriu que “a prática mental com IM oferece uma oportunidade única e atraente para melhorar as habilidades locomotoras por meio de um treinamento seguro e individualizado para pessoas com deficiência grave que , devido às suas dificuldades de locomoção, pode ser feito apenas em rajadas curtas, especialmente na fase inicial de reabilitação. ”

Explore mais

Imagem com fundo cinza, à esquerda, o mapa do brasil pontilhado em tons amarelos e azuis. No canto inferior, à esquerda, em letras azuis "Por dentro do CNS", uma faixa amarela larga por trás das siglas "CNS" se prolonga até o canto inferior direito, onde tem escrito, de azul "ABR."
Conselho Nacional de Saúde

Por dentro do CNS: Abril

Em abril tivemos diferentes atividades dentro do CNS – Conselho Nacional de Saúde, entre elas, representamos o conselho na Audiência Pública sobre VACINAÇÃO CONTRA COVID-19