Esquecimentos na Esclerose Múltipla: “Está na ponta da língua”

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A maioria das pessoas provavelmente conhece a frustração de vasculhar o cérebro pela palavra que estava na ponta da língua até um segundo atrás. É uma ocorrência bastante comum, com ou sem Esclerose Múltipla. A luta é difícil de ignorar quando acontece com frequência, mesmo várias vezes ao dia. Em alguns dias, pode parecer difícil juntar uma frase corretamente.

Como é esquecer palavras quando se tem Esclerose Múltipla?

Sempre há algo que nos lembre da Esclerose Múltipla (EM). Inclusive é possível perceber que essa sensação ocorre o tempo todo, às vezes parece somente um ruído ao fundo. Se o corpo ficar estressado ou cansado, volta com tudo. Um dos primeiros indicadores que recebo quando estou cansado ou sobrecarregado é a dificuldade em encontrar a palavra certa. Funciona um pouco como um computador que tenta processar simultaneamente, congela e gagueja as palavras que você digitou 5 segundos atrás em blocos.

Acontece que estou longe de ser o único a lidar com esse sintoma. Para pessoas com EM, encontrar palavras é um sintoma relativamente comum relacionado à patologia. E embora seja quase inofensivo e até um pouco engraçado às vezes, certamente existem maneiras pelas quais esse sintoma torna a vida um pouco mais interessante (Brandstadter, 2020).

Encarando cenários sem palavras

Encontrar palavras com EM é meu passatempo do dia-a-dia. As pessoas que me conhecem bem se acostumaram a me ouvir calar no meio da frase, “hum e hãã”, e escolher uma palavra inadequada para terminar a frase. Por causa disso, tive que expandir meu vocabulário trabalhando com sinônimos. Mas mais sobre isso mais tarde. Felizmente, encontrei maneiras de rir disso, especialmente quando fica muito ruim. Como quando esqueço o que estava pegando na cozinha e como se chama. Embora eu possa me sentir um pouco constrangido, descobri que a melhor maneira de lidar com isso é com honestidade e encolher os ombros. A maioria das pessoas ri e acena com aprovação – todos nós já passamos por isso.

O impacto no trabalho

Escolher as palavras apropriadas é uma grande parte do meu trabalho diário. Trabalho com comunicação, mídia social e outras tarefas pesadas de escrita. Passo a maior parte do dia elaborando textos curtos, coerentes e informativos para públicos específicos. Escolher as palavras certas é essencial, mas, como você provavelmente pode imaginar, é uma batalha difícil. A escrita dá mais tempo para pensar, por isso é mais fácil de manejar.

A comunicação verbal é uma tarefa muito mais rápida e qualquer gafe se torna mais aparente. Apresentar uma ideia, conversar com clientes ou explicar algo para alguém novo pode parecer assustador. Mas posso assumir com segurança que a maioria das pessoas ignora minha busca por palavras. Como acontece com todas as coisas sobre as quais podemos nos sentir constrangidos, tendemos a ampliar sua importância em nossas cabeças.

Usando palavras para nos expressar

Outro aspecto da escolha das palavras certas tem menos a ver com sintomas e mais com nos fazermos entender melhor. A clareza das palavras tem essa incrível capacidade de nos ajudar no discernimento – tanto para nós mesmos quanto para os outros. Tendemos a ter experiências diferenciadas, mas as reduzimos ao seu estado mais genérico: deprimido, exausto, frustrado, com raiva.

Nós (ou qualquer outra pessoa) não podemos fazer muito com essas informações até que sejam divididas em partes menores. Ao fazer isso, inserimos significado ao explicar o que é e o que não é. É como entender como um motor funciona aprendendo sobre as peças individuais e como elas trabalham juntas para funcionar. Ser deliberado com nossas palavras pode ser especialmente útil ao entrar em contato com nosso(a) neurologista ou profissional de saúde. Ele(a) pinta uma imagem mais completa e clara de nossas lutas do dia-a-dia.

Meus truques para encontrar palavras com Esclerose Múltipla

Como qualquer outro sistema, podemos hackeá-lo. Eu aproveito ao máximo isso ao lidar com a localização de palavras. Então, como mencionei anteriormente, trabalho com sinônimos. Encontrar palavras é encontrar a palavra, não o significado. Identificar palavras com significados semelhantes pode acelerar as coisas ou colocar o cérebro de volta no foco. Saber um segundo idioma também pode ser extremamente útil (embora não seja a opção mais econômica) e tem um efeito semelhante aos sinônimos. Pesquisando no Google, “o que é aquela coisa que parece x e soa como y?” me ajudou mais de uma vez. Mas o meu favorito é pedir ajuda às pessoas. Um amigo meu disse certa vez: “Adoro quando você me pede para ajudá-lo a lembrar as palavras. Isso me faz sentir como um detetive”.

Referências
  • Brandstadter R, et al. Word-finding difficulty is a prevalent disease-related deficit in early multiple sclerosis. Mult Scler. 2020 Nov;26(13):1752-1764. 
Leia mais no site da AME:

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Multiple Sclerosis .Net

Escrito por Fredric Andersson, em julho de 2022.

Explore mais

Clube AME

Desestressando o estresse

Como Identificar e Gerenciar a Tensão que a Esclerose Múltipla Pode Causar