AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

CONHEÇA MELHOR SEU REMÉDIO: TYSABRI (NATALIZUMABE)

CONHEÇA MELHOR SEU REMÉDIO: TYSABRI (NATALIZUMABE)

O que é Tysabri?

Tysabri é um fármaco modificador de doença para EM recorrente remitente muito ativa. É uma droga imunossupressora, tomada por via intravenosa uma vez a cada quatro semanas para reduzir o número e a gravidade dos surtos. Reduz o número de recaídas em cerca de dois terços (70%), em comparação com a tomada de placebo.

O tratamento com Tysabri pode aumentar o risco de leucoencefalopatia multifocal progressiva (PML ), uma infecção cerebral incomum que pode levar a incapacidade grave ou mesmo à morte.

 

Para que é utilizado o Tysabri na EM?

Tysabri é um altamente eficaz.  Em ensaios clínicos, as pessoas que tomavam Tysabri tiveram cerca de 70% menos surtos do que as pessoas que tomavam placebo. Em ensaios clínicos, os exames de ressonância magnética mostraram que as pessoas que tomavam Tysabri tinham menos,  menores ou nenhuma nova área de EM ativa (lesões). Tysabri também pode retardar a acumulação de deficiência associada com a EM.

 

Quem pode tomar Tysabri?

Tysabri pode ser prescrito se você tem EMRR muito ativa, que é definido como duas ou mais recidivas em um ano, com sinais de lesões crescentes ou novas entre dois exames consecutivos de ressonância magnética.

Foi aprovado pela ANVISA em 2008, com entrada no SUS em 2012.

 

Contra-indicações

É importante que informe a seu/sua neurologista se você tem algum problema de saúde ou se está tomando outros medicamentos. Seu neurologista precisará saber se você já tomou outras drogas que suprimem o sistema imunológico (por exemplo, mitoxantrona, azatioprina, ciclofosfamida ou metotrexato).

 

Concepção e gravidez

A gravidez não é recomendada durante o tratamento com Tysabri. Se você está tentando engravidar, fale com seu/sua médico/médica neurologista sobre o planejamento familiar.

 

Como se toma o Tysabri?

Você toma Tysabri como uma infusão intravenosa (um pequeno tubo colocado em uma veia, com o tratamento infundido através de uma bomba) uma vez a cada quatro semanas. Isso geralmente é feito em uma clínica de infusão hospitalar (ambulatório) e o procedimento  leva de 2 a 3 horas.

 

Que efeitos colaterais posso ter com Tysabri?

 

Efeitos colaterais comuns incluem tonturas, inflamação do nariz e da garganta, sensação de estar doente, vômitos, urticária (uma erupção cutânea), tremores e uma maior chance de infecção. Tysabri pode afetar a função hepática, mas isso geralmente se recupera quando o tratamento é interrompido.

O tratamento com Tysabri pode aumentar o risco de leucoencefalopatia multifocal progressiva (PML ), uma infecção cerebral incomum que pode levar a incapacidade grave ou mesmo à morte. A PML  é causada por uma mutação do vírus JC, uma infecção comum não relacionada à EM. Esse vírus é normalmente mantido sob controle pelo sistema imunológico, não causando problemas. Se seu sistema imunológico está enfraquecido e seu corpo é menos capaz de combater uma infecção, o que pode ocorrer ao tomar o Tysabri, o vírus JC pode se tornar ativo e causar inflamação e danos ao cérebro.

Um exame de sangue pode detectar o vírus JC e dar uma indicação do risco de desenvolver PML . Outros fatores que aumentam o risco de PML  incluem o tratamento anterior com um fármaco imunossupressor (por exemplo, azatioprina, ciclofosfamida, mitoxantrona ou metotrexato) e o período de tempo que tomou Tysabri. Seu/sua neurologista discutirá as implicações do exame de sangue e como ele pode afetar os benefícios e riscos do tratamento.

Quando você começar a tomar Tysabri, será informado dos primeiros sinais e sintomas de PML . Estes podem ser semelhantes a um surto de EM, por isso é importante relatar qualquer sintoma novo ou piora de sintoma. Se há suspeita de PML  em qualquer momento durante o tratamento, o medicamento será interrompido imediatamente.

Efeitos colaterais frequentes (que afetam mais de 1 pessoa em cada 100)

– Infecções do trato urinário

– Inflamação do nariz

– Tremores

– Erupção cutânea com comichão (urticária)

– Dor de cabeça

– Tontura

– Náuseas, vômitos

– Dor nas articulações

– Febre

Efeitos secundários menos frequentes (afetando menos de 1 pessoa em cada 100)

– Reação alérgica grave durante a infusão (erupção cutânea, inchaço da face, lábios ou língua, dificuldade em respirar)

– Desconforto durante a infusão, incluindo sensação de enjoo, cefaleia, tonturas

– Leucoencefalopatia multifocal progressiva (PML )

– Infecções graves

– Problemas hepáticos

Uma lista completa dos efeitos secundários está incluída na bula do medicamento.

 

Avaliação antes do tratamento

Exames de sangue serão realizados antes de iniciar o tratamento para determinar se você já foi infectado pelo vírus JC. Você deve fazer exames de sangue e urina para medir a contagem de células sanguíneas e verificar a função hepática e renal. Também é importante que você tenha feito uma ressonância magnética recente (geralmente dentro de 3 meses).

 

Avaliação durante o tratamento

Antes de cada infusão, a pressão sanguínea, a temperatura e a frequência do pulso serão medidas. A monitorização também será feita durante a infusão e durante uma hora após a verificação de qualquer reação alérgica grave (hipersensibilidade).

Se um exame de sangue anterior não encontrar evidência do vírus JC, você deve ter repetir esses exames de sangue porque é possível ser infectado a qualquer momento. Se um exame de sangue anterior encontrou baixos níveis de infecção pelo vírus JC, você deve continuar a fazer exames de sangue porque o nível de vírus pode aumentar. Recomenda-se que os exames de sangue sejam repetidos a cada seis meses. Se você estiver em alto risco de desenvolver PML , seu/sua neurologista deve considerar fazer mais exames de ressonância magnética mensal para detectar a PML  cedo, o que irá reduzir a probabilidade de incapacidade grave.

Como Tysabri age

Tysabri se liga às células imunes na corrente sanguínea, impedindo-as de passar do sangue para o sistema nervoso central, onde podem danificar os nervos.

Pesquisas de Tysabri

O estudo de dois anos comparou Tysabri com placebo em 942 pessoas com remissão MS  remissão. Tysabri reduziu o número de recaídas em 68% em comparação com placebo. Pessoas que tomaram  Tysabri mostraram ter menor probabilidade de ter um agravamento de deficiência física. Após dois anos, 29% do grupo placebo apresentou pelo menos um aumento de um ponto na Escala de Estado de Incapacidade Expandida (EDSS ), em comparação com 17% do grupo Tysabri.

ASCEND – Tysabri em comparação com o placebo para MS  progressiva secundária

Tysabri também foi investigado como um tratamento para EM secundária progressiva onde o aumento da incapacidade não é o resultado de surtos.  Esta fase III do estudo foi projetado para testar se Tysabri poderia retardar o aumento gradual da deficiência experimentada por pessoas com EMSP. O estudo envolveu 889 pessoas com EMSP que tinham uma escala EDSS  de 6,0 a 6,5 ​​(auxílio ambulante necessário). Os participantes tomaram Tysabri ou placebo por perfusão intravenosa (gotejamento) a cada quatro semanas durante dois anos. O estudo mediu a incapacidade usando uma combinação de EDSS , capacidade de andar e função de mão e braço. De acordo com os resultados apresentados em um encontro científico, o tratamento de Tysabri avaliado com a medida composta não teve efeito sobre o aumento gradual da deficiência. No entanto, olhando para as medidas de deficiência separadamente, Tysabri teve um efeito significativo sobre as funções da mão e do braço.

 

Programa de Atendimento ao Paciente de Avonex:

Programa BIA – 0800-724-0055
http://www.programabia.com.br/

Experiência do paciente

Alguns Amigos Múltiplos nos contaram como é tomar o Tysabri mensalmente e nos autorizaram divulgar aqui como eles se sentem com esse tratamento. Confira e, se você também utiliza essa medicação, deixe o seu depoimento nos comentários que é bem importante para quem vai começar a usar o Tysabri conhecer outras experiências:

Em 2009 pouca gente tomava o Tysabri aqui no Brasil; já estava aprovado seu uso pela Anvisa mas ainda não estava na medicação de alto custo.
Eu tinha usado o Copaxone por 2 anos, em seguida passei pro Rebif…mas depois de 5 meses, além de não melhorar, piorei muito.
Muita dificuldade na marcha, fadiga , cansaço… entrei com ação judicial e consegui a medicação pelo plano de saúde.
Tudo era muito novo, pouca gente usava…estava com muito medo de como seria a infusão, se haveria muitos efeitos colaterais… mas meu médico me acalmou dizendo que eu iria melhorar muito! E lá fui eu, cheia de esperanças e muita confiança. Não tive e não tenho nenhum efeito ruim durante ou após a medicação. As melhoras foram aparecendo aos pouquinhos…e fui melhorando cada vez mais.
 O grande medo de quem usa é quanto ao vírus JC…eu fiz o teste e sou positiva para o vírus…mas a melhora foi tão grande que decidimos continuar… faço exames de sangue e a virulência é baixa , o que nos dá mais tranquilidade pra continuar.
A infusão dura  1 h e depois corre um soro fisiológico. Sempre foi muito tranquilo e nunca senti nenhum efeito negativo. Tomo há 8 anos , desde 2009, e atualmente com intervalo de 6 semanas. O importante é que o paciente seja monitorado pelo médico, que ele acompanhe a evolução do tratamento, dando segurança ao paciente.
Hoje praticamente não tenho sequelas aparentes, levo uma vida normal, trabalho em 2 lugares, viajo, passeio, faço exercícios…e tomar a medicação a cada 6 semanas é um conforto!!
Outros medicamentos apareceram nestes últimos anos, mas por enquanto, optamos por não mudar…time que está ganhando nao se mexe!  – Maria Rosa

“Antes do Tysabri, utilizei o Rebif 22 e o Copaxone e me sentia muito mal com os efeitos colaterais (febre, dores, mal estar), além do desconforto que tinha em ter que realizar as aplicações todos os dias. O médico indicou então a mudança, pois os remédios estavam afetando as funções hepáticas do meu organismo.

Quando soube que iniciaria o tratamento com o Tysabri, fiquei com muito medo, pois imaginei que ficaria internada para tomar o remédio e que os efeitos colaterais poderiam ser piores, por ser uma medicação mais forte e que não pode ser aplicada em casa.

Hoje, vou para a sétima aplicação do Tysabri e esse novo tratamento tem sido maravilhoso! Vou ao hospital apenas uma vez ao mês e fico lá apenas por algumas horas fazendo uma infusão intravenosa da medicação. Não tenho nenhum efeito colateral e posso dizer que minha qualidade de vida melhorou muito, minha fadiga diminuiu e as sequelas que haviam ficado devido à surtos anteriores, diminuíram muito.

Ainda não fiz uma nova ressonância desde que iniciei o tratamento, mas os médicos me examinaram e disseram que estou muito bem e que essa é uma das melhores medicações que existem para a EM. Faço o tratamento todo pelo SUS e não tenho nenhuma dificuldade em pegar o remédio ou agendar as infusões.

Estou muito feliz e acho que bem amparada com o uso do Tysabri”.  – Nayara de Oliveira

 

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS