AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

PREVISÃO DA PROGRESSÃO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA

PREVISÃO DA PROGRESSÃO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA

Usando tecnologia nova e sofisticada, os pesquisadores tentam entender por que a EM avança mais rapidamente em umas pessoas do que outras.

Por Susan Worley – Momentum Magazine

A maioria dos indivíduos com esclerose múltipla está ciente de que a doença pode ser altamente variável e imprevisível. Apesar de muitos avanços recentes, como exames de MRI mais sofisticados, prever a progressão da doença de uma pessoa ou o prognóstico, continua a ser um desafio significativo para os neurologistas – e uma fonte significativa de angústia para as pessoas que vivem com a doença. Mesmo a capacidade de determinar, no diagnóstico, o tipo específico de esclerose múltipla de um indivíduo (como recidiva ou progressiva) permanece limitado e muitas vezes requer testes e exames repetidos ao longo do tempo.

“Depois de seguir um paciente por alguns anos, a capacidade de um clínico para avaliar a doença do paciente e prever a progressão pode melhorar até certo ponto”, diz o Dr. Thomas Forsthuber, pesquisador e professor de biotecnologia da Universidade do Texas em San Antonio (UTSA ). “No entanto, ainda precisamos de um método científico para prever o curso clínico da EM, que não só melhoraria a seleção do tratamento, mas talvez ajudasse a prevenir ou reverter a progressão da doença”.

O objetivo final, diz o Dr. Forsthuber, seria o desenvolvimento de um teste simples e não invasivo, cujos resultados preveriam de forma confiável o risco de progressão de um indivíduo. Idealmente, tal teste envolveria um exame de sangue simples, ou análise de urina, fezes ou mesmo saliva.

O primeiro passo no caminho para o desenvolvimento de tal teste é a identificação de biomarcadores fluidos – substâncias suculentas que podem ser medidos de forma confiável e fortemente associadas à atividade da doença, da mesma maneira que o açúcar no sangue pode ser usado para fornecer informações sobre diabetes. Aproveitando o poder de uma tecnologia complexa e inovadora que pode isolar, marcar, quantificar e comparar essas substâncias, os pesquisadores estão se aproximando de biomarcadores que podem oferecer informações valiosas sobre a progressão da doença.

Uma busca de proteínas
Um campo promissor de pesquisa de biomarcadores é o da proteômica – ou o estudo em grande escala de moléculas de proteína, incluindo sua estrutura, função e mudanças em número ao longo do tempo. Na UTSA, o Dr. Forsthuber é o investigador principal de um estudo de proteômica que começou com um exame de proteínas no cérebro de camundongos. Usando ratos que possuem uma versão animal de MS , conhecida como encefalomielite autoimune experimental (EAE), e uma nova aplicação de tecnologia projetada para marcar moléculas de proteína, ele e seus colegas acompanham de perto as mudanças nas proteínas que ocorrem durante vários estágios da MS  – Como doença.

Dr. Forsthuber e seus colegas já identificaram algumas proteínas que sofrem alterações durante exacerbações de EAE em camundongos. Uma vez que eles diminuíram o mais atraente destes, eles começarão a procurar essas moléculas no sangue dos camundongos para descobrir qual deles pode prever a progressão da doença. Como as proteínas que estão examinando têm equivalentes humanos, deve ser possível, eventualmente, comparar padrões significativos de proteínas em camundongos com padrões encontrados no sangue de pessoas com EM. Os resultados do estudo não devem apenas fornecer informações sobre as causas da progressão da EM, mas também podem ajudar a revelar a atividade silenciosa (não observada na ressonância magnética) que ocorre entre recaídas, conhecida como progressão subclínica.

Um ângulo diferente
Com o financiamento da International Progressive MS  Alliance, Charlotte Teunissen, PhD, do VU University Medical Center (VUMC) em Amsterdã, também está realizando um estudo de proteômica, mas assumindo uma abordagem um pouco reversa. Usando uma poderosa ferramenta de descoberta de biomarcadores de proteína chamada SOMAscan®, ela está identificando padrões de proteínas no sangue de pessoas com EM, o que pode ajudar a prever a progressão, refletindo a atividade da doença no cérebro em diferentes estágios da doença.

“Com apenas algumas gotas de sangue de um indivíduo, podemos analisar simultaneamente mais de mil proteínas diferentes”, diz o Dr. Teunissen. “Estamos usando essa informação para estabelecer assinaturas moleculares – isto é, padrões únicos de proteínas que indicam, por exemplo, quais moléculas de proteínas são elevadas e que são reduzidas para cada paciente em vários estágios da doença”.

Todas as pessoas no estudo do Dr. Teunissen forneceram amostras de sangue em intervalos regulares durante um período de quatro anos, assim como controles saudáveis ​​(indivíduos sem EM). Atualmente, as assinaturas moleculares de pessoas que experimentaram uma progressão íngreme estão sendo comparadas com as de indivíduos que experimentaram pouca ou nenhuma progressão após a doação de sangue. O Dr. Teunissen já identificou moléculas de proteínas inflamatórias que parecem estar fortemente associadas à progressão da doença. Sua esperança é que uma análise posterior revele não apenas indícios de progressão da MS , mas um ou mais mecanismos de doenças relevantes que poderiam se tornar alvos para o desenvolvimento da medicação.

Mineração do microbioma
Outra avenida promissora da pesquisa de biomarcadores de MS  envolve a investigação das bactérias que vivem no intestino humano (intestino grosso e pequeno); Essas bactérias são coletivamente referidas como o microbioma intestinal. Como a MS envolve ataques do sistema imunológico no cérebro e na medula espinhal, faz sentido procurar pistas para a progressão no intestino, o maior órgão imune em seres humanos.

“O microbioma é uma importante fonte de informação sobre o corpo”, diz Sergio E. Baranzini, PhD, professor de neurologia da Universidade da Califórnia, San Francisco (UCSF). “Nos intestinos, um número extremamente grande de bactérias entram em contato próximo com células que fazem parte do sistema imunológico e podem influenciar o funcionamento imune. Isso também é onde o sistema imunológico aprende sobre o que está acontecendo fora do corpo, porque a dieta e a exposição ambiental afetam as diferentes bactérias que passam pelos intestinos e entram em contato com células imunes “.

Como investigador principal do Consórcio MS  Microbiome apoiado pela Sociedade Nacional de MS  e investigador principal do International MS  Microbiome Study, o Dr. Baranzini está trabalhando com colegas para determinar se as diferenças de microbiomas em pessoas com EM podem afetar o funcionamento imune de uma maneira que é fortemente Ligada à atividade da doença. Graças à nova tecnologia que permite a seqüenciamento de DNA rápido e relativamente barato, diz o Dr. Baranzini, ele e seus colegas conseguiram examinar a composição das comunidades bacterianas em indivíduos com EM em diferentes estádios da doença e comparar suas descobertas com dados saudáveis Controles. Para excluir as mudanças específicas da MS , as informações obtidas de cada indivíduo com EM devem ser comparadas com a de um controle saudável da mesma família (ou seja, alguém exposto a dieta e meio ambiente semelhantes).

Pesquisas iniciais intrigantes sugerem que o microbioma pode, eventualmente, ajudar a explicar algumas causas de progressão na EM. Em última análise, a equipe pretende determinar se as estratégias probióticas podem interromper o curso da doença. Dr. Baranzini e seus colegas também esperam saber se o microbioma claramente desempenha um papel no desencadeamento da EM. Se eles são capazes de estabelecer esse papel, a transferência de bactérias saudáveis ​​para indivíduos com EM pode ser fundamental para prevenir a progressão da doença.

Detectando pistas em dados
Outra ferramenta poderosa que pode ajudar a resolver o mistério da progressão é a informática, que se refere a uma ampla gama de sistemas que armazenam, processam, gerenciam e comunicam informações. Nos campos científicos, a informática pode ser usada para descobrir padrões e revelar verdades ocultas em grandes quantidades de dados.

O consórcio SUMMIT é um novo e ambicioso projeto financiado pela Sociedade, em que os centros de conhecimentos de renome mundial usarão tais ferramentas para desvendar o porquê e como MS  progride, com o objetivo de prever e prevenir a progressão. Este estudo de cinco anos reúne dois MS  Centers of Excellence: Harvard’s Brigham and Women’s Hospital e UCSF. Cada instituição acompanhou cuidadosamente grupos de pessoas com EM por quase 10 anos em estudos conhecidos como CLIMB e EPIC, respectivamente. Usando uma série de testes laboratoriais avançados e técnicas de imagem, os pesquisadores têm coletado dados de análises moleculares, celulares e genéticas detalhadas e compilando estes em um único conjunto padronizado de dados. Usando tecnologia capaz de divulgar uma enorme quantidade de informações, esses pesquisadores estão começando a identificar fatores que podem influenciar a progressão da doença, além de fatores de risco conhecidos de fumar, exposição solar, gênero e hormônios. SUMMIT irá ampliar e aproveitar essas coleções profundas de informações, dados clínicos, imagens de MRI, questionários e espécimes biológicos envolvendo mais de 1.000 pessoas com EM.

“A integração dos dados desses dois estudos está nos proporcionando uma oportunidade única para examinar o curso de EM em uma ampla gama de pessoas, enquanto analisa um grande número de variáveis, em um esforço para determinar por que alguns pacientes progridem mais rapidamente do que outros “, Diz o Dr. Howard Weiner, professor de neurologia da Harvard Medical School e um dos principais pesquisadores do estudo SUMMIT.

“Os dados da SUMMIT serão disponibilizados para outros grupos de pesquisa em todo o mundo”, acrescenta o Dr. Weiner, “e deve servir de base a partir da qual novos projetos, como os esforços para desenvolver novos biomarcadores, podem ser lançados. Também esperamos expandir nosso estudo e adicionar novos centros de pesquisa fora dos EUA, conforme o estudo continua “.

Veja a matéria original em Momentum Magazine.

Traduzido por AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

 

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS