As histórias que contamos a nós mesmos para lidar com a Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Qual é a diferença entre fingir que tudo está bem e ignorar que realmente não está? Quais são as coisas que contamos a nós mesmos para lidar com, por exemplo, um diagnóstico de Esclerose Múltipla?

 

Autor: Trevis Gleason é um premiado chef, escritor, consultor e instrutor, diagnosticado com esclerose múltipla progressiva secundária em 2001.

 

“Aja como se tivesse fé, e a fé te será dada. Dito de outra forma: finja até conseguir.”

Essa é uma frase escrita por Aaron Sorkin para o personagem do melhor amigo e chefe de gabinete do eventual presidente – que, aliás, tem Esclerose Múltipla – em The West Wing, uma série de drama político de TV que foi exibida de 1999 a 2006. Eu e Caryn, minha esposa, assistimos a série inteira nos últimos meses do governo americano anterior.

A frase ficou comigo nas últimas semanas, e eu percebi que fui além do “finja até que você consiga” e estive vivendo em um mundo de histórias, contos de fadas e mentiras absolutas para mim mesmo por um bom tempo.

Eu sou bom em desviar meus olhos de realidades difíceis

É difícil não ser duro consigo mesmo quando você chega a essa epifania, mas cheguei à verdade paralela de que a maioria de nós conta a si mesma algumas fábulas de que precisamos para sobreviver. Eu não sou a única pessoa a fazer isso e não estou nem perto de dizer que é uma coisa ruim.

Comecei a me aproximar desse entendimento quando parei de dizer “Todas nós dizemos a nós mesmas as mentiras que precisamos ouvir.” Pareciam mentiras na extremidade mais gentil do espectro de falsidades; como o final “E todos viveram felizes para sempre”. Se eram mentiras, eu dizia a mim mesmo, eram do tipo mais simples e pareciam mais simbólicas do que inverdades.

As pessoas que já leram minha coluna por um tempo sabem que eu vejo a EM como uma sentença de prisão perpétua em vez de uma sentença de morte. Isso significa que decidi continuar com a parte viva. Para prosseguir, parece que desenvolvi uma tendência particular para desviar os olhos das realidades difíceis e contornar as questões mais dolorosas.

É a versão da EM de dizer a mim mesmo que o cachorro velhinho foi morar em uma fazenda onde pode correr livremente com seus amigos.

A diferença entre conto de fadas e mentira absoluta pode ser comparada com a diferença entre “preciso saber” e “devo saber”.

Na maioria das vezes, olhar para longe não faz mal

As histórias que contamos a nós mesmos ajudam a suavizar as arestas afiadas de nossa realidade de Esclerose Múltipla. “Talvez amanhã” e “Não vai durar” são o “Era uma vez” para muitas dessas histórias de EM que conto a mim mesmo. Nelas, o dragão é morto, o protagonista é resgatado e tudo fica bem no mundo.

Nessas narrativas, sou capaz de colocar de lado medos e superar obstáculos, e o “novo normal” é tão bom quanto o antigo normal – afinal, o que é “normal”?

A maioria das fantasias que conto para mim mesmo é de um nível de diversão “Fada dos Dentes”. São pequenas distrações que não causam danos reais; elas me ajudam a passar por um pouco de trauma. Elas são algo que espero superar em meu próprio tempo. Essas são as histórias benignas que me perdoo por contar.

Mas a ilusão total é um território perigoso

Os contos sinistros são aqueles que não uso para me distrair, mas para me distrair. Essas são as mentiras perigosas que ultrapassam o lado mais sombrio do espectro.

Então, por uma questão de sanidade, ainda contarei histórias a mim mesmo para me ajudar a superar as dificuldades. Não vou, no entanto – tudo bem, vou tentar não – deixar as fantasias entrarem na terra das mentiras, pois será muito difícil escapar delas.

 

Fonte: Everyday Health

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais