AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

A função respiratória e reabilitação na EM

A função respiratória e reabilitação na EM

As manifestações da EM são tão variáveis ​​que podem parecer com uma doença qualquer ou, podem evoluir rapidamente para que a pessoa afetada perca as capacidades básicas. Durante o curso da doença uma variedade de distúrbios respiratórios, devido à natureza multifocal da EM pode ocorrer. A este respeito, o sistema respiratório na esclerose múltipla está comprometido em função da apresentação clínica da doença, do grau de fraqueza muscular e das estruturas do sistema nervoso central (SNC) que são afetadas pela desmielinização.

Déficits motores afetam não apenas os músculos dos membros e tronco, mas também os músculos respiratórios, causando uma diminuição na força e resistência. A fraqueza dos músculos, controle anormal da respiração e diminuição da elasticidade do sistema respiratório, com o consequente aumento do trabalho, podem desencadear distúrbios respiratórios na EM. Não se esqueça que, embora a causa mais importante do enfraquecimento dos músculos seja a desmielinização, existe outros fatores que podem contribuir para esse sintoma: a inatividade e consequente falta de condicionamento, que causam uma alteração na capacidade oxidativa do músculo esquelético ou corticosteróides, frequentemente prescritos no decurso da doença, o que também pode causar alterações no músculo.

Fraqueza muscular respiratória ocorre nas fases iniciais da doença, mas não é reconhecida por profissionais da saúde em estádios mais avançados. Isto porque a maioria dos pacientes afetados inicialmente não tem conhecimento de sintomas (excluindo situações exacerbadas). Além disso, os testes de função pulmonar normais não são eficazes na detecção de perda de força muscular respiratória, como a avaliação da inspiração máxima e pressão expiratória. São estes que revelam a desordem, e permitem a detecção precoce. Em estudos recentes, os quais têm alta pressão e são utilizados nos testes, verificou-se que 52% dos novos casos diagnosticados tem algum tipo de doença pulmonar. A pneumonia, especialmente, é considerada uma das complicações respiratórias que mais causa morbidade e mortalidade em pessoas com esclerose múltipla em estágio avançado.

Métodos de medição da função pulmonar na EM

Os testes de função pulmonar normais são incapazes de detectar a disfunção pulmonar em fase inicial, como nenhum valor a força muscular respiratória que geralmente é danificada a nível neuromuscular. O teste específico de picos de pressão inspiratória (PIP) em pacientes ambulatoriais, resultando valores localiza entre 55% e 77% dos valores basais, enquanto no caso da pressão expiratória máxima (MEP), Os valores situam-se entre 34% e 60% da linha de base.

Para o diagnóstico precoce de sintomas respiratórios, é recomendado o uso do Índice Pulmonar (PDI). Este índice (desenvolvido pela Smeltzer et al) consiste de sinais clínicos incluindo:

-As informações coletadas sobre a dificuldade dos pacientes em remoção de secreções pulmonares.

-A informação expressa pelo paciente sobre a presença de uma tosse fraca.

-A observação pelo examinador da tosse do paciente.

-A observação pelo examinador da capacidade do paciente de contar numericamente e consecutivamente em uma única expiração após uma inspiração máxima. O intervalo entre 4 e 11 pontos (parâmetros ser: leve 4.5, significa 8,6, alta de 11,9). Altas pontuações estão associadas a um aumento dos problemas respiratórios e maior comprometimento nos testes de função pulmonar. Lembre-se que o desempenho destes testes é trabalhoso e estressante para os pacientes com EM, e em vez disso, o PDI é uma avaliação simples.

A validade e confiabilidade deste índice foi descrita em detalhes. Este é um começo clínico, prático e rápido da disfunção respiratória, e seu uso é recomendado para a detecção precoce da disfunção muscular respiratória na EM.

Existem muitos fatores que podem afetar a taxa de PIM e PEM como a fadiga sistêmica, espasticidade, má coordenação dos músculos respiratórios, fraqueza dos membros, sintomas bulbares, fraqueza dos músculos faciais e da cooperação em distúrbios cognitivos funcionais. Isso faz com que muitas das medidas não possam ser feitas ou sejam tendenciosas. Para obter resultados reproduzíveis é necessário realizar um exame completo, incluindo pulmonologia, e os seguintes aspectos:

-Histórico de doenças provocadas pelo cigarro e respiratórias

-Classificação de dispnéia

-Oximetria de Pulso

-A radiografia de tórax

-Teste de Função Pulmonar

-Valores laboratoriais (gases sanguíneos, hemoglobina, hematócrito, etc.)

-O exame físico (sinais vitais, observação e fiscalização de postura, a cor das unhas, a capacidade de falar, cianose e avaliação de condicionamento físico geral)

-Palpação, percussão e ausculta

O envolvimento neurológico e evolução temporal da EM, e seu envolvimento na função pulmonar

Buyse e outros pesquisadores observaram uma relação significativa entre o nível de comprometimento neurológico por Expanded Disability Status Scale EDSS e PDI. Todos os deslocados internos tendem a serem melhores no grupo com um EDSS mais baixo em 7. Eles alertaram uma correlação entre o tempo de doença e a função pulmonar, mas esta era fraca.

Outros autores encontraram resultados semelhantes. Assim, é possível concluir que uma relação entre o nível funcional por EDSS e o grau de comprometimento dos parâmetros funcionais respiratórios, mas não sobre a relação com o tempo de evolução ou duração da doença.

Em pessoas com doença moderada a grave (EDSS> 6,5), os valores PIM são entre 27% e 74% dos valores de referência, e o PEM, entre 18% e 51%. Em pessoas com insuficiência ligeira a moderada (EDSS).

Treinando os músculos respiratórios

O efeito do treinamento muscular respiratório em pacientes com EM tem sido estudado em vários artigos ao longo dos últimos 10 anos. Estudos publicados sugerem que o treinamento muscular respiratório em pacientes com deficiências graves pode aumentar a força e resistência dos músculos e, assim, retardar o desenvolvimento de complicações respiratórias. Há evidências científicas de que os aumentos do treinamento muscular expiratório em PEM leve e moderada é afetada pelo uso de treinadores expiratórios e há protocolos desenvolvidos por autores como Smeltzer, Gosselink e Chiara.

Também existem evidências científicas que sustentam a formação da musculatura inspiratória a aumentar de leve a moderada nos PIM’s afetados, usando treinamentos inspiratórios. Autores como Klefbeck e Fry-Welch estão realizando estudos protocolising, desenvolvemos treinamentos, nos quais concluem que existem melhorias. Em um desses estudos também mostraram que o treinamento muscular inspiratório aumenta o trajeto da viagem e melhora o equilíbrio.

Descobertas

Na última década, tem aparecido muitos interessados ​​em saber cientificamente como funciona a deficiência respiratória em pacientes com EM. Uma pesquisa recente mostra a presença de fraqueza muscular respiratória nos estágios iniciais, e em muitos casos, os testes de função pulmonar mostram resultados normais até que a perda de força muscular atinja 50%. Da mesma forma, mencionando que em qualquer nível de envolvimento pode melhorar a força dos músculos respiratórios através de formação específica.

Pode concluir-se que um programa de reabilitação adequada deve incluir fisioterapia respiratória para EM, seja qual for a fase dos objetivos da doença, prevenção ou tratamento. Isto irá aumentar a capacidade respiratória, evitar complicações relacionadas ao tossir, capacidade de discurso para obter uma respiração o mais econômica possível, buscando diminuir a intensidade de fadiga ou prevenir a sua ocorrência.

 

FEM – Fundació Esclerosis Multiple. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

2 Comentários

  1. fabiano cardoso 5 meses atrás 28 de maio de 2018

    Bom dia! Minha irma tem esclerose multipla e foi internada com pneumonia, mas ela nao tem força para espectorar a secreção, no hospital ela esta tomando so antibiotico e xarope . Gostaria de saber de que forma o antibiotico eliminaria o catarro se nao por via oral ? e se nesses casos existem outras formas para que a secreção possa ser eliminar em pacientes com essa condição

    RESPONDER
    • ame 5 meses atrás 4 de junho de 2018

      Oi, Fabiano, como vai?

      Consultamos nosso conselho médico e o ideal é conversar com o médico da sua irmã sobre fisioterapia. Dependendo da dificuldade de tossir há técnicas de trabalho fisioterápico para ajudar a expelir catarro, incluindo uso de algumas máscaras específicas chamadas de “pressão positiva”. Mas só deve ser usada com ajuda profissional.

      Qualquer dúvida é só falar 😉

      RESPONDER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *