Um relato de um esclerosado com COVID 19

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

De antemão, quero me apresentar, visto que sou a nova integrante no blog AME: Me chamo Eloisa, tenho 22 anos, moro em São Bernardo do Campo, região do grande ABC. Sou formada em Biomedicina, sendo a EM a principal ‘inspiração’ para tal formação. Fui diagnosticada com esclerose múltipla aos meus 16 anos, com neurite óptica. Faço meu acompanhamento no Hospital das Clínicas de São Paulo desde então e utilizo continuamente Compaxone 40Mg.

Agora podemos dar andamento a meu primeiro post com um assunto um tanto quanto assustador para todos nós e a nossos parentes e amigos: contrair o vírus causador da atual pandemia.

No dia 30 de Dezembro, comecei com uma tosse que até então achava que não passava da minha rinite atacada, já que desde segunda-feira a mesma estava me incomodando constantemente com espirros contínuos. Porém na virada de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro, comecei a apresentar cada vez mais sintomas semelhantes ao novo Coronavírus. Congestão nasal, e uma leve dificuldade para respirar, sem contar as fadigas que se tornaram constantes, o que normalmente acontece esporadicamente. O dia seguinte foi quando mais senti os sintomas: dor no corpo e já não tinha mais meu paladar e olfato. Os últimos sintomas seguintes foram uma leve dor de cabeça e dor no corpo.

Quando uma amiga que já havia contraído a COVID 19, ela descrevia como uma doença que os sintomas iam e viam, e realmente, meus sintomas – com exceção do paladar e olfato-, intercalavam-se, uma hora estavam bem e em outra algum sintomas voltava a se manifestar, mas apesar de tudo, os sintomas foram sempre de forma leve. Hoje já completa meu 14º dia de isolamento, sendo o ultimo, consigo concluir que meus sintomas não foram graves, apenas o paladar e o olfato não voltaram ainda 100%, sendo o sabor doce e salgado que mais consigo distinguir, porém nada preocupante.

Durante a pandemia sempre fiquei à par das notícias que relacionavam a Covid 19 e esclerose múltipla. Até então o que sei é a relação do tratamento para a EM e como sua ação no nosso organismo pode influenciar a resposta à doença, sendo o Compaxone um dos medicamentos que aparentemente é seguro à forma de desenvolvê-la. De fato, hoje posso dar meu depoimento que apesar do susto e o medo de algum dia poder manifestar algum sintoma mais grave, não chegou a acontecer. Sigo aguardado, – assim como o mundo todo -, a vacina para que todos possam voltar suas vidas ao normal.

Explore mais

Coronavírus

O caminho de volta

por Suzana Gonçalves Há quase dois anos fomos literalmente surpreendidos pela pandemia, dúvidas no ar… Como nossos corpos com esclerose múltipla irão se  comportar diante

Diagnóstico

Como tudo começou…

por Fabiana Rosa Olá, meu nome é Fabiana Rosa, mas você pode me chamar de Fabi 😉 Quando recebi meu diagnóstico do Esclerose Múltipla em