Sintomas paroxísticos e a EM

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Paroxístico é um termo que descreve a maneira como alguns sintomas da esclerose múltipla surgem de repente, duram apenas alguns segundos ou minutos e desaparecem com a mesma rapidez. Às vezes, esse ciclo de sintomas paroxísticos se repete algumas vezes ou, talvez, muitas vezes em um dia. Algumas pessoas chamam de ataques, aglomerados, surtos, episódios ou sintomas intermitentes. Seus profissionais de saúde podem chamá-los de sintomas episódicos. 

Muitos sintomas da EM podem ir e vir de maneira paroxística, incluindo dor, espasmos e dificuldades com a visão.

 

O que são sintomas paroxísticos?

Paroxístico é um termo para quaisquer sintomas de esclerose múltipla que começam subitamente e duram apenas alguns segundos ou alguns minutos, no máximo. No entanto, esses sintomas podem reaparecer algumas vezes ou muitas vezes ao dia em rajadas curtas semelhantes. Eles podem ser dolorosos e atrapalhar suas atividades diárias ou podem ser apenas irritantes. As exacerbações geralmente param depois de alguns meses.

 

Muitos sintomas da EM podem surgir de maneira paroxística, incluindo:

 – neuralgia do trigêmeo, que provoca sensações de facada ou queimação na lateral do rosto, geralmente apenas de um lado;

– sensações alteradas na pele, como prurido, dormência, formigamento, queimação ou dor;

– o sinal de Lhermitte que parece um choque elétrico no pescoço e na coluna;

 – dores nos braços ou pernas, que pode ser muito breve, mas ainda tirar o fôlego;

– espasmos que podem causar o repentino aperto de um membro, garras de uma mão, espasmos ou chutes nas pernas. Espasmos podem afetar o tronco ou os músculos do rosto;

– problemas de visão, incluindo visão dupla (diplopia) e o fenômeno de Uhthoff, que é o agravamento temporário dos sintomas causados ​​pelo aumento da temperatura;

– dificuldades de deglutição (disfagia);

– distorção da fala (disartria);

– fraqueza, geralmente nas pernas ou pés, o que pode causar instabilidade ou queda;

– falta de coordenação (ataxia), que pode causar tropeços ou derrubar coisas;

– congelamento do movimento (acinesia) que é incapaz de se mover por um instante ou apenas se mover lentamente ou com extrema dificuldade.

 

O que causa sintomas paroxísticos?

 Os sintomas paroxísticos são devidos a sinais elétricos repentinos e inapropriados nos nervos que já foram danificados pela EM. Os ataques de sintomas paroxísticos são diferentes das crises observadas na epilepsia, pois os padrões das ondas cerebrais são completamente diferentes, embora, confusamente, possam ser tratados com medicamentos antiepiléticos.

Os sintomas paroxísticos podem ser desencadeados por movimento, toque, fadiga, hiperventilação (respiração rápida), mudança de temperatura ou estresse emocional.

 

Quantas pessoas apresentam sintomas paroxísticos?

 Um estudo realizado em 2002 descobriu que cerca de 3 em cada 100 pessoas com EM apresentaram sintomas paroxísticos.

 Os sintomas paroxísticos tendem a estar associados aos estágios iniciais da EM, mas raramente são um dos primeiros sinais clínicos da EM. Como tal, às vezes são mal diagnosticados.

 

O que posso fazer se tiver sintomas paroxísticos?

 Se você estiver ciente de algum gatilho para seus sintomas paroxísticos, como fazer um movimento específico ou ficar muito quente, tente evitá-los. Manter um diário de sintomas pode ser útil para identificar gatilhos dos quais você talvez não esteja ciente.

 Os sintomas paroxísticos geralmente não são sinal de recaída, a menos que sejam acompanhados por outros sintomas contínuos. No entanto, se você acha que está tendo uma recaída, informe a equipe médica que te acompanha.

 Os sintomas paroxísticos podem ser perturbadores, pois você nunca sabe quando eles podem aparecer. Técnicas como a atenção plena, que o ajudam a viver no momento presente, em vez de pensar no que pode acontecer no futuro, podem ser úteis.

 

Como são tratados os sintomas paroxísticos?

 Os sintomas paroxísticos podem ser tratados se interferirem significativamente no seu dia a dia. Só porque são intermitentes, não significa que são menos importantes. No entanto, eles podem ser difíceis de tratar porque aparecem sem aviso e cada exacerbação dura apenas um curto período de tempo. Além disso, eles costumam parar após alguns meses, portanto o tratamento pode ser desnecessário. Qualquer tratamento dependerá, em grande parte, do sintoma paroxístico específico que você está enfrentando. O tratamento medicamentoso pode ser usado apenas por algumas semanas ou meses para controlar seus sintomas, mas a dose pode ser reduzida ou interrompida para verificar se você está livre de sintomas.

 

Se você estiver preocupado com sintomas paroxísticos, entre em contato com a equipe médica que te acompanha.

 

Fonte: MS Trust

Traduzido e adaptado – Redação AME: https://www.mstrust.org.uk/a-z/paroxysmal-symptoms

 

Acreditamos que a #InformaçãoÉOMelhorRemédio e, para que  possamos manter (e melhorar) a qualidade do trabalho falando sobre saúde, precisamos também da sua ajuda. Quanto custa ajudar a melhorar o mundo de quem tem uma condição crônica de doença?!

CONTRIBUA CLICANDO AQUI! <3

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre