AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

POR QUE A ESCLEROSE MÚLTIPLA É MAIS COMUM EM MULHERES?

POR QUE A ESCLEROSE MÚLTIPLA É MAIS COMUM EM MULHERES?

A esclerose múltipla (EM) é uma doença grave que afeta um número significativo de pessoas em todo o mundo. A doença danifica as células do cérebro, eventualmente resultando em problemas com o movimento muscular, a visão e de equilíbrio. Os cientistas não tem certeza sobre a natureza desta doença. No entanto, recentemente, tornou-se claro que a doença pertence à classe dos chamados distúrbios autoimunes. Tais doenças são caracterizadas por um mau funcionamento do sistema imunológico em que as células imunes do corpo começam a atacar e destruir as células normais do corpo.

Um aspecto particular da EM permaneceu completamente inexplicável por muitos anos: a doença é muito mais comum entre as mulheres. Na verdade, as mulheres são quatro vezes mais frequentemente diagnosticadas com a doença do que os homens.

A recente descoberta por pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington pode fornecer uma explicação para este mistério. Descobriu-se que o cérebro feminino contém uma quantidade muito maior de uma proteína específica chamada S1PR2. Proteína que regula a permeabilidade da barreira sangue-cérebro, uma estrutura específica que proteja as células do cérebro de componentes prejudiciais, células e agentes infecciosos que podem estar presentes no sangue. S1PR2 faz o papel de barreira mais permeável e pode permitir o acesso fácil das células imunológicas no cérebro. Na verdade, os danos causados pela esclerose múltipla são muito mais proeminentes nas áreas do cérebro onde o nível desta proteína é mais elevado.

Esta descoberta oferece novo horizonte para futuros medicamentos contra EM

Ainda não está claro por que o nível S1PR2 é maior em mulheres, mas os cientistas estão atualmente à procura de uma série de explicações que incluem os efeitos dos hormônios e fatores genéticos. A identificação desta proteína certamente abre a possibilidade do desenvolvimento de novas drogas que possam reduzir ou prevenir danos cerebrais causados pela esclerose múltipla.

A boa notícia é que a proteína S1PR2 é independente do sistema imunológico. Isto significa que pode ser alvo de futuros novos medicamentos, sem a necessidade de modificar a imunidade do corpo, o que pode ser muito difícil. Ao influenciar esta proteína, que será capaz de regular a permeabilidade da barreira hemato-encefálica e melhorar o nível de proteção do cérebro vulnerável.

Referência

Lillian Cruz-Orengo, Brian P. Daniels, Denise Dorsey et al. O aumento da expressão de receptor da esfingosina-1-fosfato 2 fêmea subjacente SNC susceptibilidade auto-imunidade. J Clin Invest

 

Fonte: Avempo. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta