AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Microrganismos do intestino provocaram doença autoimune na vida adulta em camundongos

Microrganismos do intestino provocaram doença autoimune na vida adulta em camundongos

A colonização do intestino de ratos jovens por certos tipos de bactérias podem levar a respostas imunológicas mais tarde na vida que estão ligados à doença, os investigadores relatam. Os aumentos nos níveis de bactérias filamentosas segmentadas podem provocar alterações no tecido linfóide do intestino do rato que resultará na produção de anticorpos que atacam os componentes do núcleo da célula. Esse tipo de dano é uma característica marcante de doenças auto-imunes como lúpus eritematoso sistêmico e esclerose sistêmica em que os órgãos de todo o corpo são danificados por respostas imunes rebeldes.

Investigadores revelaram que a colonização do intestino de ratos jovens por certos tipos de bactérias podem conduzir a respostas imunológicas mais tarde na vida, que são ligadas à doença. Os aumentos nos níveis de bactérias filamentosas segmentadas podem provocar alterações no tecido linfóide do intestino do rato que resultará na produção de anticorpos que atacam os componentes do núcleo da célula. Esse tipo de dano é uma característica marcante de doenças auto-imunes como lúpus eritematoso sistêmico e esclerose sistêmica em que os órgãos de todo o corpo são danificados por respostas imunes rebeldes. Os resultados são publicados no The EMBO Journal.

"Nossos resultados demonstram como a saúde intestinal em animais jovens podem estar ligados a doenças auto-imunes em animais mais velhos", diz Dirk Elewaut, Professor no Hospital Ghent University e do Centro de Pesquisa VIB Inflamação, Universidade de Ghent, Ghent, Bélgica, que é um dos principais autores do estudo. "A microbiome dos jovens impactos rato uma perda de tolerância do sistema imunitário contra proteínas secundário no núcleo da célula. O ataque de certas proteínas pelo próprio sistema imunitário do corpo, subsequentemente, pode provocar danos nos tecidos e doença." Os pesquisadores usaram camundongos nos quais órgãos linfóides secundários faltaram para os seus estudos. Órgãos linfóides secundários incluem nódulos linfáticos, baço, amígdalas e outras estruturas em que os linfócitos, as células brancas do sangue que desempenham um papel essencial no sistema imunitário do corpo, são activados. Os ratinhos foram produzidas por interferência com linfotoxina e HOX11, duas proteínas essenciais envolvidas na resposta auto-imune de animais. Os cientistas demonstraram que cerca de um quarto de ratinhos modificados desta forma desenvolvida espontaneamente anticorpos que atacam os componentes do núcleo da célula. Este aumento, em reacções imunitárias auto-infligidas indesejadas foi influenciado pela presença de bactérias filamentosas segmentadas no intestino de ratos mais jovens. Bactérias filamentosas segmentados são microrganismos relacionados com a clostridia encontrados no intestino de muitos animais, incluindo ratinhos, ratos e seres humanos. "Temos demonstrado uma ligação entre o microbioma de camundongos jovens e posterior surgimento de doença auto-imune", diz Elewaut. "São necessários mais estudos para estabelecer os mecanismos moleculares precisos que leva ao aparecimento de doenças como o lúpus eritematoso sistêmico e esclerose sistêmica em humanos, mas agora temos um novo caminho de investigação que podemos buscar e procurar por possíveis intervenções."

 

Medscape. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *