Obesidade e tabagismo na adolescência pode acelerar a progressão de adultos para o EMSP, apontam estudos

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Jovens adultos com 20 anos de idade que são obesos e fumam não estão apenas em maior risco de desenvolver esclerose múltipla remitente recorrente – aqueles que se tornam pacientes com esclerose múltipla após 20 anos também são mais propensos a avançar para esclerose múltipla secundária mais rapidamente, relatam pesquisadores na Suécia.

Mas a ligação observada entre a obesidade, definida como índice de massa corporal superior a 30, e esclerose múltipla secundária progressiva ( EMSP ) não ocorreu em pacientes com esclerose múltipla que não eram fumantes, observaram os pesquisadores, uma observação que “pode revelar a doença”. mecanismos de condução. ”

Seu estudo, ” Associação de Índice de Massa Corporal Pré-Doença com o Prognóstico da Esclerose Múltipla “, foi publicado na revista Frontiers in Neurology .

Cerca de 15% dos pacientes com EM são diagnosticados com a forma  primária progressiva da  doença ( EMPP ), caracterizada pelo agravamento constante dos sintomas neurológicos do início da doença sem uma fase de remitente-recorrente. A EM secundária progressiva(EMSP) segue um curso de EM remitente recorrente ( EMRR ) – a forma de doença mais comumente diagnosticada – e é marcada por sintomas constantes e piora da incapacidade. Cerca de 70% dos pacientes com EMRR sofrem conversão para EMSP.

Um alto índice de massa corporal (IMC; relação peso / altura) durante a infância e adolescência está associado ao desenvolvimento de EM. Mas o seu impacto na conversão para a forma progressiva da doença não é bem compreendido.

Os pesquisadores analisaram dados envolvendo 5.598 pacientes suecos (1.453 homens e 4.145 mulheres) diagnosticados com EM após os 20 anos de idade, e avaliaram os dados do IMC para investigar sua possível ligação com a progressão da doença. Como as alterações no IMC podem estar relacionadas ao tabagismo, e um estudo anterior  mostrou que o tabagismo pós-diagnóstico aumentou o risco de progressão mais rápida para EMSP, o histórico de tabagismo dos pacientes também foi considerado na análise.

Os dados dos pacientes foram obtidos do estudo Genes and Environment in Multiple Sclerosis e do estudo Epidemiological Investigation of Multiple Sclerosis, ambos parte do registro de EM sueco.

Os pacientes foram divididos em três categorias com base na massa corporal: baixo peso (IMC abaixo de 18,5), normal a sobrepeso (IMC de 18,5 a 30) e obeso (IMC maior que 30).

O pacote médio de anos fumados antes do início do EMSP foi de 7,00 para os 688 pacientes com baixo peso; 5,50 e 5,95 para as 4.772 pessoas normais e com excesso de peso, respectivamente; e 4,93 para os 158 pacientes do grupo obeso.

Os pesquisadores descobriram que aqueles pacientes que eram obesos aos 20 anos desenvolveram EMSP mais cedo (por volta dos 51 anos) em comparação com os pacientes nos outros dois grupos, que progrediram por volta dos 57 anos.

Obesidade aos 20 anos aumentou o risco de desenvolvimento de EMSP em pessoas que fumaram antes do início de sua doença. Essa associação entre obesidade na adolescência e aumento do risco de EMSP não foi observada em não fumantes.

No geral, esses achados contribuem para o conhecimento dos fatores de risco associados à progressão da doença.

“O IMC foi identificado como um fator que não só aumenta o risco de desenvolver EM, mas também de progredir para o estágio SP, oferecendo pistas sobre o processo de condução da doença”, escreveram os pesquisadores.

Fonte: Multiple Sclerosis News Today – Traduzido e adaptado, Redação AME: http://bit.ly/2CKrgxJ

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre