O estresse afeta a Esclerose Múltipla?

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Quatro dicas para lidar com o estresse quando se convive com uma condição crônica como a Esclerose Múltipla

 

Todo mundo pode se sentir estressado de vez em quando – é parte da vida.

O estresse é uma resposta normal quando há uma ameaça percebida à sobrevivência ou ao seu modo de vida. Contudo, a resposta natural do seu corpo ao estresse – querer fugir dele ou lutar contra – geralmente não é uma opção.

O estresse nem sempre é negativo. Eventos importantes na vida, como uma mudança de casa, começar um novo emprego ou ter um bebê, também podem causar estresse.

Quando o estresse é frequente, ele pode começar a afetar seu bem-estar. O estresse pode causar uma variedade de sintomas, incluindo dores de cabeça, tensão, dificuldade para dormir e alterações de humor. O estresse de longo prazo pode levar à depressão e causar sintomas físicos.

É impossível evitar totalmente o estresse, mas você pode encontrar maneiras de responder melhor ao estresse. Quando você vive com Esclerose Múltipla (EM), encontrar maneiras de controlar o estresse é uma parte importante do controle da sua condição.

A ligação entre o estresse e doenças autoimunes, como a esclerose múltipla, não é 100% clara. Pesquisadores descobriram que as pessoas que foram diagnosticadas com condições relacionadas ao estresse têm maior probabilidade de desenvolver uma doença autoimune. No entanto, mais pesquisas são necessárias para entender essa conexão.

A relação entre estresse e EM

A EM é uma condição auto-imune. O sistema imunológico é projetado para atacar invasores prejudiciais, como vírus ou bactérias. Na EM, o sistema imunológico ataca erroneamente a mielina, a camada protetora dos nervos. Isso resulta em danos à mielina.

Pode haver uma ligação entre o estresse e doenças auto-imunes como a esclerose múltipla. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que foram diagnosticadas com condições relacionadas ao estresse têm maior probabilidade de desenvolver uma doença auto-imune. No entanto, mais pesquisas são necessárias para entender essa conexão.

A ciência não foi capaz de estabelecer uma ligação conclusiva entre o estresse e os surtos de EM. O estresse pode causar uma variedade de sintomas emocionais e físicos que podem afetar a forma como você se sente. Se você já está lidando com sintomas de esclerose múltipla ou seus tratamentos, o estresse extra pode fazer você se sentir pior.

O estresse causa as lesões da EM?

As lesões da EM são áreas de dano no sistema nervoso. Elas podem ser vistas usando imagens de ressonância magnética. As novas lesões parecem diferentes das mais antigas. Os pesquisadores vêm estudando como diferentes fatores podem influenciar na formação de novas lesões. 

Um estudo explorou os efeitos de eventos estressantes positivos e negativos na EM. Estresse negativo foi definido como uma ameaça para a pessoa ou sua família. O estudo descobriu que períodos de estresse negativo resultaram em mais lesões cerebrais. Eventos de estresse positivo, não.

Outro estudo descobriu que o aconselhamento para gerenciamento de estresse reduziu o número de novas lesões cerebrais de EM. No entanto, os efeitos não foram prolongados, e não houve diferença significativa nas lesões no acompanhamento de 24 semanas.

Como lidar com o estresse com EM?

Eventos e experiências estressantes fazem parte da vida e é impossível evitá-los completamente. Não se trata de eliminar o estresse, mas de encontrar maneiras de lidar com ele.

Conheça algumas estratégias de gerenciamento de estresse:

Mindfulness

Atenção plena significa focar no momento presente, em vez de ficar preso ao passado ou se preocupar com o futuro. Para começar, você pode reservar alguns minutos para sentar-se em silêncio e se concentrar na respiração. Tente se tornar mais consciente do seu ambiente: o cheiro, a visão, o som e a sensação ao seu redor.

Respiração profunda

A respiração profunda pode ajudá-lo a controlar alguns dos efeitos físicos do estresse. Quando você está focado em sua respiração, não há espaço para outros pensamentos. Para fazer isso, tente respirar lentamente pelo nariz. Expire ainda mais lentamente com os lábios franzidos.

Conexões sociais

Manter relações sociais fortes é bom para a sua saúde. Ter apoio pode melhorar seu bem-estar físico e emocional. Compartilhar suas experiências pode te ajudar a se sentir menos sozinha e melhorar sua capacidade de lidar com a situação. Reserve um tempo para se conectar com amigos e familiares ou encontre maneiras de se envolver em sua comunidade.

Terapia

Um terapeuta é especialmente treinado para fornecer suporte em saúde mental. Eles podem ajudá-lo a lidar com situações difíceis que contribuem para o estresse. Você pode procurar um terapeuta que também tenha experiência em trabalhar com pessoas que convivem com condições crônicas como a EM.

Quais são os outros gatilhos da EM?

Um surto ocorre quando os sintomas da EM pioram ou novos sintomas aparecem por pelo menos 24 a 48 horas. Os seguintes gatilhos foram associados a surtos de EM:

Superaquecimento

Qualquer coisa que faça com que a temperatura do seu corpo aumente pode desencadear um surto. Faça o possível para evitar passar muito tempo sob o sol direto. Evite saunas ou banheiras de hidromassagem.

Doença ou infecção

Ficar doente pode desencadear sintomas de EM. Lave as mãos com frequência, pratique o manuseio seguro dos alimentos e tome sua vacina anual contra a gripe para te ajudar a se manter saudável e evitar as crises.

Mudanças na medicação

Um surto de EM é mais provável de ocorrer quando há uma mudança no tipo ou na dose de seu medicamento. Certifique-se de entender exatamente como tomar seu medicamento. Pergunte ao seu médico se você não tiver certeza sobre quaisquer mudanças em seu plano de tratamento

Fumar

Fumar está associado a uma progressão mais rápida da EM. Se você fuma, nunca é tarde para diminuir ou parar. Peça apoio ao seu médico se você estiver pronta para parar.

Estar ciente de seus gatilhos de EM pode te ajudar a tomar medidas para evitá-los. Mas é importante lembrar que nem todos os surtos são evitáveis ​​e eles não são culpa sua.

Em conclusão

Não está claro se existe uma ligação direta entre o estresse e os surtos de EM. O estresse pode causar uma variedade de mudanças físicas e emocionais que podem afetar o modo como você se sente. Você não pode passar pela vida sem estresse, mas existem maneiras de gerenciar melhor o estresse e sua EM.

 

Fonte: Healthline

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais

Clube AME

O poder da soneca na Esclerose Múltipla

Descansar um pouco durante o dia pode ajudar a prevenir a fadiga, que é um dos principais sintomas da esclerose múltipla. Quais são os efeitos disso? Como deve ser praticado?