Novo mapeamento muda a compreensão das células imunes no cérebro

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Um novo estudo internacional mapeou um tipo de célula imune, a microglia , no cérebro de humanos e camundongos pela primeira vez. Acredita- se que Microglia desempenhe um papel na progressão da esclerose múltipla. Esta pesquisa mudou a compreensão de como estas células funcionam e tem importantes implicações para a EM.

A EM resulta de células imunológicas do sangue invadindo erroneamente o cérebro e danificando a mielina que reveste as fibras nervosas. Em um cérebro saudável, as células imunológicas geralmente não se cruzam do sangue para o cérebro, mas o cérebro tem suas próprias células imunes residentes, conhecidas como microglia .

Acredita- se que Microglia desempenhe um papel em vários distúrbios neurológicos, incluindo a EM e algumas outras condições, como a doença de Alzheimer e o derrame. Como tal, a biologia da microglia na saúde e na doença tem sido de grande interesse. Eles são conhecidos por desempenhar um papel de apoio no cérebro e também podem ser úteis após a lesão tecidular, removendo detritos. No entanto, sua ativação também pode contribuir para danos no cérebro e isso é pensado ser parte do processo que leva à progressão da incapacidade na EM.

Anteriormente, acreditava-se que havia vários subtipos diferentes de microglia , cada um com um trabalho específico. Agora, um novo estudo, publicado na prestigiosa  revista Nature  , subverte esse entendimento e mostra que existe apenas um único tipo de microglia no cérebro, mas que eles podem mudar suas características rapidamente para se adaptar à situação em que se encontram. .

Usando tecnologia de ponta, a equipe de pesquisa, liderada pelo professor Marco Prinz, da Universidade de Freiburg, na Alemanha, examinou e caracterizou as células, uma de cada vez, em ratos e tecidos humanos. Essa técnica permitiu que eles revivessem detalhes sobre as células que não haviam sido detectadas em análises anteriores, que apenas examinaram grandes grupos de microglia juntos.

Em camundongos, eles analisaram 3826 células individuais, em diferentes momentos no desenvolvimento e em várias idades no cérebro saudável. Eles mostraram que as características da microglia mudam ao longo do desenvolvimento e em diferentes regiões do cérebro.

Os cientistas também analisaram diferentes modelos de doença, incluindo um modelo de doença neurodegenerativa e outro que mimetizava a perda de mielina observada na EM. Nestes dois diferentes estados de doença, a microglia mudou de maneiras muito específicas e diferentes. A microglia também apresentou características particulares em diferentes estágios da EM, por exemplo, quando a mielina estava sendo perdida em comparação com quando ela estava sendo reconstruída.

A equipe então analisou a microglia no tecido cerebral humano. Usando a mesma análise de células individuais de 1180 células microgliais individuais, eles mostraram que a micróglia tendeu a existir em um dos quatro estados no tecido cerebral humano saudável . Os pesquisadores então examinaram 422 células individuais da microglia do cérebro de cinco pessoas com EM ativa confirmada. Eles identificaram que, além de existir microglia do estado saudável , havia também micróglia com características específicas encontradas no cérebro de quem covive com EM que não estavam presentes no cérebro saudável. Suas características sugeriram que essas células desempenham um papel na regulação da resposta imune no cérebro da EM e pareciam semelhantes aos estados microgliais observados no cérebro do camundongo durante os estágios de perda de mielina e reconstrução da mielina na EM.

Esta pesquisa é um importante passo em frente na compreensão fundamental da microglia no cérebro e na maneira como elas respondem à doença. Devido à ligação intrínseca entre a progressão da EM e a ativação da microglia no cérebro, espera-se que uma melhor compreensão das formas como a microglia funciona em diferentes fases da EM, em particular durante a perda e reparação da mielina , se traduza em novos tratamentos progressão da incapacidade.

 

Fonte: Multiple Sclerosis Research Australia

https://msra.org.au/news/immune-cells-in-the-brain/

Traduzido e Adaptado Redação AME

Explore mais

Sintomas

Fadiga: 9 dicas para você se sentir melhor

De acordo com a National Multiple Sclerosis Society (NMSS), cerca de 80 por cento das pessoas diagnosticadas com Esclerose Múltipla sentirão fadiga em algum momento