AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

ENTRE EM CONTATO [email protected]
LIGUE (11) 3181-8266

Níveis de anticorpos anti-infecção baixos no sangue de pessoas com esclerose múltipla

Níveis baixos de anticorpos anti-infecção na EM

Níveis de anticorpos anti-infecção baixos no sangue de pessoas com esclerose múltipla

Pessoas com esclerose múltipla (EM) tendem a ter baixos níveis séricos no sangue de certos anticorpos que podem proteger contra infecções, independentemente de estarem usando uma terapia direcionada à doença ou não, relata um estudo.

Esses níveis não eram tão baixos que arriscavam a infecção por conta própria, mas eram inferiores ao normal em todos os subtipos de EM e particularmente baixos em pessoas com doença progressiva secundária ( EMSP ).

” Reduzidas concentrações séricas de imunoglobulina G na esclerose múltipla: prevalência e associação com terapia modificadora da doença e curso da doença “, o estudo foi publicado na revista  Therapeutic Advances in Neurological Disorders .

Os anticorpos (também conhecidos como imunoglobulinas ou Ig) são um componente essencial do sistema imunológico que ajuda a combater a infecção. Como muitas terapias da EM funcionam diminuindo a atividade do sistema imunológico, é possível que os pacientes tratados apresentem níveis anormalmente baixos de certos tipos de anticorpos e, como resultado, se tornem mais propensos à infecção.

O estudo

Uma equipe liderada por pesquisadores do Hospital Universitário de Berna, na Universidade de Berna, Suíça, examinou a ligação entre anticorpos, terapias direcionadas e características da doença em pessoas com esclerose múltipla.

Para fazer isso, eles analisaram dados de duas coortes europeias de EM – um grupo do Hospital Universitário de Berna (Suíça) e um grupo do Hospital Universitário Eginition (Grécia) – totalizando 327 pacientes.

Eles descobriram que 15,3% dos pacientes com EM tinham níveis abaixo do normal (menos de 700 mg / dL) de um tipo de anticorpo chamado imunoglobulina G (IgG), o tipo mais comum de anticorpo que o corpo produz. Esses baixos níveis foram observados em uma porcentagem significativamente maior de pacientes com EM do que em um grupo controle de pessoas com dor de cabeça e pescoço (3,5%).

Outros tipos de anticorpos – nomeadamente IgA e IgM – tendem a ser mais baixos nos grupos de EM, mas as diferenças não foram estatisticamente significativas.

É interessante notar que baixos níveis de IgG foram encontrados mesmo em pacientes com EM que não estavam sendo tratados ativamente – cerca de 8,1% dos pacientes com EM não tratados tinham níveis de IgG abaixo do limite de 700 mg / dL. Segundo a equipe, esses pacientes “tinham 2,3 vezes mais chances de apresentar concentrações de IgG abaixo de 700 mg / dL em comparação com os pacientes controle”.

Comparativos

As pessoas com EM que estavam sendo tratadas com  rituximabe (Rituxan), corticosteróides , Tysabri (natalizumabe) e Gilenya (fingolimod) apresentaram níveis de IgG significativamente mais baixos, em média, do que aqueles que não estavam sendo tratados, o que está de acordo com o fato de que essas terapias funcionam diminuindo a atividade do sistema imunológico.

Os pesquisadores também descobriram que pessoas com EM secundária progressiva tinham níveis de IgG significativamente mais baixos (média de 750 mg / dL) do que aqueles com EM primária progressiva ( EMPP ; média de 940 mg / dL) ou EM remitente-recorrente ( EMRR ; média de 950 mg / dL). Essa diferença ocorreu mesmo quando se observava apenas os níveis séricos de pacientes não tratados com EMSP e EMPP.

“Ao considerar apenas EMRR e pacientes EMSP sem tratamento modificador da doença ( n  = 179 e n  = 8, respectivamente), a diferença significativa na concentração de IgG permaneceram presentes apesar do pequeno tamanho da amostra no grupo EMSP”, escreveram.

Conclusão

“No total, nosso estudo demonstrou altas taxas de prevalência de concentrações séricas reduzidas de IgG em pacientes com EM com e sem tratamentos modificadores da doença”, concluíram.

No entanto, “o significado de concentrações mais baixas de IgG nos níveis observados não é claro, considerando que infecções ou interferência na produção de anticorpos geralmente ocorrem quando os níveis de IgG são muito mais baixos, iguais ou inferiores a 400 mg / dl”, acrescentaram.

No entanto, os pesquisadores acreditam que o monitoramento dos níveis de IgG, particularmente em pacientes com esclerose múltipla em tratamentos direcionados ao sistema imunológico, pode ser útil para evitar níveis perigosamente baixos de anticorpos (geralmente considerados iguais ou inferiores a 400 mg / dL) que podem predispor essas pessoas a infecções.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today – Traduzido e adaptado – Redação AME: https://multiplesclerosisnewstoday.com/news-posts/2019/10/23/reduced-serum-immunoglobulin-g-concentrations-in-multiple-sclerosis-prevalence-and-association-with-disease-modifying-therapy-and-disease-course/

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS