AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

ENTRE EM CONTATO [email protected]
LIGUE (11) 3181-8266

Danos precoces em exames cerebrais e maior incapacidade em cinco anos ajudam a prever resultados de 30 anos em EM, revela estudo

Danos precoces em exames cerebrais e maior incapacidade em cinco anos ajudam a prever resultados de 30 anos em EM, revela estudo

Um estudo de 30 anos de resultados em pacientes com esclerose múltipla (EM) relata que os achados radiológicos no primeiro ano de início da doença e a quantidade de incapacidade evidente em cinco anos ajudam a prever a probabilidade de uma pessoa avançar para a EM secundária progressiva (EMSP) e sobrevida a longo prazo.

O estudo, ” O estudo clínico de observação de 30 anos da RM e esclerose múltipla e síndromes clinicamente isoladas “, foi publicado na revista Annals of Neurology .

A EM é uma doença altamente variável, com deficiência neurológica em algumas pessoas permanecendo relativamente menor por anos, enquanto em outras é rapidamente significativa.

Muitos estudos demonstraram que os fatores relacionados à EM evidentes no início do curso da doença podem prever resultados posteriores.

Pesquisadores no Reino Unido e colegas conduziram um estudo longitudinal de 30 anos para encontrar potenciais marcadores precoces que poderiam ser usados ​​para prever quais pacientes desenvolvem esclerose múltipla progressiva ou que sua vida é encurtada pela doença.

Entre 1984 e 1987, um grupo multinacional de cientistas recrutou 132 pessoas com síndrome clinicamente isolada (CIS), um episódio de sintomas neurológicos que dura pelo menos 24 horas e pode indicar um primeiro curso na doença da EM.

Essas pessoas foram acompanhadas ao longo do tempo, clínica e radiologicamente (usando imagens para detectar anormalidades) e avaliadas em vários momentos: 1, 5, 10, 14, 20 e 30 anos.

Dados sobre seus resultados clínicos foram obtidos em 120 desses pacientes aos 30 anos. Destas, 80 pessoas desenvolveram EM e 16 (20%) morreram devido à doença.

Escala de status de incapacidade expandida (EDSS), um método de quantificar a incapacidade na EM com escores mais altos de EDSS indicando maior incapacidade, estava disponível em 107 participantes, incluindo 77 posteriormente diagnosticados com EM.

Os escores do EDSS indicaram que 32 (42%) desses pacientes, todos com EM remitente-recorrente (EMRR), permaneceram totalmente ambulatoriais (EDSS igual ou inferior a 3,5) aos 30 anos. Maior incapacidade (EDSS maior que 3,5) foi evidente em três (4%) pacientes com EMRR e 26 (34%) com EMSP.

Os preditores precoces mais fortes de progressão para EMSP (a partir de EMRR) aos 30 anos foram a presença em um ano de dano inicial na região infratentorial do cérebro (que coordena movimentos voluntários como postura, equilíbrio, coordenação e fala) e em branco profundo matéria (tecido cerebral que ajuda a enviar e receber mensagens rapidamente).

Os resultados de trinta anos também poderiam, em parte, ser previstos pelos escores iniciais do EDSS. Um escore de cinco anos no EDSS igual ou superior a 2,5 foi um preditor significativo do desenvolvimento de EMSP, bem como do óbito devido a complicações relacionadas à EM grave (um EDSS de 10).

Pacientes com um EDSS de cinco anos igual ou superior a 2,5 apresentaram um risco de morte 23,6 vezes maior em 30 anos, em comparação com aqueles com escores de EDSS inferiores a 2,5.

Os resultados desta análise de três décadas de pacientes com CEI mostraram três desfechos distintos da EM ao longo do tempo: EMRR com pouca incapacidade acumulada (EDSS de 3,5 ou inferior), EMSP com mobilidade reduzida (EDSS de 4,0 ou superior) e aqueles cujas vidas foram encurtadas pela EM (todos com EMSP).

“Trinta anos após o início, em uma coorte em grande parte não tratada, houve uma divergência nos resultados da EM; algumas pessoas adquiriram incapacidades substanciais no início, enquanto outras fizeram um curso a longo prazo mais favorável ”, escreveram os pesquisadores.

“Esses resultados podem, em parte, ser previstos por achados radiológicos dentro de um ano da primeira apresentação”, acrescentaram.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today – Traduzido e adaptado – Redação AME: https://multiplesclerosisnewstoday.com/news-posts/2019/11/08/a-thirty-year-clinical-and-mri-observational-study-of-multiple-sclerosis-and-clinically-isolated-syndromes/

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS