Incontinência intestinal na EM: Por que acontece, o que fazer?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Muitas pessoas com esclerose múltipla podem sentir reduzido o controle sobre os movimentos intestinais, mas existem maneiras de recupera-lo.

A incontinência intestinal não é desconectada de outros sintomas intestinais, como constipação e urgência, de acordo com um artigo publicado em dezembro de 2018 na revista Neurological Degenerative Neuromuscular Disease. Na verdade, algumas pessoas com esclerose múltipla experimentam todos esses três problemas regularmente.

Aqui está uma visão geral de como a EM pode mudar sua função intestinal, levando à incontinência – e medidas que você pode tomar para recuperar algum controle sobre seus hábitos intestinais.

 

Como a incontinência intestinal acontece na EM

A função normal do intestino depende de uma rede de sinalização em todo o sistema nervoso central, diz Tamara Bockow Kaplan, MD, neurologista do Hospital Brigham and Women, em Boston.

“O cérebro e o intestino estão em constante comunicação. Normalmente, o intestino envia informações através da medula espinhal, que tem que chegar ao cérebro e depois voltar ao intestino”, diz o Dr. Kaplan. Seu cérebro considera não apenas as informações do seu intestino, mas também a conveniência e os sinais sociais, para determinar se é hora de evacuar.

Se esta sinalização for interrompida a qualquer momento, diz Kaplan, seu intestino pode não conseguir o aval para esvaziar em um momento conveniente e socialmente apropriado. Isso pode causar uma série de sintomas disruptivos, especialmente se você também tiver problemas relacionados à EM na área, como sensação reduzida no reto ou controle reduzido do esfíncter anal externo, o músculo circular no final do canal anal.

Mesmo que possa parecer contraditório, uma das causas mais comuns de incontinência intestinal é a constipação .

“Extrema constipação pode levar a backup de fezes” no cólon, diz Kaplan – tornando muito mais difícil controlar os movimentos intestinais quando o esfíncter anal interior finalmente se abre e o assoalho pélvico relaxa para permitir que os músculos do reto empurrem as fezes para fora.

Mas, algumas pessoas com EM, experimentam incontinência intestinal sem constipação, ou sem saber que estão constipadas – especialmente se o esfíncter anal externo não estiver funcionando bem.

Os problemas intestinais geralmente andam lado a lado com os problemas da bexiga, e não apenas porque ambos são causados ​​por uma interrupção na sinalização nervosa que afeta a mesma região do seu corpo.

“Muitas vezes, quando alguém tem uma bexiga hiperativa, eles tentam se auto-tratar, limitando sua ingestão de líquidos”, diz Kaplan. “Isso pode, por sua vez, piorar a constipação e, em alguns casos, levar à incontinência”.

 

Como obter ajuda para incontinência intestinal na EM

 Uma grande barreira para as pessoas com esclerose múltipla que recebem ajuda efetiva para problemas intestinais é que a maioria dos médicos não pergunta sobre esses problemas, diz Kaplan. Ela viu isso em um projeto de pesquisa que envolve passar pelos registros de pacientes com EM.

“Os médicos não estão trazendo isso à tona, e muitas vezes os pacientes não têm certeza de como trazê-lo”, diz ela. Os pacientes também estão “potencialmente não conscientes de que isso poderia estar relacionado à esclerose múltipla, ou o que seu neurologista faria sobre isso” se fosse relatado.

Assim, o primeiro passo para obter ajuda para problemas intestinais é dizer ao neurologista ou ao médico da atenção primária o que está acontecendo. “Obter uma imagem precisa dos sintomas é realmente importante”, diz Kaplan. “Muitas vezes baseamos muito a nossa gestão no que os pacientes relatam.”

Seu médico pode pedir que você mantenha um diário dos seus sintomas intestinais, junto com o que está comendo e bebendo, e outros comportamentos potencialmente relevantes. Padrões relacionados ao que você come ou bebe podem surgir, e seu médico também terá uma visão geral da sua dieta.

 

Como a dieta e a medicação podem contribuir para problemas intestinais

“Eu não acho que as pessoas percebem que a comida que comemos e o que podemos beber pode realmente fazer a diferença” nos sintomas intestinais, diz Rachael Stacom , enfermeira e vice-presidente sênior de saúde da população do Independence Care System, em Nova York. .

Não consumir fibras ou fluidos suficientes pode contribuir para a constipação, enquanto o consumo de alimentos condimentados, produtos lácteos, cafeína e adoçantes artificiais podem levar a problemas com a urgência intestinal.

Em casos mais difíceis, pode ajudar seguir uma dieta muito restrita para ver quais alimentos podem ser problemáticos, diz a Stacom. Então, “teremos pessoas introduzindo lentamente alimentos para ver se isso agrava seu estômago”.

Outro potencial contribuinte para a constipação e a urgência é o tipo de medicação que você toma. Alguns podem ter um efeito estimulante ou incomodar seu estômago, levando a contrações intestinais. Outros podem retardar sua digestão, levando à constipação – e, possivelmente, um maior risco de incontinência.

Ajustar as doses de medicamentos pode ser difícil, especialmente se eles estiverem trabalhando para o propósito pretendido. Mas “às vezes há algumas coisas fáceis que podemos fazer, como ajustar a dieta e um horário de banho” para responder aos efeitos da medicação, diz Kaplan.

 

Intervenções médicas para incontinência intestinal em EM

Certos medicamentos podem ser úteis para controlar a constipação e a incontinência intestinal, muitas vezes em combinação com uma rotina de treinamento intestinal. “Às vezes, a chave é colocar essas necessidades em um horário regular”, diz Kaplan.

Existem algumas medidas medicamentosas que podem auxiliar e,o ponto de partida para qualquer tratamento é conversar com seu médico. “Estes são problemas muito comuns que muitas pessoas estão enfrentando”, diz Kaplan. Mas “se os médicos não trazem esses sintomas, os pacientes precisam ser corajosos o suficiente para dizer: ‘Estou tendo um problema’”.

 

Fonte: EveryDay Health

Traduzido e adaptado – Redação AME

http://bit.ly/2YQKzBp

Explore mais

Sintomas

Fadiga: 9 dicas para você se sentir melhor

De acordo com a National Multiple Sclerosis Society (NMSS), cerca de 80 por cento das pessoas diagnosticadas com Esclerose Múltipla sentirão fadiga em algum momento