Espasticidade Muscular na EM: O que é e o que fazer?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

A espasticidade relacionada à EM pode variar de rigidez leve a espasmos musculares dolorosos. O alongamento é uma das melhores maneiras de gerenciá-lo.

Mary Ellen Ciganovich ficou muito familiarizada com a espasticidade muscular em seus mais de 30 anos de vida com esclerose múltipla (EM).

A professora de saúde e espiritualidade holística tenta praticar exercícios físicos – principalmente Yoga e exercícios leves na academia – todos os dias para ajudar a controlar seus sintomas.

Ainda assim, ela diz: “Você nunca sabe como vai ser o seu dia. Alguns dias, eu acordo e me sinto ótima e mal posso esperar para chegar ao ginásio. Depois, há outros dias em que caio assim que saio da cama, seja por causa da dor, seja porque não tenho força nas pernas.

 

Os sintomas de fraqueza muscular e dor

As experiências de Ciganovich podem ser atribuídas a um dos  sintomas marcantes da esclerose múltipla : espasticidade.

 

O que é espasticidade?

A definição de espasticidade se assemelha a uma descrição de um livro de medicina, mas a  Sociedade Nacional de Esclerose Múltipla (NMSS) chama de  “sensação de rigidez”, bem como “espasmos musculares involuntários” ou “contrações musculares sustentadas ou movimentos súbitos”.

Esses sintomas podem ser tão leves quanto a rigidez muscular simples, mas podem se tornar graves o suficiente para produzir espasmos musculares dolorosos, além de dor e rigidez nas articulações.

Estima-se que a espasticidade pode afetar de 30 a 80% das pessoas com esclerose múltipla . Na maioria das vezes, afeta as pernas daqueles com esclerose múltipla, muitas vezes produzindo problemas com equilíbrio e força.

Ainda assim, o grau de espasticidade, os músculos envolvidos e as deficiências resultantes variam de pessoa para pessoa, de acordo com  Alexius Enrique G. Sandoval, MD , diretor médico do Programa de Reabilitação da Esclerose Múltipla da Johns Hopkins Medicine, em Baltimore.

 

Efeitos e tipos de espasticidade

A espasticidade geralmente se desenvolve à medida que a EM progride, portanto, não é necessariamente um sinal precoce da condição. Aqueles que têm um diagnóstico de EM, Sandoval diz, devem notificar sua equipe de atendimento quando começarem a sentir os sintomas da espasticidade – como rigidez muscular e dor – antes que ela comece a interferir em suas atividades.

Os dois tipos mais comuns de espasticidade na EM são espasticidade flexora e espasticidade extensora, de acordo com o NMSS.

A espasticidade dos flexores pode envolver os isquiotibiais, que são os músculos das costas da parte superior das pernas, ou os flexores do quadril, que são os músculos da parte superior das coxas.

Pessoas com espasticidade flexora podem notar que seus quadris e joelhos parecem presos em uma posição curvada e são difíceis de endireitar.

A espasticidade extensora , por outro lado, pode afetar os músculos das frentes (quadríceps) e internos (adutores) da parte superior das pernas, forçando efetivamente os quadris e os joelhos a permanecerem retos, com “as pernas muito próximas ou cruzadas no tornozelos ”, diz o NMSS.

 

Gerenciando Espasticidade

Várias medidas podem ser tomadas para abordar a espasticidade e limitar seus efeitos debilitantes.

De fato, o NMSS observa que é importante tratar a espasticidade proativamente para evitar certas complicações, como contraturas (juntas congeladas ou inabaláveis) e  úlceras de pressão , nas quais a pele fica irritada, sensível e até danificada depois que as extremidades são deixadas na mesma posição por muito tempo.

 

Alongamento

De acordo com Sandoval, um  regime de alongamento regular de seus braços e pernas é provavelmente o tratamento mais importante para a espasticidade.

“Em casos de espasticidade leve, isso pode ser tudo o que você precisa”, diz ele. Mas se a espasticidade ou outros sintomas dificultam o alongamento de seus músculos, ele recomenda trabalhar com um fisioterapeuta ou com um profissional de saúde.

“Seu cônjuge ou um membro da família também pode ajudar”, observa ele.

Para Ciganovich, exercitar-se e alongar-se a cada dia manteve sua espasticidade sob controle.

“Há muitos dias em que não sinto vontade de ir à academia, mas eu me esforço”, diz ela. “Eu sempre me sinto melhor quando faço alongamentos e exercícios, e mesmo nos piores dias, meus sintomas de esclerose múltipla praticamente desaparecem.”

Existem algumas medidas medicamentosas que podem ajudar a manejar a espasticidade. Nesse caso, o indicado é que procure um profissional para que ele possa prescrever o melhor para o seu caso.

 

Fonte: EveryDay Health

http://bit.ly/2KwDg9j

Traduzido e adaptado – Redação AME

Explore mais

Sintomas

Fadiga: 9 dicas para você se sentir melhor

De acordo com a National Multiple Sclerosis Society (NMSS), cerca de 80 por cento das pessoas diagnosticadas com Esclerose Múltipla sentirão fadiga em algum momento