AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Estamos chegando perto de uma cura para a esclerose múltipla?

Estamos chegando perto de uma cura para a esclerose múltipla?

Uma nova pesquisa sugere que este avanço poderia estar próximo

Mais de 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo têm esclerose múltipla (EM), uma doença que interrompe o circuito entre o cérebro e o corpo. Ela geralmente atinge adultos jovens.

No momento, a doença pode ser gerenciada, mas não curada. Os tratamentos atuais para EM podem reduzir novos danos ao cérebro, mas a pessoa permanece com os danos que a doença já causou.

Inverter o dano pode significar a cura, ou algo próximo a isso. É o Santo Graal dos pesquisadores de EM e pode ser mais um passo para a descoberta.

Ensaios clínicos de Fase I de um novo medicamento apenas ter sido concluída em seres humanos, demonstrando que uma nova droga, chamada de anti-LINGI-1, é segura e não tem efeitos colaterais graves. Mais importante, o teste feito até agora sugere que pode reverter os danos nos nervos causados ​​pela EM.

Danos aos nervos

Quando alguém tem EM, o sistema imunológico do corpo começa a atacar a mielina, uma substância que forma o corpo de isolamento em torno dos nervos do sistema nervoso central.

Quando este isolamento é danificado, de modo que são os nervos, o que torna mais difícil para eles enviarem mensagens para e a partir do cérebro e da medula espinhal.

Estudos com animais mostraram que os anticorpos anti-LINGO-1, também chamados BIIB033, podes ser capazes de inverter a desmielinização dos nervos. Funciona através do bloqueio da LINGO-1, uma proteína do sistema nervoso central que impede a mielinização.

Os ensaios de Fase I mostraram que a droga é segura para seres humanos. Isso é um grande passo em frente, mas há ainda maior espera nos ensaios de Fase II. Os pesquisadores agora têm que ver se eles podem alcançar os mesmos resultados positivos que tenho com animais em seres humanos.

"Com esses resultados, temos sido capazes de iniciar estudos de fase II para ver se a droga realmente pode reparar a mielina perdida em seres humanos e têm qualquer efeito para restaurar a função física e cognitiva e melhorar a deficiência", disse o autor do estudo, Diego Cadavid, MD, de Biogen Idec em Cambridge, Mass., que desenvolveu a droga.

Outra pesquisa promissora

Mas o anti-LINGO-1 não é o único tratamento promissor no desenvolvimento. Em uma conferência em maio, pesquisadores de EM apresentaram vários estudos que lhes dão esperança.

Dois estudos sugeriram que a IRX4204 composto pode reduzir as respostas do sistema imunológico e promover a reparação da mielina. Os pesquisadores disseram que, se esses estudos de laboratório em estágio inicial realizam-se em novas pesquisas, este tem o potencial de ambos parar respostas imunes que levam a danos no sistema nervoso e também reparar o que foi perdido.

Há também uma série de estudos com células-tronco promissoras que visam o tratamento de esclerose múltipla progressiva.

Um estudo de Harvard está investigando como uma dieta rica em sal ou bactérias intestinais podem contribuir para causar EM ou torna-la progressivamente pior.

Um projeto de reparação do sistema nervoso inovador na França está analisando o potencial do uso de células-tronco adultas da própria pessoa como “peças de reposição” para reparação do cérebro.

E a Universidade de Washington estuda o bem-estar, analisando como as mudanças na qualidade de vida influenciam a progressão da doença.

Todas estas pesquisa vem construindo sobre o investimento de milhões de dólares ao longo dos anos na busca de uma cura para a EM.

No início deste ano, a Sociedade Nacional de MS cometeu um adicional de US $ 29 milhões para apoiar uma expectativa de 83 novos projetos de pesquisa de EM. O objetivo, de acordo com a sociedade, é parar a EM, recuperando as funções que foram perdido por consequência da doença, e acabar com a doença de vez.

"A amplitude desses novos investimentos em pesquisa é muito emocionante", disse Timothy Coetzee, chefe de advocacia, os serviços da MS Sociedade Nacional e Diretor de Pesquisa. "Enquanto nós estamos dirigindo pesquisa para parar a EM, restaurar a função e acabar com a doença para sempre, ao mesmo tempo que estamos identificando as principais intervenções e soluções que podem ajudar as pessoas com EM a viverem suas vidas melhores agora mesmo."

 

ConsumerAffairs. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

5 Comentários

  1. Fabio 5 meses atrás 20 de maio de 2018

    Já se fazem 14 anos,essa notícia,e eu não ando,não consigo me alimentar,dores insuportáveis,não enxergo bem,no banheiro o número 1 e 2 não tenho mais controle, estou me tornando um vegetal

    RESPONDER
    • ame 5 meses atrás 23 de maio de 2018

      Oi, Fabio.

      #JuntosSomosMaisFortes, não desanime. A caminhada é longa e angustiante, mas vamos caminhando juntos.

      Forte abraço.

      RESPONDER
    • Sandra 4 meses atrás 26 de junho de 2018

      Olha amigo vamos.comfiar em. Deus está doença e pior do que cancer

      RESPONDER
  2. Célia de Lima Viana 3 meses atrás 24 de julho de 2018

    Estou postando aqui minha experiência com uma doença grave, câncer linfático paara lançar um raio de esperança para quem tem câncer ou EM. Fui diagnosticada com câncer há mis de dois anos. Meu câncer era não hodinkin. Emagreci quinze quilos e perdi completamente meu apetite até que desmaiei na cozinha e fui levada ao hospital. Eu tinha 69 anos e tinha sofrido um infarto agudo do miocárdio há cerca de 8 anos quando fui submetida a uma cirurgia cardíaca de 7 horas da qual me recuperei em menos de um ano. No hospital comecei a tomar químio (fiz seis ao todo) e meu estado parecia se estabilizar. Nsexta químio a oncologista me informou que minha imunidade tinha caído muito e por isso suspendeu a químio. Fiquei muito preocuopada pois a possibilidade de ir a óbito era certa. Fiz oração a Nossa Senhora Aparecida pois sou católica e pedi a ela que falasse com seu filho Jesus para não me levar nummomento em qu cuido de uma neta que não tem pai nm mãe. Em resumo, lembrei de um fortificante que minha mãe me fazia tomar quando tinha 8 anos de idade. Era oa emulsão de óleo de fígado de bacalhau. Ela me contou sobre um homem que teve tuberculose hemorrágica e recebeu a sentença de morte pelo médico: seis meses de vida. Ele sumiu do consultório e o médico achou que ele tinha morrido. Um ano depois, ele voltou bem disposto e perguntou se o médico se lembrava dele. O médico disse qued ele não lhe era estranho. Então o homem disse: Sou aquele que o senhor disse que ia morrer em seis meses. Surpreso, o médico falou que ele estava bem e quis saber o que le tinha feito. O homem respondeu que tinha tomado vários vidros do óleo de fígado de bacalhau. Achei que o produto não fosse mais fabricado. Mesmo assim fui procurar e encontrei com sabor laranja. Comecei a tomar uma colher de sobremesa por dia dez dias antes do retorno à oncologista. Quando fiz os exames de sangu, a médica ficou surpresa com minha condição de saúde. Ela afirmou que minhas plaquetas tinham subido, ou seja minha imunidade estava normal. Continuei a tomar a medicação que ela prescrevera e em 24 de outubro de 2016, ela me deu alta eme garantiu que eu estava curada. Já faz um ano e meio que não tive mais nenhum sintoma da doença tendo feito 3 retornos à médica. Agradeço de coração a toda assistência que recebi dela e do hospital, mas atribuo a minha cura ao fortificante que tomei e á minha fé em Deus e Nossa Senhora.

    RESPONDER
    • ame 3 meses atrás 1 de agosto de 2018

      Obrigada por compartilhar sua história com a gente, Célia 😉

      RESPONDER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *