Esclerose Múltipla em Homens

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica do sistema nervoso central. Na EM, as mensagens entre o cérebro e o resto do corpo são interrompidas, causando uma grande variedade de sintomas.

Em 2020, pesquisadores estimaram que 2,8 milhões de pessoas em todo o mundo viviam com EM. No geral, as mulheres têm duas vezes mais probabilidade de ter EM do que os homens, e a proporção de mulheres para homens chega a 4 para 1 em alguns países.

Saiba como a EM em homens difere da EM em mulheres e por que é importante buscar um diagnóstico e tratamento precoce.

O que causa esclerose múltipla em homens?

Não está claro exatamente o que causa a esclerose múltipla. Sabemos que envolve uma resposta imunológica anormal na qual o sistema imunológico ataca a mielina no sistema nervoso central. O que leva a esse processo não é totalmente compreendido.

De acordo com a National MS Society (NMSS), o desenvolvimento de EM pode envolver uma combinação de fatores de risco, tais como:

Geografia e vitamina D. A EM ocorre com mais frequência em populações que estão mais distantes do equador. A Research Trusted Source sugere que a maior exposição ao sol está associada a um menor risco de EM. Como podem receber menos sol, as pessoas que vivem mais longe do equador também podem receber menos vitamina D, que supostamente apoia o sistema imunológico.

Fumar. Fumar está associado a um maior risco de desenvolver EM, bem como à gravidade e progressão da doença;

Obesidade. A Research Trusted Source sugere que ter obesidade na infância ou adolescência pode estar envolvido na suscetibilidade à EM, e a relação pode ser causal;

Infecção. Os pesquisadores estudaram e continuam a estudar o papel potencial de várias bactérias e vírus, incluindo o vírus Epstein-Barr (EBV), no desenvolvimento da EM;

Genética. EM não é um distúrbio hereditário, mas a predisposição genética para desenvolvê-lo pode ser. Na verdade, os pesquisadores identificaram mais de 230 genes de fontes confiáveis ​​que podem contribuir para o risco de EM.

A NMSS também adverte que algumas teorias sobre a causa da EM ainda não foram comprovadas. Esses incluem:

– alergias ambientais;

– exposição a animais domésticos;

– exposição a metais pesados, como mercúrio (incluindo obturações dentárias de amálgama de mercúrio), chumbo ou manganês;

– solventes orgânicos (químicos).

Quais são os sintomas da esclerose múltipla em homens?

A EM é diferente para cada pessoa e a gama de sintomas é ampla. Alguns sintomas de são:

– visão dupla, neurite óptica;

– vertigem;

– falta de força nos membros;

– sensações de agulhas e alfinetes ou outras sensações estranhas (disestesia);

– espasticidade muscular;

– problemas de equilíbrio, coordenação e marcha;

– problemas cognitivos;

– fadiga;

– problemas de intestino e bexiga.

Quando os sintomas reaparecem, é chamada de recaída. As recaídas podem durar de alguns dias a várias semanas. As remissões podem durar de algumas semanas a muitos anos.

Os homens têm maior probabilidade de serem diagnosticados com EM progressiva preliminar

Não está claro o porquê, mas os homens têm maior probabilidade de serem diagnosticados com EM progressiva preliminar (EMPP). Este tipo de EM é caracterizado por uma falta de remissões e sintomas que não melhoram.

A Research Trusted Source sugere que os homens têm mais probabilidade do que as mulheres de experimentar:

– aumento da progressão da doença

– atrofia cerebral

– deficiência cognitiva

Os homens também são mais propensos a ter:

– lesões T1

– atrofia da massa cinzenta

– afinamento da camada de fibra nervosa da retina

– maior perda de axônios da medula espinhal

Homens com EM têm maiores taxas de hipogonadismo

Uma pesquisa de 2014 da Trust Source sugere que homens com EM podem ter taxas mais altas de hipogonadismo, o que pode estar associado à progressão da doença. E a pesquisa de 2015 da Trust Source sugere que os andrógenos pré-natais podem afetar o risco de EM em homens. Mais pesquisas são necessárias para verificar e compreender essas conexões.

Como a esclerose múltipla em homens é tratada?

O tratamento para a EM é igual para todos os sexos. Não há cura, mas existem tratamentos para controlar a doença, aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Remédios para a doença

Existem pelo menos 18 medicamentos destinados a reduzir a atividade da doença. Essas terapias modificadoras da doença incluem:

– medicamentos orais

– injetáveis, como interferon beta e acetato de glatirâmer

– tratamentos com anticorpos monoclonais que são infundidos ou administrados por injeção

A maioria dos medicamentos modificadores da doença são aprovados para tratar formas recorrentes de EM. Tratar EMPP pode ser desafiador. Ocrelizumab (Ocrevus) é a única terapia modificadora da doença especificamente aprovada para tratar EMPP.

Remédios para recaídas

O tratamento para uma recaída pode reduzir os efeitos duradouros e promover uma recuperação mais rápida.

– corticosteróides

– plasmaférese ou imunoglobulinas IV (IVIG)

Medicamentos para sintomas e complicações

O tratamento dos sintomas pode ajudar a melhorar a qualidade de vida. Seu médico pode prescrever medicamentos para ajudar a tratar:

– espasmos musculares

– fadiga

– disestesia (sensação dolorosa de queimação, formigamento ou dor)

– dor

– problemas de bexiga

– constipação

– disfunção sexual

– depressão, ansiedade

Práticas Complementares

Algumas práticas não medicamentosas que podem ajudar a melhorar os sintomas incluem:

– aconselhamento psicológico

– fisioterapia

– ioga

reflexologia

– massagem

– meditação

– acupuntura

Nem todos responderão a essas terapias. Converse com seu médico para um encaminhamento para serviços complementares que podem ajudar em seus sintomas.

 

Revisado clinicamente por Heidi Moawad, M.D. – Escrito por Ann Pietrangelo em 27 de outubro de 2021

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Healthline

Explore mais