Dor, fadiga, ansiedade são sintomas comuns no primeiro ano após o diagnóstico de CIS/EM

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

De acordo com estudo norte-americano, é comum que as pessoas com EM ou CIS tenham uma experiência simultânea de vários sintomas na EM inicial

 

Pessoas recentemente diagnosticadas com síndrome clinicamente isolada (CIS) ou Esclerose Múltipla (EM) frequentemente experimentam dor, fadiga, depressão e ansiedade no primeiro ano após o diagnóstico, descobriu um novo estudo.

A fadiga foi relatada por quase dois terços das pessoas e metade sentiu dor. Muitos indivíduos experimentaram vários sintomas simultaneamente, mostrou uma análise.

“Os meses após o diagnóstico de EM são muitas vezes um período estressante de incerteza e mudança”, disse Thomas Valentine, o principal autor do estudo, em um comunicado à imprensa.

“Nossas descobertas destacam a importância da avaliação precoce e de rotina dos sintomas das pessoas diagnosticadas, para que as pessoas que podem se beneficiar do tratamento possam ser identificadas e receber os cuidados adequados”, disse Valentine.

O estudo, “Prevalência, coocorrência e trajetórias de dor, fadiga, depressão e ansiedade no ano seguinte ao diagnóstico de Esclerose Múltipla”, foi publicado no Multiple Sclerosis Journal.

Como muitas condições, a EM afeta pessoas de maneira diferente. Algumas pessoas experimentam recaídas ou períodos em que um ou mais sintomas aparecem ou pioram, seguidos por períodos de recuperação parcial ou completa. Outras, ao contrário, apresentam sintomas que pioram progressivamente com ou sem surtos.

Dor, fadiga, depressão e ansiedade são sintomas comuns em pessoas com EM. No entanto, a coocorrência desses sintomas não é clara, assim como sua evolução no ano seguinte ao diagnóstico.

Para saber mais, uma equipe de pesquisadores da Michigan Medicine – University of Michigan nos EUA avaliou questionários autopreenchidos por 230 adultos com CIS ou EM. Os questionários perguntaram sobre os sintomas da condição um, dois, três, seis e nove meses após o diagnóstico e na marca de um ano.

Os resultados mostraram que 50,9% dos entrevistados sentiram dor e 62,6% fadiga. Os sintomas de saúde mental foram apenas ligeiramente menos comuns, com 47,4% relatando depressão e 38,7% experimentando ansiedade.

Notavelmente, muitas pessoas experimentaram vários sintomas simultaneamente – 21,3% apresentaram dois sintomas, enquanto 19,1% relataram três e 17,4% relataram quatro sintomas.

“Esses resultados mostram a necessidade de uma triagem abrangente”, disse Valentine, pesquisador de reabilitação de EM na Michigan Medicine. Um sintoma pode causar ou agravar outros sintomas: a fadiga, em particular, tende a se agrupar com dor, depressão e ansiedade.”

Essas descobertas podem orientar as visitas clínicas e ser usadas para determinar o atendimento à pessoa com EM, disse Valentine.

“Se, por exemplo, uma pessoa relata fadiga significativa, ela também deve ser questionada se está sentindo dor e outros sintomas”, disse ele. Os pesquisadores observaram que o gerenciamento direcionado dos sintomas também é fundamental para melhorar a qualidade de vida”.

Não há cura para a EM. Em vez disso, seu manejo depende de terapias modificadoras da doença que visam prevenir ou reduzir os surtos.

No entanto, abordagens de tratamento personalizadas que consideram os sintomas individuais podem ser mais benéficas, disseram os pesquisadores, com base nas descobertas deste estudo.

Grupos de sintomas observados em muitas pessoas no primeiro ano após o diagnóstico de EM podem parecer desafiadores, mas também podem apresentar a oportunidade de identificar tratamentos que abordam vários sintomas de uma vez”, disse Anna Kratz, coautora do estudo e professora associada de medicina física e reabilitação na Michigan Medicine.

“Por exemplo, os antidepressivos podem ajudar tanto no humor quanto nos sintomas somáticos. Quando os médicos veem esses grupos de sintomas, eles devem pensar nas opções que o tratamento de reabilitação interdisciplinar pode oferecer para tratar vários sintomas de uma vez”, acrescentou Kratz.

Estudos recentes descobriram que dietas especiais ou multivitaminas podem ajudar a aliviar os sintomas, especificamente aqueles relacionados à fadiga.

Depois de estudar como os sintomas dos participantes mudaram durante o período de um ano após o diagnóstico, os pesquisadores descobriram que, embora algumas pessoas com sintomas graves permanecessem estáveis, o desenvolvimento dos sintomas e as taxas de recuperação variaram entre as pessoas.

Alguns indivíduos que não sentiram dor ou cansaço no primeiro mês após o diagnóstico relataram posteriormente, enquanto outros que experimentaram depressão ou ansiedade no início não as relataram depois. Essas mudanças foram muito modestas, sugerindo que aumentos dramáticos nos sintomas são improváveis ​​no primeiro ano após o diagnóstico para aqueles pacientes para os quais a EM apresenta uma carga leve de sintomas.

No geral, a equipe concluiu que dor, fadiga, depressão e ansiedade são prevalentes na EM recém-diagnosticada e sugeriu que “rastreio imediato e intervenções baseadas em evidências são necessárias para otimizar a qualidade de vida”.

A equipe observou que estudos futuros devem examinar as ligações entre mudanças progressivas na gravidade dos sintomas, atividade da EM, deficiência e tratamento, pois isso pode ajudar a otimizar a determinação de terapias e estratégias de prevenção de sintomas para pessoas com EM inicial.

“Encontrar os fatores que predizem o agrupamento de sintomas, estabilidade e mudança ajudará os profissionais de saúde a combinar os programas de prevenção e tratamento com as pessoas com EM”, disse Valentine.

“Temos muitos tratamentos eficazes, mas mais pesquisas são necessárias para otimizar essas ferramentas para pessoas com EM. Isso é particularmente verdadeiro para as pessoas logo no início do diagnóstico, que pode ser o momento ideal para iniciar estratégias de prevenção de sintomas”, concluiu Valentine.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais

Clube AME

O poder da soneca na Esclerose Múltipla

Descansar um pouco durante o dia pode ajudar a prevenir a fadiga, que é um dos principais sintomas da esclerose múltipla. Quais são os efeitos disso? Como deve ser praticado?