A síndrome das pernas inquietas é mais comum em pessoas com EM com maior deficiência e lesões na coluna vertebral

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Estudo mostrou que a proporção de pessoas com Esclerose Múltipla que relataram a síndrome de pernas inquietas é sete vezes maior do que na população geral

 

A síndrome das pernas inquietas, nome dado ao considerável desconforto que as pessoas sentem em seus membros inferiores, acompanhada por uma necessidade irresistível de movê-los, afeta com mais frequência pessoas com Esclerose Múltipla (EM) do que a população em geral, e afeta significativamente a qualidade do sono, um estudo caso-controle mostra.

Embora o tipo de tratamento de EM usado não tenha sido associado à presença desta síndrome, foi descoberto que ela é mais provável em pacientes com maior deficiência física e lesões na coluna vertebral.

O estudo “Síndrome das Pernas Inquietas na Esclerose Múltipla: fatores de risco e efeito na qualidade do sono – um estudo caso-controle” foi publicado na revista Multiple Sclerosis and Related Disorders.

Problemas de sono, que podem afetar a qualidade de vida, gravidade da condição e surtos, são comuns em pessoas com EM. Embora as causas precisas de perturbações do sono e do aumento da fadiga não sejam devidamente esclarecidas, os cientistas acreditam que a síndrome das pernas inquietas – que normalmente é sentida quando em repouso e à noite – pode desempenhar um papel importante.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Médica de Viena investigou a prevalência da síndrome em pessoas com EM em tratamento na instituição, em comparação com pessoas sem a condição servindo como grupo de controle. A equipe também avaliou os fatores de risco da EM e avaliou a influência das terapias modificadoras da doença (TMDs) na síndrome das pernas inquietas.

Um total de 117 pessoas com EM (idade média de 36,3 anos, 67,5% sendo mulheres) foram recrutadas na Clínica de EM do Departamento de Neurologia entre outubro de 2014 e dezembro de 2019, e 118 indivíduos controle (idade média de 30,9 anos, 73,1% mulheres), todos funcionários ou parentes de trabalhadores da universidade de Viena, também participaram do estudo.

As pessoas com EM tiveram uma duração mediana da doença de 7,3 anos, e a maioria (89,8%) apresentou EM remitente-recorrente, seguida por EM progressiva primária (6,8%) e EM progressiva secundária (3,4%). Sua pontuação média na Escala Expandida do Status de Incapacidade (EDSS) foi 1,5, indicando que não havia deficiência evidente, mas sintomas que afetam as habilidades funcionais; suas pontuações variavam de 0 a 7, de “normal” a dependente de cadeira de rodas.

Os participantes foram convidados a preencher uma série de questionários, incluindo a Escala Internacional de Avaliação da Síndrome das Pernas Inquietas (IRLSSG, na sigla em inglês), cujas 10 questões avaliam a gravidade da síndrome; o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI), que analisa a qualidade e os hábitos do sono no mês anterior; e a Escala de Sonolência de Epworth (ESS), que avalia a probabilidade de sonolência diurna.

No geral, cerca de um quarto das pessoas com EM relataram síndrome das pernas inquietas (23,9%), proporção sete vezes maior do que a observada no grupo controle (3,4%). Sua intensidade foi classificada como leve para a maioria (79%) dessas pessoas.

A sonolência diurna excessiva e a má qualidade de vida não foram mais comuns em pessoas com EM do que em controles, observou a equipe. Mas as pontuações para esses dois fatores foram maiores e significativamente mais comuns em pessoas com EM com síndrome das pernas inquietas do que em pessoas sem ela – 78,6% contra 21,3% para sono prejudicado; e 32,1% vs. 15,7% para sonolência diurna excessiva.

Pessoas com a síndrome também apresentaram mais deficiência, conforme refletido em pontuações do EDSS mais altas e maior frequência de lesões espinhais em exames de ressonância magnética.

As análises estatísticas também demonstraram que pontuações EDSS mais altas (maior deficiência) e a presença de lesões de ressonância magnética foram fatores de risco para a síndrome das pernas inquietas em pessoas com EM. Mas a escolha da TMD não teve impacto na gravidade da síndrome das pernas inquietas, na sonolência diurna ou na qualidade do sono.

Entre as limitações das descobertas do estudo, escreveram os pesquisadores, estão os dados obtidos de um único hospital e um tamanho de amostra relativamente pequeno, e a falta de correspondência de idade entre pessoas com EM e controles. Os participantes neste estudo também eram mais jovens, com níveis de deficiência da doença relativamente leves, conforme observado nas pontuações do EDSS.

“Isso pode explicar a alta taxa de síndrome das pernas inquietas leve em nossa população de estudo, enquanto uma taxa mais alta de síndrome das pernas inquietas moderada a grave é provavelmente encontrada em EM mais avançada”, escreveram eles, acrescentando que a pesquisa indica a prevalência da síndrome dobra a cada 20 anos, com pico por volta dos 65 anos de idade nas pessoas com EM.

“A síndrome das pernas inquietas deve ser levada em consideração ao lidar com pessoas com Esclerose Múltipla para evitar o diagnóstico tardio, o diagnóstico incorreto e o tratamento tardio de ambos, EM e síndrome das pernas inquietas, impedindo assim a melhoria da qualidade de vida. Além disso, a síndrome das pernas inquietas deve ser considerada em cada paciente com EM que se queixa de fadiga crônica para garantir a melhor terapia sintomática disponível”, concluíram os pesquisadores.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais

Clube AME

Desestressando o estresse

Como Identificar e Gerenciar a Tensão que a Esclerose Múltipla Pode Causar