AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Convulsões e Esclerose Múltipla

Convulsões e Esclerose Múltipla

Ter um diagnóstico neurológico é bastante difícil. Adicione um segundo e você certamente sentirá que seu corpo não é seu. As pessoas que vivem com epilepsia podem enfrentar perda de consciência e movimentos involuntários que podem resultar em lesões significativas na cabeça e no corpo.

A esclerose múltipla (EM) leva a vários sintomas neurológicos e, eventualmente, a incapacidade física e deficiências cognitivas, causando inflamação (lesões) e degeneração (quebra) no cérebro e medula espinhal ao longo do tempo. Combine essas duas doenças e você terá um corpo bastante imprevisível.

Quão comum é a epilepsia entre pessoas que vivem com esclerose múltipla?

Felizmente, a prevalência de epilepsia na EM não é muito maior do que na população geral. Enquanto cerca de 1,2% das pessoas em os EUA vivem com epilepsia , a prevalência estimada de epilepsia em pessoas com esclerose múltipla é de cerca de 2% a 5%, portanto, apenas um pouco mais.

Por que convulsões são um pouco mais comuns em pessoas com esclerose múltipla?

As convulsões podem ser ligeiramente mais comuns em pessoas com esclerose múltipla do que na população em geral, devido à forma como a EM afeta o cérebro. Sabemos agora que a EM danifica várias partes do cérebro (a matéria do cérebro branco, a substância cinzenta e o córtex), o que pode levar a interrupções na transmissão do sinal.

O tecido cicatricial (“esclerose”) de uma lesão de EM cria uma barreira física para a transmissão de sinais nervosos por um caminho. Pode ser pensado como padrões de tráfego em uma cidade urbana movimentada: se os cones de construção estão bloqueando uma saída da rodovia, a rota normal é interrompida e o fluxo deve ser redirecionado por um desvio. Crie barreiras suficientes e você terá uma grande desordem, aumentando o risco de colisões de veículos.

Quais tipos de convulsões geralmente ocorrem na EM?

Muitos tipos de crises podem ocorrer na EM:

  • Crises focais ou parciais (aquelas que surgem de uma área ou foco do cérebro)
  • Crises focais que generalizam para ambos os lados do cérebro e causam perda de consciência
  • Convulsões generalizadas desde o início

As convulsões focais são o tipo mais comum na EM, representando quase 70% das convulsões.

Quais tratamentos são usados ​​para epilepsia e EM?

As pessoas que vivem com epilepsia e EM podem se beneficiar de tratamentos direcionados a ambos. Por exemplo, a carbamazepina e a gabapentina são dois medicamentos anticonvulsivos que também podem ajudar a tratar a inflamação nervosa dolorosa na face e nos membros que ocorre na EM. No entanto, alguns tratamentos que beneficiam pessoas com esclerose múltipla podem, na verdade, aumentar o risco de convulsões – incluindo interferonas, baclofeno e aminopiridinas. O uso desses medicamentos deve ser avaliado caso a caso. Trabalhe com seu médico em um plano de tratamento que é certo para você.

Quando não é uma convulsão

Mas nem todo movimento involuntário é uma convulsão. Isto é especialmente verdade no curso da EM. Na EM, lesões no cérebro e na medula espinhal podem causar movimentos involuntários que se parecem com convulsões . Isso pode ser confuso para alguém que nunca viu uma convulsão antes, pois não tem certeza se de alguma forma desenvolveu uma síndrome de epilepsia . Estes ataques imitadores são chamados de atividade semilepiléptica e podem ser tão debilitantes quanto as crises reais, já que a pessoa não tem controle sobre esses movimentos repentinos do corpo.

As pessoas que vivem com esclerose múltipla podem infelizmente estar acostumadas a ter sintomas transitórios e repentinos como resultado de sua esclerose múltipla. Exemplos incluem:

  • Fenômeno de Uhtoff: temperatura corporal elevada causando recorrência de sintomas antigos de esclerose múltipla, como visão embaçada
  • Neuralgia do trigêmeo: ataques súbitos de dor intensa no nervo facial
  • O sinal de Lhermitte: a sensação de um doloroso choque elétrico percorrendo a espinha quando o pescoço é dobrado para a frente

A atividade semelhante à convulsão não epiléptica também ocorre repentina e involuntariamente, assim como esses outros sintomas.

Exemplos de atividade semelhante a crises não epilépticas podem incluir:

  • Espasmos tônicos : aumento súbito do tônus ​​no músculo que pode resultar de lesões de EM nos tratos motores do sistema nervoso central. Isso pode causar contração muscular sustentada, como um braço involuntariamente esticado e rígido por um curto período de tempo.
  • Coledetose : movimentos involuntários de dança dos membros, como resultado de lesões de EM que afetam uma determinada área das profundezas do cérebro chamada de caudado.
  • Lesões nos gânglios da base também podem levar a tremores , que podem aparecer como convulsões para algumas pessoas, dada a sua natureza repetitiva e rítmica.
  • Em alguns casos, um alto número de lesões de esclerose múltipla no cérebro em geral pode causar dificuldade em prestar atenção e se concentrar em uma tarefa ou conversa. Isso pode imitar um certo tipo de ataque chamado ausência de convulsão , em que um indivíduo perde a consciência rapidamente e parece ficar parado por vários segundos.

Procure atendimento especializado

Esses tipos de ações involuntárias paroxísticas (súbitas ou intensas) podem aparecer como convulsões e ser muito perturbadoras fisicamente (interrompendo as atividades e tarefas cotidianas de uma pessoa) e mental ou emocionalmente (sentir que uma pessoa não tem controle sobre o corpo depois de já ser afetado por uma doença tão onerosa como a esclerose múltipla). Portanto, ver um neurologista que consegue discernir com exatidão tanto a esclerose múltipla quanto os sintomas semelhantes a convulsões é especialmente importante para as pessoas que vivem com esclerose múltipla.

Independentemente de alguém que vive com EM também ter um segundo diagnóstico neurológico de epilepsia ou simplesmente ter movimentos semelhantes a convulsões como resultado de suas lesões de EM, é importante ser adequadamente cuidado por uma equipe de saúde especializada em neurologia, pois ambos os casos são prejudiciais fisicamente e podem afetar significativamente a capacidade de trabalhar e viver uma vida normal. Conectar-se a um especialista e estabelecer-se com o tratamento e os recursos adequados pode ajudar a pessoa a retomar o controle de seu corpo e a ter impactos positivos na saúde mental, física e emocional a longo prazo.

Fonte: Eplepsy Fondation, traduzido livremente – Redação AME: https://bit.ly/2JZHSpL

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS