Complicações da imobilidade relacionada à Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Se você tem imobilidade relacionada à esclerose múltipla (EM), sua falta de atividade física o coloca em alto risco de desenvolver problemas como úlceras de pressão, músculos e articulações rígidos e fraqueza óssea. Esses problemas podem causar sérias complicações médicas, como infecções e lesões, mas existem medidas que você pode tomar para ajudar a evitá-los e sinais precoces que podem indicar que eles podem estar se desenvolvendo.

  1. Lesões por pressão

As úlceras de pressão (também chamadas de escaras, lesões por pressão ou úlceras de pressão) são áreas de pele frágil ou em carne viva que se desenvolvem após sentar ou deitar em uma posição por um período prolongado de tempo. A pressão excessiva interrompe o fluxo sanguíneo para a pele e o tecido abaixo dela. Sem oxigenação adequada, a pele se rompe e forma-se uma ferida.

As úlceras de pressão se formam em partes ósseas do corpo, mais comumente no cóccix, quadril e sacro, que é a área mais baixa da coluna acima das nádegas. Eles também podem se formar no calcanhar, omoplata, joelho interno, cotovelo e parte de trás da cabeça.

⇒ Reconhecendo lesões de pressão

A coisa complicada sobre úlceras de pressão é que elas não começam com uma aparência ruim. Eles podem começar como uma pequena área de pele vermelha e podem progredir rapidamente se a pressão não for aliviada.

Um dos primeiros sinais indicadores de uma úlcera de pressão é uma área avermelhada da pele que, quando pressionada, permanece vermelha em vez de voltar à sua cor normal. Isso é chamado de úlcera de pressão de estágio um.

À medida que a úlcera de pressão progride, a área vermelha da pele pode começar a inchar, formar bolhas e, eventualmente, descamar. A ferida pode se aprofundar, estendendo-se até a camada de gordura sob a pele e, eventualmente, até o músculo e possivelmente o osso. Isso é chamado de úlcera de pressão de estágio quatro.

⇒ Complicações das lesões

Uma das maiores preocupações com úlceras de pressão é o risco de infecção, que pode causar febre e se espalhar ou até mesmo se tornar uma ameaça à vida.

⇒ Quando consultar um profissional de saúde devido às lesões

Os sinais de uma infecção que justificam atenção médica incluem:

  • Febre
  • Mau cheiro vindo da ferida
  • Vermelhidão, inchaço ou calor
  • Corrimento espesso branco/amarelo/verde
  • Aumentando de tamanho

⇒ Prevenção das lesões

A prevenção é fundamental quando se trata de lesões de pressão. Manter-se ativo, quando e se possível, é importante, mesmo que você não esteja muito motivado.

Os dispositivos de apoio para alívio de pressão incluem um colchão especial para sua cama e/ou almofada para sua cadeira ou cadeira de rodas. Você pode obter recomendações e uma receita para os produtos certos de seu fisioterapeuta ou fisiatra.

Se você não conseguir manter a mobilidade (por estar preso à cama ou à cadeira), é importante mudar de posição pelo menos a cada duas horas. Isso pode exigir o cuidado de uma pessoa para ajudá-lo.

  1. Contraturas e Espasticidade

A imobilidade induzida pela EM causa o desenvolvimento de rigidez articular e muscular, restringindo sua amplitude de movimento. E a EM muitas vezes faz com que os músculos enrijeçam e contraiam, com ou sem imobilidade.

A contração muscular é o encurtamento de um músculo durante o movimento, que normalmente é seguido de relaxamento (alongamento do músculo). As contraturas podem se desenvolver quando os músculos permanecem contraídos mesmo na ausência de movimento.

A espasticidade é um aumento anormal do tônus muscular ou rigidez muscular que interfere no movimento e pode estar associada a espasmos musculares e dor. A espasticidade geralmente ocorre se você tiver contraturas, mas pode ocorrer na ausência delas.

  • A espasticidade severa diminui sua mobilidade, o que aumenta ainda mais sua chance de desenvolver contraturas (um ciclo vicioso).

⇒ Reconhecendo Contraturas e Espasticidade

Se você notar movimentos bruscos, você pode ter espasticidade. Se você mantiver as mãos, braços, pernas ou pés em uma posição incomum enquanto estiver em repouso, poderá desenvolver contraturas. A dor ao mover os músculos é outro sinal de contraturas.

⇒ Complicações da espasticidade

As contraturas e a espasticidade podem estar associadas à dor. Eles também interferem no controle muscular, potencialmente causando uma lesão quando você tenta usar seus músculos.

⇒ Prevenção da espasticidade

Manejar a rigidez articular, contraturas e espasticidade ajuda a interromper esse ciclo de eventos e previne lesões.

Várias estratégias podem ajudar na prevenção, incluindo:

  • Fazer exercícios regulares, como caminhar
  • Alongando os músculos todos os dias
  • Fisioterapia
  • Movimentos passivos dirigidos pelo cuidador se o seu controle muscular for muito limitado
  • Relaxantes musculares, por exemplo Lioresal (baclofeno) e Ozobax ou Fleqsuvy (suspensão oral de baclofeno)
  • Injeções de Botox no músculo afetado

Raramente, a cirurgia é necessária para alongar o músculo e o tendão e melhorar a amplitude de movimento.

  1. Osteoporose

Ter impedimentos de mobilidade ou tornar-se sedentário devido a problemas relacionados à Esclerose Múltipla também pode contribuir para o desenvolvimento da Osteoporose – uma condição de perda e enfraquecimento ósseo que aumenta o risco de fratura óssea.

A parte enganosa sobre a Osteoporose é que ela é conhecida por ser uma doença silenciosa. Na verdade, a Osteoporose é tipicamente diagnosticada por raios-X, geralmente após a ocorrência de uma fratura.

⇒ Prevenção da Osteoporose

Antes de iniciar um treino de fortalecimento ósseo, é melhor consultar um fisioterapeuta que tenha experiência em trabalhar com mobilidade reduzida. Você receberá um programa de exercícios de levantamento de peso (ou musculação) que leva em consideração seus outros problemas relacionados à Esclerose Múltipla, como fraqueza muscular, fadiga e espasticidade.

  • Exemplos de atividades que mexem com os músculos incluem tênis, dança, levantamento de peso, caminhada rápida e corrida.

Você pode participar desses exercícios mesmo se estiver em uma cadeira de rodas — incluindo ioga em cadeira de rodas, tai chi, basquete e atletismo. O fortalecimento do braço usando uma faixa de resistência também pode dar prática de sustentação de peso.

  • É melhor se você puder fazer seus exercícios durante 30 minutos por dia. Mas se isso for demais, faça o que puder – alguns minutos é muito melhor do que nada.

Além do exercício, comer bem é importante. Refeições ricas em frutas, vegetais, proteínas magras e cálcio são boas para manter os ossos fortes. Verifique com seu médico se um suplemento de cálcio é ou não adequado para você. A vitamina D é importante para a absorção de cálcio, portanto, certifique-se de obter o suficiente por meio de sua dieta e exposição ao sol.

Viver com Esclerose Múltipla é uma jornada, então viva um dia de cada vez, seja gentil consigo mesmo nos momentos ruins, aprenda o que puder, siga em frente e valorize todos os altos. Você pode ter que lidar com impedimentos de mobilidade, mas isso pode melhorar à medida que uma exacerbação se resolva. Durante seus estágios mais graves de imobilidade, é importante tentar evitar complicações, que podem durar muito além da própria exacerbação.

 

Leia mais no site da AME:

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Very Well Health

Escrito pelo médico Colleen Doherty, revisado pela médica Huma Sheikh, em 25 de setembro de 2020.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre