Como cultivar a minha própria comida me ensinou a viver com a EM

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Buscar um lugar no interior, começar a plantar e até quem sabe testar receitas com ingredientes da própria produção. A vida de uma mulher de 50 anos com o diagnóstico de Esclerose Múltipla mudou completamente quando ela precisou se aposentar precocemente, depois de trabalhar anos em um local estressante na grande cidade, e passou a plantar sua própria comida. Leia a história de Ashley Memory.

Artigo escrito por Ashley Memory, para o Bezzy/Healthline, em 2021.

A vida sustentável não apenas me ajudou a melhorar minha saúde com Esclerose Múltipla (EM), mas também trouxe um grupo de pessoas que me entendem e um senso de propósito na vida. Depois de 20 anos vivendo com a EM, me aposentei cedo de um trabalho estressante nas admissões da faculdade, em maio de 2017. Aos 49 anos, estava determinada a recuperar minha vida.

Um longo trajeto e prazos implacáveis ​​haviam afetado meu corpo e minha mente. O meu noivo J.P. me incentivou a mudarmos para o interior.

Por mais que eu adorasse o ar revigorante da floresta, a garota da cidade em mim temia perder as conveniências da vida urbana com suas mercearias da moda, restaurantes finos e lojas de departamento chiques. E vivendo tão longe do entretenimento – peças de teatro, filmes e shows – eu temia ficar entediada, especialmente com os limites financeiros da minha pequena pensão.

Ao mesmo tempo, eu ansiava por algo mais gratificante.

Acabei me mudando para a zona rural da Carolina do Norte, não muito longe das colinas das antigas montanhas Uwharrie. Alguns meses depois de nos mudarmos, J.P. e eu nos casamos em uma pequena cerimônia no terraço de nossa casa, que ainda estava sendo construída.

Enquanto estávamos de mãos dadas, olhei para as vistas arrebatadoras de pinheiros, cedros e carvalhos com sentimentos ambivalentes de medo e excitação. Eu sabia que minha vida estava prestes a mudar.

Novos começos

Certa manhã, acordei cedo e observei um pequeno cervo passear pela floresta. Apenas um casco de cada vez, ela se movia como se apreciasse a terra, inclinando a cabeça suavemente como se estivesse agradecendo pelo lindo dia de verão.

Eu me peguei me perguntando se talvez esse pequeno cervo conhecesse uma maneira melhor de viver, além da corrida constante para alcançar e consumir.

Com certeza, com o passar dos meses, descobri que as recompensas da minha mudança no meu bem-estar eram muito maiores do que eu jamais poderia imaginar.

A vida sustentável não apenas me ajudou a reduzir minha pegada de carbono, melhorar minha saúde com a Esclerose Múltipla e economizar dinheiro, mas também trouxe um grupo de pessoas que me acolheram e um senso de propósito na vida.

Começando com um jardim

Depois de tantos anos passados ​​dentro de um escritório com meu corpo apertado sobre um computador, eu ansiava por passar mais tempo ao ar livre e mergulhar meus dedos no solo quente.

Enquanto ando sem ajuda, minhas pernas cansam-se facilmente e sofro de fadiga crônica. Eu não podia cuidar de um longo jardim tradicional por causa do esforço necessário, mas um dia J.P. me surpreendeu com um caminhão cheio de madeira de pinheiro para construir um canteiro menor e elevado.

“Lembra-se daquele projeto de substituição da ponte sobre o Betty McGee Creek? Estes são da ponte velha. Eles estavam indo para o aterro sanitário”, disse ele, o capataz da construção deixou que ele levasse quantos quisesse.

Primeiro plantamos framboesas e amoras, minhas favoritas porque podem reduzir a inflamação associada à Esclerose Múltipla, e sua doçura azeda adiciona um sabor delicioso às minhas saladas e tortas.

Em seguida, plantamos vegetais – pepinos, cenouras, alface e tomates. Em pouco tempo, não sentia saudades aqueles mercados urbanos porque tinha mais alface fresca do que jamais poderia comprar na cidade.

Menos desperdício, mais vida

Folhas mortas, antes um incômodo na minha vida na cidade, agora se tornaram uma bênção. Compramos um compostor de folhas e usamos para triturar dezenas de sacos de folhas de carvalho. Começamos nossa própria pilha de compostagem, onde descartei cascas de maçã, pão mofado e outros resíduos de cozinha. Por sua vez, as folhas do chão e o solo com vermes de nossa compostagem enriqueceram nossos jardins.

Em nosso primeiro ano de cultivo de framboesas, colhemos o suficiente para fazer dois copos de geléia. Em nosso segundo ano, nossas amoras explodiram, produzindo mais frutas frescas (e geléia) do que poderíamos comer por conta própria.

No meu novo mundo, encontrei muitos usos para o que costumava jogar fora descuidadamente. Caixas de papelão eram perfeitas para transportar tortas; caixas de ovos, ideais para iniciar mudas; grandes recipientes de iogurte, excelentes recipientes para compartilhar frutas com amigos e familiares.

Agora faço uma pausa antes de jogar fora qualquer coisa – seja frasco de comprimidos, lata de torta ou caixa de sapatos – porque sei que poderei encontrar um novo uso.

Compartilhando comida e construindo um grupo

Meus amigos da Science Hill Friends Meeting, minha nova igreja, descendiam de famílias de agricultores e eram econômicos e engenhosos. Quando algumas pessoas souberam que eu havia começado a enlatar, elas me deram caixas de suprimentos de seus próprios estoques.

Fiquei emocionada, especialmente porque a pandemia despertou um novo interesse pelos confortos domésticos e aumentou o preço dos potes de vidro. Retribui a generosidade deles devolvendo os potes cheios de geleia de amora e de framboesa.

Bill, outro amigo da igreja, nos deu quatro arbustos de mirtilo e sementes para uma nova variedade de abóbora, e gostamos de trocar receitas de biscoitos e tortas. Outras plantas floresceram, especialmente pepinos, abobrinhas e abóboras.

Embora nossos tomateiros nunca produzissem em abundância, o jardim de minha amiga Ann viu mais sol do que o nosso, e ela alegremente compartilhou seus tomates conosco. Respondemos dando a ela uma de nossas figueiras, que agora está prosperando e dará frutos por muitos anos.

Além das dicas de jardinagem, meus novos amigos transmitiram um segredo conhecido apenas pelos moradores locais: um fazendeiro próximo que cultivava milho sempre reservou um acre apenas para os residentes locais. No início de julho, qualquer pessoa na área estava livre para levar quantas espigas quisesse, e tinham muitas por lá.

Ainda, fomos abençoados com muito mais do que comida. Quando construímos estantes para estudarmos, usamos a madeira dos álamos em nossa própria terra. Como essa madeira era naturalmente reta e leve, pude ajudar J.P. a aplainar a peça e colocar as prateleiras no lugar.

Vivendo intencionalmente

O que mais gosto na minha nova vida é o ritmo mais lento, que me permitiu viver de forma mais intencional. Penso com mais cuidado agora sobre o que preciso versus o que quero, e estou descobrindo que quero e preciso menos do que nunca.

Não sinto falta das mercearias chiques do meu passado porque minha comida tem um gosto melhor e, sem conservantes, é melhor para minha saúde também.

Embora eu viva a quilômetros de distância do entretenimento tradicional, não anseio por essas coisas. E estou ocupada demais para ficar entediada. Há o nascimento de filhos de burros a cada primavera. Cada ano traz novas variedades de frutas para cultivar e receitas para trocar.

Agora tenho mais tempo para me exercitar, como caminhadas rápidas e curtas que rejuvenescem meu corpo e melhoram minha saúde mental. Com mais energia de sobra, também comecei a dar oficinas de poesia e escrita, atividades que aguçam minha mente e função cognitiva.

Eu rio um pouco mais forte e choro um pouco mais facilmente agora porque não tenho mais nada como garantido. A pandemia ressaltou a importância de saborear cada hora da vida.

Eu costumava me preocupar que minha Esclerose Múltipla me deixasse completamente desamparada, mas não tenho tempo para esses pensamentos hoje em dia. Sim, posso me mover mais devagar, mas aceito ajuda quando me é oferecida e tento o meu melhor para ser grata e honrar o mundo natural todos os dias.

Referências

  • Charvet LE, et al. (2017). Cognitive function in multiple sclerosis improves with telerehabilitation: Results from a randomized controlled trial. Plos One.
  • Herring MP, et al. (2017). Moderators of exercise effects on depressive symptoms in multiple sclerosis: a meta-regression. Science Direct.
  • Land Lail H, et al. (2021). Berries as a treatment for obesity-induced inflammation: Evidence from preclinical models. Nutrients.
  • Razazian N, et al. (2020). The impact of physical exercise on the fatigue symptoms in patients with multiple sclerosis: a systematic review and meta-analysis. BMC Neurology.

Leia mais no site da AME:

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Bezzy MS/Healthline

Escrito por Ashley Memory, revisado por Maria Gifford, em 24 de novembro de 2021.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre