AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Cientistas descobrem um novo tratamento com potencial para EM

Cientistas descobrem um novo tratamento com potencial para EM

Os cientistas dos Institutos Gladstone descobriram um modo de prevenir o desenvolvimento de esclerose múltipla em ratinhos. Usando uma droga que bloqueia a produção de um determinado tipo de célula imune associada à inflamação e autoimunidade, os investigadores conseguiram evitar com sucesso o aparecimento da WM em um modelo animal da doença. Os cientistas dizem que o próximo passo é testar a aplicação dessa estratégia para outras doenças autoimunes.

"Estamos muito animados com estes resultados", diz Eric Verdin, MD, um investigador sênior do Gladstone e co-autor sênior do estudo.

"À luz do efeito significativo que o tratamento teve sobre a inflamação, as implicações desses resultados provavelmente se estendem para além da esclerose múltipla com outros tipos de doenças autoimunes. Estamos particularmente interessados ​​em testar isso para a diabetes do tipo I, dadas as semelhanças envolvidas, e nós já estamos analisando resultados muito promissores nos experimentos preliminares".

No sistema imunológico, dois tipos de células T um equilíbrio delicado – células T auxiliares (Th17) ativam o sistema imunitário, a proteção contra infecções e cancros, enquanto as células T reguladoras (Treg) suprimem o sistema, mantendo-o sob controle. A disparidade entre esses tipos de células, onde há muitos Th17 e não o suficiente Tregs, pode levar a um sistema imunológico hiperativo, resultando em inflamação, danos no tecido e desenvolvimento de uma doença autoimune.

No estudo atual, publicado no Journal of Experimental Medicine, os investigadores descobriram que uma proteína reguladora importante, sirtuina 1 (SIRT1), está envolvida na produção de células Th17. Ao bloquear esta proteína, os cientistas podem proteger contra o aparecimento de autoimunidade. SIRT1 também tem um impacto negativo sobre a maturação e manutenção Treg, inibindo assim a sua expressão aumenta simultaneamente a produção de Tregs e suprime a criação de Th17.

Para testar o efeito sobre a doença, os pesquisadores usaram um modelo de EM em cobaias animais e trataram os animais com uma droga que inibe a SIRT1. Normalmente, os ratos modelo teriam problemas motores graves, levando à paralisia, mas quando eles receberam a droga se comportaram perfeitamente normal. Além disso, os animais tratados não mostraram sinais de inflamação ou danos celulares em seus espinhos, marcadores clássicos de EM.

Em contraste com a investigação atual, SIRT1 é tipicamente considerado como tendo propriedades anti-inflamatórias. Compostos que aumentam a SIRT1, como o resveratrol, têm sido propostos como um meio para retardar o envelhecimento. No entanto, o primeiro autor Hyungwook Lim, PhD, pós-doutorando em Gladstone, diz que a nova pesquisa sugere que os efeitos da proteína são mais complicadas.

"A teoria convencional tem sido que você deve ativar a SIRT1 para melhorar a saúde e longevidade, mas nós mostramos que isso pode ter consequências negativas", diz Dr. Lim.

"Em vez disso, nós pensamos que o papel da SIRT1 depende muito do tipo de tecido a ser alvejado. Por exemplo, em células do sistema imunológico, ao invés de serem SIRT1 anti-inflamatório parece ter um papel pró-inflamatório, o que o torna um alvo preferencial para tratar doenças autoimunes. "

Outros investigadores Gladstone no estudo incluem Jae Kyu Ryu, Mingjian Fei, Intelly Lee, Kotaro Shirakawa, Herbert Kasler, Hye-Sook Kwon, Katerina Akassoglou, e Melanie Ott, que era um co-autor sênior no papel. Cientistas da Universidade da Califórnia em San Francisco, Instituto Scripps Research, Instituto Buck de Pesquisa sobre o Envelhecimento, Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão, German Cancer Research Center, da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York, e do Instituto Médico Howard Hughes, também participou da pesquisa . O financiamento foi fornecido pelas famílias Kurtzig e Mulholland, do Centro Nacional de Pesquisa de Recursos, e do Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia.

 

EurekaAlert Copyright © 2015 by the American Association for the Advancement of Science (AAAS). Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.