Carne vermelha não processada associada a risco reduzido de EM

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Para entender melhor a relação entre comer carne vermelha e EM, os pesquisadores avaliaram a relação entre o consumo de carne vermelha processada e não processada e o risco de desenvolver EM em 791 participantes.

Os resultados mostraram que a quantidade de carne vermelha não processada consumida por pessoas com esclerose múltipla no ano anterior ao seu primeiro evento desmielinizante (um frequente precursor da esclerose múltipla) foi muito menor, sugerindo que a carne vermelha pode ter um efeito protetor contra o desenvolvimento de EM.

A ligação entre dieta e EM é uma área de grande interesse para a comunidade de EM.

Embora existam algumas descobertas que apontam para efeitos benéficos de certos componentes da dieta, por exemplo ácidos graxos ômega-3, mais pesquisas são necessárias para chegar a um consenso sobre se uma determinada dieta, nutriente e / ou suplemento é benéfico para pessoas com EM.

Estudos anteriores que analisaram se existe alguma ligação entre o consumo de carne vermelha e EM retornaram resultados inconclusivos. Enquanto a carne é uma boa fonte de proteína, ferro, zinco, vitamina B12 e muitas outras vitaminas e minerais, tem havido estudos que sugerem que o consumo de carne vermelha, particularmente carne processada, está ligado ao aumento do risco de doenças como a obesidade. diabetes tipo 2, doença cardiovascular e câncer. Foi proposto que isto poderia ser devido ao teor de gordura da carne vermelha ou à formação de produtos possivelmente nocivos quando a carne vermelha é cozinhada a altas temperaturas.

Em um esforço para entender melhor a relação entre comer carne vermelha e esclerose múltipla, pesquisadores do grupo de estudo AusImmune, que receberam financiamento da fundação da MS Research Australia, avaliaram a relação entre o consumo de carnes vermelhas processadas e não processadas e o risco de desenvolver EM.

Este estudo de longa duração, baseado na população, inscreveu originalmente 791 participantes que experimentaram um primeiro evento desmielinizante (FDE), um precursor frequente da EM, e que o acompanha desde há 15 anos. O estudo examina a ligação entre vários fatores ambientais, incluindo dieta, e o risco de desenvolver EM.

Os resultados deste estudo publicado recentemente na Frontiers in Neurology mostram que a quantidade de carne vermelha não processada consumida pelas pessoas no ano anterior à experiência de um FDE foi menor do que a observada em indivíduos saudáveis. O estudo mostrou que o consumo de carne vermelha não processada está relacionado ao risco reduzido de FDE e, portanto, EM. Curiosamente, quando os pesquisadores levaram em consideração outros fatores, essa associação só foi encontrada em mulheres. Isto pode ser devido ao estudo ter apenas um grupo relativamente pequeno de homens. Alternativamente, isso poderia ser atribuído aos homens como um grupo que come mais carne vermelha como parte de sua dieta regular do que as mulheres, independentemente de terem desenvolvido EM ou não.

Esses achados permaneceram os mesmos, mesmo quando os pesquisadores limitaram a análise aos alimentos consumidos nos 90 dias anteriores ao diagnóstico de FDE para reduzir a probabilidade de os participantes relatarem mudanças no comportamento relacionado aos alimentos como resposta ao diagnóstico.

Os autores desta publicação especulam que os efeitos benéficos observados da carne vermelha sobre o risco de desenvolver EM podem ser devidos à carne vermelha contendo uma forma muito ativa de vitamina D ou ao seu conteúdo do que é conhecido como ácidos graxos poliinsaturados n-3 de cadeia longa.

A falta desses nutrientes tem sido associada com o aumento do risco e progressão da esclerose múltipla em outros estudos.

Apesar do desenho robusto deste estudo (multi-center e caseado caso-controle), mais pesquisas são necessárias para identificar os componentes específicos de carne vermelha não processada que podem ser benéficos na prevenção de EM. Mais pesquisas também são necessárias para avaliar se existe um limite para a quantidade de carne que é recomendada para consumo, se carne vermelha de outras partes do mundo mostram benefícios semelhantes e se esses benefícios de comer carne vermelha não processada continuam a ser vistos em pessoas com EM estabelecida.

 

Para melhorar nossa compreensão do papel da dieta na EM, muitos projetos de pesquisa de alto calibre estão em andamento globalmente. Em última análise, esses estudos permitirão que ensaios clínicos sejam desenvolvidos para testar novas estratégias dietéticas que sejam promissoras, e ajudarão no desenvolvimento de diretrizes dietéticas baseadas em evidências para pessoas com esclerose múltipla e aquelas com alto risco de esclerose múltipla.

 

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation

http://bit.ly/2KKTQB5

Traduzido e adaptado – Redação AME

Explore mais