AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Cansado o tempo todo? Problemas do sono não diagnosticados podem piorar a fadiga na EM

Cansado o tempo todo? Problemas do sono não diagnosticados podem piorar a fadiga na EM

Pessoas com esclerose múltipla podem presumir que o cansaço que muitas vezes se sentem esteja associado com a doença neurológica crônica, mas um novo estudo da Universidade de Michigan (UM) sugere que uma grande parte dos pacientes afetados pela EM podem sofrer de distúrbios do sono não diagnosticados que agravam a fadiga. Essa desordem, apneia obstrutiva do sono é uma condição tratável.

Na última edição do Journal of Clinical Sleep Medicine, os pesquisadores do Centro de Distúrbios do Sono na UM Saúde System Center relataram os resultados de um estudo que envolveu 195 pacientes. No geral, verificou-se que 56% dos pacientes com EM apresentaram um maior risco para a apneia obstrutiva do sono, com base em um método de detectar a condição conhecida como questionário STOP-BANG. Mas a maioria nunca tinha recebido um diagnóstico formal de apneia do sono, muito menos metade das pessoas que disseram que eles tinham apneia do sono estavam usando o tratamento padrão para isso.

Os autores também descobriram que os pacientes afetados pela EM eram mais propensos a ter também um alto risco para a apneia do sono, mesmo depois de levar em conta outros fatores que podem ter contribuído para a sensação de fadiga, tais como idade, sexo, índice de massa corporal, a duração do sono, depressão e outros sintomas noturnos.

A pesquisa é baseada em respostas de pacientes a um questionário do sono concebido pelos autores, e quatro instrumentos validados que permitiram avaliar a sonolência diurna, a gravidade da fadiga, a gravidade da insônia e do risco de apneia obstrutiva do sono. Também foram acessados ​​os registros médicos com a permissão dos pacientes, a fim de analisar as características clínicas que poderiam predizer a fadiga ou o risco de apneia obstrutiva do sono.

De acordo com o principal autor do estudo Tiffany Braley: ”Ficamos particularmente surpresos com a diferença entre a proporção de pacientes com diagnóstico estabelecido de apneia obstrutiva do sono (21%) e a proporção de risco para a apneia obstrutiva do sono, de acordo com pontuações STOP- BANG, que foi de 56%.” Ele complementa: “Estes resultados sugerem que a apneia obstrutiva do sono pode ser um contribuinte ainda desconhecido, mas altamente relevante à fadiga em pessoas com esclerose múltipla.”

Braley, professor assistente de neurologia e especialista em esclerose múltipla da Faculdade de Medicina da UM, adverte que a concepção deste novo estudo não mostra causa e efeito, ou seja, os pesquisadores não podem provar com base nos resultados da pesquisa que os pacientes se sentiam mais cansados porque eles tinham uma maior pontuação em um estudo de risco de apneia do sono. Mas, diz: “Os resultados devem alertar os médicos que tratam de pacientes com esclerose múltipla a considerar a apneia do sono como um possível contribuinte para o cansaço de seus pacientes, e recomendar testes e tratamentos.”

Os pacientes no estudo tinham uma idade média de 47 anos e tinham vivido com a EM para uma média de 10 anos. Dois terços são mulheres, de acordo com a prevalência da esclerose múltipla nos EUA, e dois terços estavam tomando medicamentos para tratar a esclerose múltipla. Três quartos tinha a forma remitente-recorrente da doença.

 

ScienceNewsline. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *