AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Alto consumo de peixe pode ser fundamental para reduzir o risco de desenvolvimento de EM

Alto consumo de peixe pode ser fundamental para reduzir o risco de desenvolvimento de EM

Comer peixe uma vez por semana, ou uma a três vezes por mês, juntamente com suplementos diários de óleo de peixe, pode ajudar a diminuir o risco de desenvolver esclerose múltipla (EM) , segundo um estudo preliminar.

Esses achados sugerem que os ácidos graxos ômega-3 em peixes como salmão, atum e camarão podem estar ligados a um risco reduzido de esclerose múltipla.

Os resultados do estudo serão apresentados na 70ª  Reunião Anual da Academia Americana de Neurologia, de 21 a  27 de abril, em Los Angeles.

Neste estudo preliminar, os pesquisadores avaliaram a frequência do consumo de peixe em 1.153 pessoas (idade média de 36 anos) de várias origens. Cerca de metade dos participantes inscritos foram diagnosticados com EM ou síndrome clinicamente isolada – uma condição geralmente vista como o primeiro episódio de sintomas de EM, com duração de pelo menos 24 horas.

“Consumir peixe que contém ácidos graxos ômega-3 tem demonstrado uma variedade de benefícios à saúde, por isso queríamos ver se essa simples modificação no estilo de vida, consumir regularmente peixes e tomar suplementos de óleo de peixe poderia reduzir o risco de EM”, disse Annette. Langer-Gould, MD e PhD, do Kaiser Permanente Southern Califórnia e membro da Academia Americana de Neurologia, disse em um  comunicado de imprensa .

As pessoas inscritas no estudo foram divididas em duas categorias de acordo com o consumo de peixe: alto consumo de peixe ou baixa ingestão de peixe. Aqueles no grupo de alta ingestão de peixe comeu uma porção de peixe por semana ou uma a três porções por mês, juntamente com suplementos diários de óleo de peixe. O grupo de baixa ingestão comeu menos de uma porção de peixe por mês, e eles não tomaram suplementos de óleo de peixe.

Os pesquisadores descobriram um risco reduzido de 45 por cento de desenvolver EM ou síndrome clinicamente isolada no grupo com alto consumo de peixe comparado com o baixo consumo de peixe. O grupo alto consumo de peixe foi composto por 180 pacientes com esclerose múltipla e 251 pessoas saudáveis.

A equipe também descobriu que algumas pessoas podem regular os níveis de ácidos graxos com mais facilidade do que outras. Ao analisar 13 mutações em genes que regulam os níveis de ácidos graxos, eles descobriram duas mutações que estavam associadas a um risco reduzido de desenvolver EM, mesmo após contabilizar uma maior ingestão de peixes.

Esses resultados sugerem que algumas pessoas podem ter uma vantagem genética baseada em como seus corpos regulam os níveis de ácidos graxos.

A equipe enfatizou a associação entre o consumo de ácidos graxos ômega-3 e o risco reduzido de desenvolver EM, mas não uma relação de causa e efeito. No futuro, os pesquisadores querem avaliar como os ácidos graxos ômega-3 afetam o metabolismo, a inflamação e a função nervosa, para confirmar essa associação.

Um estudo piloto semelhante está testando se a dieta mediterrânea pode reduzir os sintomas da esclerose múltipla e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Peixes e outros frutos do mar são conhecidos por serem uma parte importante da dieta mediterrânica.

Segundo os pesquisadores, peixes como sardinha, salmão, atum voador e truta do lago são geralmente vistos como boas fontes de ácidos graxos ômega-3.

Fonte: Multiple Sclerosis News Today – Traduzido livremente: https://bit.ly/2so881J

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS