Além da Esclerose Múltipla…

Mulher de blusa de mangas curtas listrada de branco e preto e macacão preto segura um livro nas mãos. Ela está em pé, de perfil. Ao fundo, o mar azul.

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

A EM por ser uma doença inflamatória e degenerativa do Sistema Nervoso Central, tem como principal queixa, os próprios surtos que podem vir a acontecer ao longo do tempo e de acordo com a progressão da doença. Porém, o que quase ninguém fala é o por trás dessa doença crônica, sem cura.

Os sintomas cotidianos de cada um variam de pessoa a pessoa. Conheço pessoas diagnosticadas com a doença que não possuem nenhum sintoma; há quem tem fadiga diariamente, quem sente dores frequentes, quem tem dificuldade em andar, controlar a bexiga ou até mesmo o intestino. O que quase nunca ouve falar é sobre a dificuldade de lidar com está doença, sem cura, que em grande maioria dos casos exige do paciente um medicamento via subcutâneo, o qual em grande maioria, nós mesmos que fazemos a aplicação E sobre tudo, exige um emocional muito bom para lidar com os dias ruins.

A questão dos sintomas como, fadiga e dores que apresento constantemente, é um dos meus maiores pesos para lidar no dia a dia. Principalmente, quando tenho muitas coisas para fazer, mas meu corpo simplesmente não consegue, pois está cansado demais. Ou quando a dor persiste até mesmo após o uso de algum analgésico. Felizmente, são raras as ocasiões em que isso acontece, porém quando ocorrem, acaba sendo um dos dias mais difíceis pra mim, afinal, a esclerose múltipla é dita como uma doença que leva a vida normal, então não poder viver minha vida naquele período de uma forma normal, pra mim, é muito assustador.

Outro sintoma que é mais raro ainda ser abordado é a disfunção cognitiva, mais conhecida como ‘’nevoeiro cerebral’’. A forma mais clara de descrever essa sensação é de repente esquecer o que acabou de falar ou o que estava começando a fazer, mas já não se lembra mais do que faria, ou o porquê de estar falando ou fazendo aquilo. Em questão de segundos as coisas não fazem mais sentido e você percebe que aquela cena já não está normal, então já podemos dizer oi para este outro mal que assusta algum de nos esclerosados.

A maneira que me ajuda a espairecer e tentar esquecer esses dias ruins é treinar; fazer uma meditação, alongamento ou uma oração; conversar com pessoas que me fazem bem; tomar um banho gelado e beber muita água, fazer uma skin care, cuidar de mim como um todo. Tentar lembrar que aqueles dias são mais raros e que eu deveria descansar para que amanhã seja um novo dia, é a melhor maneira de olhar para tudo com uma forma mais positiva. E acima de tudo, jamais perder a fé que sempre haverá novas chances e um novo dia melhor, afinal, para nós esclerosados, manter um emocional equilibrado é essencial, independente de como. Leituras de autoajuda, terapias, vídeos que nós fazem refletir a olhar as coisas de uma forma mais positiva ou conversar com pessoas sábias. Nesses momentos, tudo que acalma nosso coração e espirito são muito bem vindos!

 

Explore mais

Emoções

Hello, meus Raros tudo bem?

por Aline Souza Venho através desse texto compartilhar minhas experiências nos últimos tempos para ter um encaminhamento para o neurologista via SUS. O Sus é

Coronavírus

O caminho de volta

por Suzana Gonçalves Há quase dois anos fomos literalmente surpreendidos pela pandemia, dúvidas no ar… Como nossos corpos com esclerose múltipla irão se  comportar diante