Uma a cada quatro pessoas com Esclerose Múltipla têm enxaquecas

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Os mecanismos por trás do maior risco na EM “continuam incertos, e mais investigações são necessárias para desvendar essa relação complexa”, escreveram os pesquisadores em “A associação entre esclerose múltipla e enxaqueca: uma meta-análise”, um estudo de revisão publicado em Distúrbios Relacionados à Esclerose Múltipla.

A EM é uma condição neurológica onde um ataque imunológico desorientado causa danos a partes saudáveis do cérebro e da medula espinhal, interferindo na função normal das células nervosas e levando a uma variedade de sintomas.

Um sintoma comum da EM é a enxaqueca, que pode ocorrer devido a danos diretos relacionados à EM a certas estruturas cerebrais ou como resultado de mudanças na atividade metabólica. Uma característica da enxaqueca é uma dor intensa ou uma sensação pulsante, geralmente em um lado da cabeça. Muitas vezes é acompanhada de náuseas, vômitos e extrema sensibilidade à luz e ao som. Uma enxaqueca pode ser precedida por uma aura, que normalmente inclui alterações na visão, como flashes de luz ou pontos cegos, ou formigamento nas mãos ou rosto. No entanto, a maioria das enxaquecas ocorre sem aura.

Determinar a prevalência de enxaquecas na EM

Poucos estudos examinaram a prevalência de enxaquecas na EM e as estimativas de sua frequência parecem variar dependendo da raça e etnia dos participantes do estudo. Os possíveis fatores de risco que podem contribuir para enxaquecas na EM também permanecem elusivos, levando pesquisadores no Irã a analisar retrospectivamente estudos publicados que avaliaram a presença de enxaquecas em adultos com EM. A análise incluiu 35 estudos publicados entre 1969 e 2023, envolvendo 27.678 pessoas com EM.

A maioria dos pacientes era do sexo feminino, o que é consistente com a doença sendo menos comum em homens. Sua faixa etária média estava entre 30 e 55,7 anos e a maioria tinha níveis mínimos a moderados de incapacidade, conforme determinado pelos escores da Escala de Status de Incapacidade Expandida (EDSS) que variavam entre 2 e 3 pontos na maioria dos estudos.

Com base em dados de 20 estudos, a prevalência geral de enxaqueca em pacientes com EM foi de 24%. Essa prevalência não foi afetada pela idade, duração da EM, nível de incapacidade, tipo de estudo e localização da população do estudo. Cerca de 18% dos pacientes tinham enxaqueca sem aura, enquanto apenas cerca de 7% tinham enxaqueca com aura, dados de 10 estudos mostraram.

Também foram obtidos dados de 279.603 controles saudáveis de 13 estudos, o que permitiu aos pesquisadores analisar a probabilidade de enxaquecas se desenvolverem em pacientes com EM em comparação com pessoas saudáveis.

Foi demonstrado que pessoas com EM têm 1,96 vezes mais probabilidade de ter enxaquecas do que pessoas sem EM. Mas os pacientes com EM tinham 20% menos probabilidade de ter enxaquecas com aura. Enxaquecas sem aura tinham 2,25 vezes mais probabilidade de ocorrer no grupo de EM.

Análises estatísticas revelaram alguns fatores que aumentaram a probabilidade de enxaquecas na EM. Isso incluiu ter 45 anos ou mais, ter EM por menos de 10 anos e estar na Europa. Estudos de coorte, que acompanham pacientes por longos períodos para estudar como diferentes fatores afetam seus resultados, e estudos publicados antes de 2010 também tendiam a relatar uma maior probabilidade de enxaqueca.

“Esses resultados significativos destacam a influência potencial da idade, tipo de estudo, duração da EM, localização geográfica e ano de publicação sobre as chances de enxaqueca em pessoas com EM em comparação com a população saudável”, escreveram os pesquisadores. “Nossos resultados mostram que a prevalência estimada de enxaqueca em pessoas com EM é de 24%. Além disso, nossa análise revelou que o risco de enxaqueca em pessoas com EM era 1,96 vezes maior do que o de controles saudáveis.”

Mais pesquisas e intervenções são necessárias para abordar o peso das enxaquecas entre os pacientes com EM, afirmaram eles.

Publicado originalmente em MS News Today

Traduzido e adaptado Redação AME

Explore mais